Stellantis fecha acordo com sindicato para encerrar greve de seis semanas

Montadora aceita conceder reajuste salarial de 25%, manter unidade no Michigan e reativar fábrica em Illinois; entendimento depende ainda de aprovação de membros do sindicato

Stellantis aceita acordo
Por David Welch, Gabrielle Coppola e Josh Eidelson
28 de Outubro, 2023 | 02:53 PM

Bloomberg — A Stellantis (STLA), grupo que reúne as montadoras Fiat, Jeep, Chrysler, Peugeot e Citroën, chegou a um acordo de contrato provisório com o United Auto Workers (UAW) para encerrar uma greve que já se estende por seis semanas, seguindo o exemplo da Ford Motor (F), de acordo com pessoas familiarizadas com as negociações que falaram à Bloomberg News.

O acordo inclui um aumento salarial de 25% por hora, além de benefícios de custo de vida ao longo do contrato de mais de quatro anos, igualando as condições ao acordo da Ford acertado nesta semana, disseram as pessoas, que não estavam autorizadas a falar publicamente.

LEIA +
Stellantis negocia participação na Leapmotor, montadora chinesa de elétricos

A Stellantis também concordou em fazer concessões em relação à segurança no emprego, incluindo a manutenção de uma fábrica de motores em Trenton, no estado do Michigan, e a construção de um veículo na planta de montagem inativa da empresa em Illinois, disseram as pessoas.

O acordo agora precisa ser aprovado pela liderança do sindicato e, em seguida, votado pelos membros do sindicato da empresa, um processo que pode levar semanas.

PUBLICIDADE

O prejuízo é estimado em mais de US$ 2 bilhões para Ford, GM e Stellantis desde o começo da greve com os seus efeitos, segundo especialistas na indústria automotiva.

LEIA +
Caminhões com motor elétrico? Para a Scania, há outras alternativas melhores

As negociações na General Motors (GM) continuam, e as duas partes estão tentando chegar a um acordo neste fim de semana, disseram as pessoas.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Ford concorda em pagar aumento salarial recorde de 25% para encerrar greve

O que os M&As de US$ 114 bi de Exxon e Chevron sinalizam à Petrobras