Agro

Abag reconhece que imagem negativa do país no exterior tem se consolidado

Relatório de monitoramento de imagem do Brasil no exterior aponta que há reconhecimento da diferença entre a produção agrícola e da questão Amazônica, mas pecuária ainda tem percepção de ser prejudicial

Reputação está entre uma crise dependente de ações emergenciais e uma crise com resgate de ações de terceiros, ou seja, país se aproxima de momento em que sozinh terá dificuldade em reverter essa curva
02 de Agosto, 2021 | 12:53 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Marcelo Brito, disse hoje que o último relatório de monitoramento da imagem do Brasil no exterior indica que a percepção negativa do país está se consolidando. Segundo ele, chegou-se a um ponto entre uma crise dependente de ações emergenciais e uma crise com resgate de ações de terceiros. “Ou seja, estamos quase chegando ao ponto onde sozinhos não poderemos facilmente inverter essa curva”, disse Brito, durante a abertura do Congresso Brasileiro do Agronegócio.

Para ele, o resgate da imagem do Brasil passa por um trabalho interno, que se inicia dentro do próprio setor produtivo, em meio ao nono ano de crescimento consecutivo do desmatamento ilegal no Brasil. “Se por um longo período nosso setor se levantou e ainda se levanta para enfrentar as ameaças de invasão ilegais de terra, não podemos mais ficar calados à grilagem de terras públicas na Amazônia, processo que dá início à insanidade do desmatamento ilegal e suas perversas consequências sociais, econômicas e e ambientais”, disse.

Não podemos mais ver isso sob um silêncio ensurdecedor, que por vezes soa como omissão

Marcelo Brito, presidente da Abag

Com o mea-culpa por parte do setor, Brito cobrou empenho do Estado, nas esferas do Executivo, Legislativo e até Judiciário. “Chamamos a responsabilidade mútua do Governo Federal, Estaduais, da Justiça, que através de sua lentidão alimenta a impunidade, à parte do Legislativo, que, a todo tempo tenta alterar o código florestal e a nós, cidadãos de bens deste país que temos feito do silêncio a nossa cumplicidade”, disse.

Contudo, ele diz que o monitoramento também aponta para aspectos positivos, como o reconhecimento entre a distância existente entre a produção agrícola nacional e a questão amazônica. “Uma lembrança aos colegas da pecuária ainda não vislumbramos isso na pecuária. Ainda temos muito trabalho a fazer”.

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.

PUBLICIDADE