PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Ibovespa vai contra calmaria do exterior, com relação de Bolsonaro e STF no radar

Crise política que ameaça votações de reformas no Congresso dá pontapé negativo na semana; juros sobem e dólar fica no zero a zero

Ibovespa inicia semana em território negativo
23 de Agosto, 2021 | 10:53 am
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, abriu em leve queda nesta segunda-feira (23), apagando parte dos ganhos da última sexta (20), e se afastando do exterior mais calmo, com a crise institucional que se desenha entre Planalto, Congresso e Supremo Tribunal Federal pesando no sentimento. A alta do petróleo ajuda a impulsionar as ações da Petrobras, que lideravam o pregão, enquanto a Vale recuava, com receios sobre a demanda por minério de ferro no mundo.

  • Perto das 10h25, o Ibovespa caía 0,15%, a 117.660 pontos, com os papéis preferenciais da Petrobras na ponta de alta (+0,22%), enquanto Vale (-0,55%), Intermédica (-1,77%) e B3 (-0,13%) figuram entre as maiores quedas por pontos.
  • No exterior, as bolsas subiam, com as falas de Robert Kaplan, presidente do Federal Reserve de Dallas, da última sexta, ajudando a acalmar os mercados. Segundo ele, o avanço da variante delta da Covid-19 nos EUA pode atrasar a recuperação econômica do país e, por sua vez, a retirada dos estímulos monetários do banco central americano.
  • A expectativa para o Jackson Hole, o simpósio que deve trazer a visão mais atualizada do Fed sobre o assunto e que começa nesta quinta-feira (26), também ajuda a manter os mercados mais otimistas. Os futuros dos índices americanos subiam, com Dow Jones (+0,45%), S&P 500 (+0,34%) e Nasdaq (+0,26%).

Seguindo o clima político mais pesado, a curva de juros brasileira subia em bloco nesta segunda, com os contratos para janeiro de 2023, 2024 e 2025 subindo perto de 10 pontos. Já o dólar futuro andava de lado, próximo à estabilidade, negociado a R$ 5,378.

PUBLICIDADE

Veja mais: Etna culpa pandemia por reduzir presença no Nordeste e fechar lojas físicas

Contexto

O presidente Jair Bolsonaro apresentou na última sexta (20) um pedido inédito de impeachment contra o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news. É a primeira vez que a Presidência faz um pedido do gênero na história recente do país.

  • Os governadores brasileiros terão uma reunião nesta manhã para definir o posicionamento em relação ao pedido
  • Ex-presidente do Senado e atual presidente da Comissão e Constituição de Justiça (CCJ), Davi Alcolumbre (DEM-AP), teria dito a interlocutores, segundo o jornal O Globo, que não vai mais pautar a indicação de André Mendonça, aliado de Bolsonaro, para o Supremo
  • O estremecimento da relação com o STF gera receios no mercado de que as reformas em tramitação no Congresso, como a tributária, possam continuar a ser adiadas, por falta de clima político para possíveis aprovações

“Aparecem mais problemas, e apresentar soluções não tem sido o forte do Brasil. Isso acaba punindo o nosso índice e colocando o país para performar bem aquém do mercado internacional”

Lucas Xavier, analista técnico da Ativa Investimentos, em comentário para a Bloomberg Línea

Segundo ele, no entanto, a queda acumulada do Ibovespa nos últimos dois meses pode abrir possibilidade para que o índice tenha uma recuperação na performance, a depender do andamento das negociações políticas no país.

Leia mais

Ana Siedschlag

Ana Carolina Siedschlag

Editora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero e especializada em finanças e investimentos. Passou pelas redações da Forbes Brasil, Bloomberg Brasil e Investing.com.

PUBLICIDADE