promo
Internacional

Pressão regulatória atinge mais setores em ‘nova China’ de Xi

Situação trouxe mais dor de cabeça para investidores, com instituições globais vendendo US$ 1 bilhão em ações da China continental

Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A repressão regulatória da China sobre mercados vistos como injustos encontrou mais alvos nesta sexta-feira (20) entre fabricantes de bebidas, empresas de cosméticos e farmácias online.

Uma série de comentários e artigos na mídia estatal defendiam uma supervisão mais rigorosa para proteger consumidores, uma vez que a campanha do presidente Xi Jinping para abordar a desigualdade amplia seu alcance por meio dos setores de tecnologia e saúde. Isso trouxe mais dor de cabeça para investidores, com instituições globais vendendo US$ 1 bilhão em ações da China continental por meio de links de trading na sexta-feira, enquanto empresas chinesas negociadas nos EUA enfrentam semanas de perdas.

“Com as preocupações sobre regulamentação e o início de uma desaceleração do crescimento econômico, é extremamente difícil ganhar dinheiro agora”, disse Hou Anyang, gestor da Frontsea Asset Management, em Shenzhen. “Nesse ritmo, mesmo ações vencedoras em veículos elétricos e chips podem não permanecer fortes por muito mais tempo.”

Destiladoras estavam entre os destaques de queda no índice CSI 300, referência da China continental, enquanto o indicador Hang Seng de Hong Kong entrou em mercado baixista, tendo caído 20% em relação à máxima no início deste ano.

Veja mais: Rota para entender aperto regulatório da China começa pela Alemanha

A ação da Kweichow Moutai, maior fabricante de bebidas da China, perdeu 4,4%. Os papéis do setor saúde online também caíram. A JD Health International despencou 10% após o People’s Daily ter pedido mais proteções e garantias para medicamentos vendidos na Internet.

O indicador CSI caiu cerca de 3,6% nesta semana e fechou no menor nível desde 28 de julho.

A mídia estatal também aumentou a pressão sobre o setor de cirurgia estética, pedindo mais escrutínio de regulamentações incompletas e aumento das disputas médicas. A ação da Ping An Healthcare & Technology se desvalorizou 14%, uma queda recorde.

As perdas nesses novos setores chegam em um momento de apreensão de investidores sobre quais empresas podem entrar na mira de autoridades. Nas últimas semanas, vários setores foram atingidos, como de reforço escolar, cigarros eletrônicos, jogos e fórmulas infantis.

O foco em compartilhar a prosperidade na sociedade se traduz em “menores ganhos e maior prêmio de risco, e bastante incerteza”, disse Sean Taylor, diretor de investimentos para Ásia-Pacífico do DWS Group, em entrevista à Bloomberg Television. “Tivemos mudanças regulatórias no passado e, no geral, foram muito boas para ações de maior peso, porque estimularam a concorrência. Mas isso é muito diferente, porque não sabemos onde está o poço.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Sete de doze ações de ‘tech’ valem menos que no IPO; Quem são as ‘stonks’ brasileiras?

Como as mulheres lutam para recuperar a força econômica perdida na pandemia

Apple adia retorno a escritórios pelo menos até janeiro