Negócios

Venezuela: as petrolíferas que podem ganhar com o alívio das sanções dos EUA

Decisão da Casa Branca no último dia 18 deve causar impactos para algumas gigantes de óleo e gás em razão da reabertura da exploração de petróleo no país latino

Bomba de petróleo decorativa em Caracas, na Venezuela
Por Fabiola Zerpa e Joe Carroll
21 de Outubro, 2023 | 11:14 AM

Bloomberg — A Venezuela tem a oportunidade de ressuscitar o eixo da sua economia – o petróleo – agora que as sanções dos Estados Unidos foram aliviadas.

A decisão surpresa de 18 de outubro permite que as empresas internacionais apliquem sua experiência e tecnologia em campos e infraestruturas que atrofiaram em meio a anos de subinvestimentos, instabilidade social e isolamento internacional.

As empresas que podem ganhar ou ficar de fora dessa nova dinâmica do mercado:

Chevron

A segunda maior exploradora de petróleo dos Estados Unidos está na melhor posição para se beneficiar da reabertura. A Chevron adotou uma abordagem paciente durante os mandatos de três CEOs, mantendo presença no país depois de o falecido presidente Hugo Chávez nacionalizar os ativos petrolíferos durante a primeira década deste século.

PUBLICIDADE

A empresa sediada na Califórnia obteve uma vantagem inicial sobre o restante do setor no final do ano passado, quando o governo dos Estados Unidos lhe concedeu uma licença especial para iniciar operações limitadas em quatro joint ventures e vender petróleo venezuelano a refinarias americanas.

“Temos uma presença construtiva na Venezuela, onde temos investimentos dedicados e uma grande força de trabalho”, disse a Chevron por e-mail. “Continuamos comprometidos com a segurança e o bem-estar de nossos funcionários e suas famílias, com a integridade dos ativos de nossa joint venture e com os programas sociais e humanitários da empresa.”

Rosneft

A gigante russa pode ter mais a perder porque a medida dos Estados Unidos proíbe as empresas americanas de cooperarem ou fornecerem financiamento para os ativos da Rosneft na Venezuela.

PUBLICIDADE

O braço comercial da empresa, que respondia por metade das exportações venezuelanas de petróleo até 2020, reduziu as operações no país desde que foi atingido por sanções.

As joint ventures petrolíferas venezuelanas da Rosneft são dirigidas principalmente por equipes da Petroleos de Venezuela (PDVSA), controlada pelo Estado.

A Rosneft não respondeu a um pedido de comentário feito fora do horário comercial.

Repsol

A exploradora de petróleo espanhola tem participação num dos maiores campos subdesenvolvidos da Venezuela, com produção potencial estimada em mais de 300.000 barris por dia. A Repsol também pretende recuperar o dinheiro devido pela PDVSA relacionado com o projeto offshore de gás natural Cardon IV.

A Repsol e a parceira Eni estão em negociações com o regime de Nicolás Maduro para obter uma licença para exportar gás natural liquefeito para os mercados europeus.

A Repsol não respondeu a um pedido de comentário.

Eni

A petrolífera italiana detém participações em três joint ventures. Antes do anúncio de 18 de outubro, tinha sido autorizada a adquirir petróleo bruto da PDVSA em vez das vendas de gás Cardon IV, mas agora poderá receber pagamentos diretos da Venezuela.

PUBLICIDADE

A Eni disse que a flexibilização temporária das sanções aumentará “a flexibilidade e a eficácia das atividades de cobrança de dívidas”.

Maurel & Prom

A perfuradora francesa focada na América Latina e África tem expandido a sua presença na Venezuela com o objetivo de aumentar a produção de petróleo no estado de Zulia, berço petrolífero da Venezuela.

A empresa, que é detida em 24% pela Pertamina da Indonésia, participa no plano de US$ 1,5 bilhão para capturar as emissões de metano da PDVSA.

Maurel & Prom não respondeu a um pedido de comentário.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Caminhões com motor elétrico? Para a Scania, há outras alternativas melhores

Energia eólica offshore: adoção no Brasil vai além de custos em queda no mundo