Mercados

Recessão nos EUA volta ao radar de investidores de títulos do Tesouro americano

Prêmio de risco dos Treasuries indica que os investidores voltaram a se posicionar para uma recessão no país, apostando que o Fed será forçado a cortar os juros

Nasdaq
Por Garfield Reynolds e Anchalee Worrachate
21 de Novembro, 2023 | 11:35 AM

Bloomberg — Os investidores do mercado de renda fixa dos Estados Unidos duvidam cada vez mais da capacidade do Federal Reserve de conseguir levar a economia a um pouso suave, e voltaram a se posicionar para uma recessão.

Essa é a sinalização do term premium (prêmio de risco), o rendimento extra que os investidores exigem para tomar Treasuries americanos de longo prazo quando o mercado está mais preocupado com riscos como inflação e o alto endividamento do governo, como foi o caso nos últimos dois meses.

Na sexta-feira (17), o indicador voltou a ficar negativo, com um desconto de 1,7 ponto-base para o Treasury de 10 anos, comparado a um prêmio de 48 pontos-base no final de outubro, de acordo com o Fed de Nova York.

LEIA +
Incerteza fiscal inibe entrada de capital externo, diz estrategista do Deutsche

Essa reversão, acompanhada de um forte recuo dos yields, sinaliza expectativas de uma recessão em 2024 que forçará o Fed a cortar juros, ao mesmo tempo que minimiza a preocupação recente com o aumento da emissão de dívida do governo.

PUBLICIDADE

Um prêmio negativo é um sinal de que as perspectivas econômicas se deterioraram, segundo George Goncalves, chefe de estratégia macro da MUFG.

Mas o mercado de Treasuries pode estar se precipitando ao apostar que a inflação foi controlada, disse Alberto Gallo, cofundador da Andromeda Capital Management. “Vemos riscos de volta da inflação no horizonte nos EUA e uma recessão moderada na zona euro.”

LEIA +
Além dos dados: como o Fed tem buscado histórias da vida real para avaliar a economia

A taxa do Treasury de 10 anos já caiu cerca de 0,6 ponto percentual em relação à máxima de 16 anos de 5,02% atingida em 23 de outubro. Isso obrigou muitos investidores a fecharem suas posições vendidas, que apostavam na alta das taxas.

PUBLICIDADE

“Este declínio dos yields tem menos a ver com a mudança de opinião dos investidores sobre a dívida ou a inflação e mais com o fato de os investidores sistemáticos serem forçados a cobrir posições vendidas extremas”, disse Nikolaos Panigirtzoglou, estrategista global do JPMorgan em Londres.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

CEO da Petrobras é pressionado a reduzir preços e investir mais, dizem fontes

Ele foi um dos pioneiros do Pix. Agora monta um time para fazer o mesmo nos EUA

Citi demite mais de 300 executivos sêniores em reestruturação

Por que os bônus dos bancos de Wall Street devem decepcionar em 2023