PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

O principal do dia: exterior amanhece em ritmo de alta; aqui, mais ruído ‘made in Brasília’

BREAKFAST: Mercados internacionais seguem alta da última sexta; pedido de impeachment de ministro do Supremo feito por Bolsonaro eleva tensão política e Bitcoin ultrapassa US$ 50 mil

Mercados no exterior tem manhã calma após semana turbulenta
23 de Agosto, 2021 | 08:26 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Os mercados internacionais dão sinais de um início de semana mais leve nesta segunda-feira (23), estendendo o ritmo de recuperação começado na última sexta (20), com investidores aliviando a cautela em relação à possível retirada dos estímulos monetários do Federal Reserve, o banco central americano.

A semana deve ter foco em indicadores econômicos que apontem o ritmo de recuperação global, enquanto que, localmente, os mercados prestam atenção nas negociações em torno dos ajustes no imposto de renda, além da ressaca institucional com o inédito pedido de impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, apresentado pelo presidente Jair Bolsonaro no Senado. Os governadores brasileiros terão uma reunião nesta manhã para definir o posicionamento em relação ao pedido.

PUBLICIDADE
  • Futuros americanos em queda, com Dow Jones (-0,45%), S&P 500 (-0,45%) e Nasdaq (-0,45%).
  • Bolsas asiáticas fecharam em queda: Tóquio/Nikkei 225 (-0,98%), Hong Kong/Hang Seng (-1,84%) e Xangai (-1,10%)
  • Por aqui, Ibovespa fechou em alta na sexta, com 118.052 pontos (+0,76%);
  • Dólar fechou cotado a R$ 5,37 (-0,8%).
  • Bitcoin valendo US$ 50.252 (+2,3%), agora pela manhã

Direto de Brasília (e outros lugares)

  • Aqui a semana começa com um rescaldo da mais recente investida do presidente Jair Bolsonaro contra o STF. Na sexta, o presidente mandou protocolar no Senado o pedido de impeachment de Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news. É a primeira vez que a Presidência faz um pedido do gênero na história recente do país.
  • A resposta foi imediata e política. Ex-presidente do Senado e atual presidente da poderosa CCJ, Davi Alcolumbre (DEM-AP) disse, no sábado (21), a interlocutores, que não vai mais pautar a indicação de André Mendonça para o Supremo.
  • O temor dos operadores políticos de Brasília é que o pedido de impeachment afete também reformas enviadas pelo Executivo, principalmente no Senado, que é onde o governo já enfrenta a CPI da Covid e tem maior dificuldade de articulação. O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), também criticou a iniciativa do presidente e disse não ver fundamentos no pedido.
  • No domingo, dez partidos – que abrigam 43 dos 81 integrantes do Senado – se manifestaram contra o pedido de impeachment do ministro, somando-se assim ao STF, OAB, juristas e associações nacionais de magistrados. A manifestação mais dura veio do decano do Supremo, Gilmar Mendes, pelo Twitter:
  • É esperada também nova tentativa do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), de por em votação a reforma do imposto de renda. Na semana passada, não conseguiu.
  • O novo ruído trazido pelo pedido de impeachment pode a reverberar na encrenca dos precatórios para a qual o governo busca uma solução para aliviar o orçamento de 2022. A previsão para pagar essas dívidas judiciais, a priori, já soma R$ 89 bilhões.

Veja mais: Preparamos esse vídeo para explicar o que são precatórios e como estas dívidas se transformaram em uma bomba fiscal no Orçamento Geral da União do ano que vem.

  • A juíza Pollyanna Kelly Alves, da 12ª Vara da Justiça Federal em Brasília, rejeitou denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do sítio de Atibaia.
  • Brasil registrou 331 mortes por Covid-19, no domingo, e média móvel diária de 765 mortes, a menor desde a primeira semana de janeiro. Desde o início da pandemia, a doença já matou 574.574 brasileiros.

Manchetes dos jornais

  • Avanço invisível do varejo digital fortalece grandes redes e ‘salva’ pequena loja (Valor)
  • Incêndios no Pantanal alcançam ritmo da destruição recorde de 2020 (Folha de S.Paulo)
  • Congresso reage a veto de Bolsonaro e se articula para dobrar valor do fundo eleitoral (O Globo)
  • Grupos tradicionais aceleram parcerias com startups em busca de inovação (O Estado de S.Paulo)
  • Pressure Grows on Biden to Extend Afghan Withdrawal Deadline (New York Times)
  • Stock Futures Edge Up Ahead of Economic Data (Wall Street Journal)
  • Biden says safe zone around Kabul airport to expand as U.S. airlines enlisted for evacuations (Washington Post)

Na Bloomberg Línea

A Central Única das Favelas (Cufa) mobilizou R$ 296,2 milhões em pouco mais de um ano do projeto Mães da Favela, uma iniciativa que ajuda as mulheres chefes de família a sobreviverem aos impactos da covid-19. A Cufa criou o movimento ainda em março de 2020, logo após a declaração de pandemia pela Organização Mundial da Saúde. Conheça mais sobre a iniciativa aqui.

Agenda do dia

  • Indicadores Brasil: IPC-S FGV (8h); Pesquisa Focus (8h25)
  • Indicadores EUA: PMI Composto (10h45); Vendas de casas usadas (11h)
  • Jair Bolsonaro: Reuniões com Bento Albuquerque, Ministro de Minas e Energia; com Onyx Lorenzoni, Ministro do Trabalho e Previdência; com Ciro Nogueira, Ministro do Chefe da Casa Civil da Presidência; com Pedro Cesar Sousa, Subchefe para Assuntos Jurídicos da Secretaria-Geral da Presidência; com Luiz Eduardo Ramos, Ministro de Estado Chefe da Secretaria-Geral da Presidência.
  • Paulo Guedes (Economia): 41º Congresso Internacional da Propriedade Intelectual da ABPI; almoço com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto; reunião com a secretária Especial do Programa de Parcerias de Investimentos, Martha Seillier; reunião com secretário Especial da Receita Federal, Jose Tostes.
  • Roberto Campos Neto (BC): Almoço com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, o Secretário da Secretaria Especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o Secretário da Secretaria de Política Econômica, Adolfo Sachsida, no Ministério da Economia; videoconferência, com dirigentes de instituições financeiras, no Edifício-Sede do Banco Central.

Para não ficar de fora

A FDA (agência do governo americano com atribuições similares à nossa Anvisa) resolveu não usar meias palavras para pedir que as pessoas parem de usar o vermífugo Ivermectina para tratar a Covid-19: “Você não é um cavalo. Você não é uma vaca. Sério, pessoal. Pare com isso.”

PUBLICIDADE

Muita gente ficou 😳 com o método escolhido pela prefeitura de Joinville (SC) para a aplicação da vacina da Covid-19: a maioria dos moradores da cidade recebeu o imunizante na região dos glúteos, em vez do braço.

A explicação da prefeitura e dos órgãos de saúde do Estado: a eficácia da vacina é a mesma em ambas as regiões, mas, na lateral da perna, tende a ocasionar menos dor. O caso ganhou repercussão nos jornais, muitos memes e ainda mais notificações no celular.




Bloomberg Línea

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.

PUBLICIDADE