Rali das ações surpreende mercado, mas deixa analistas perto de acertar alvo

Altas de novembro levaram S&P 500 a um patamar apenas 1,7% mais baixo que o estimado por analistas para 2023. Já os estrategistas, mais pessimistas, foram surpreendidos

Traders trabalham no pregão da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE) em Nova York
Por Redd Brown
07 de Dezembro, 2023 | 03:00 PM

Bloomberg — A alta quase recorde nas ações de novembro deixou os principais estrategistas enfrentando um ano completamente fora do esperado, enquanto seus colegas analistas, porém, estão ansiosos em ver a confirmação de um período com mais acertos em mais de uma década, o que destaca a árdua tarefa de Wall Street em prever 2024 em meio à persistente incerteza econômica.

O S&P 500 está agora 15 pontos percentuais acima do que os estrategistas, que fazem previsões de nível de mercado chamadas de “top-down”, previram no início do ano, em média. No entanto, as empresas que compõem o índice estão apenas 1,7% abaixo do que os analistas, que realizam um estudo chamado de “bottom-up” das ações previram.

Isso configurou 2023 como o ano mais certeiro para os analistas desde 2010 e o terceiro melhor desde o início dos registros, há 19 anos.

LEIA +
As 10 ações mais recomendadas para dezembro, segundo 14 bancos e corretoras

A diferença no sucesso das previsões destaca a dificuldade que os estrategistas enfrentam ao tentar prever os retornos para 2024 em suas perspectivas de mercado. Guerras na Ucrânia e Israel, a iminente eleição presidencial nos EUA, incerteza em relação aos cortes nas taxas de juros, medo persistente de uma recessão nos EUA, instabilidade econômica na China, cortes na produção de petróleo e incógnitas sobre inteligência artificial estão tornando as previsões de nível de mercado uma tarefa ingrata.

PUBLICIDADE

Dependendo do estrategista consultado, o S&P 500 cairá até 8% ou subirá até 12% no próximo ano em comparação com o fechamento de terça-feira. Cinco dos 18 principais estrategistas rastreados pela Bloomberg ainda não emitiram uma perspectiva completa para 2024. A estratégia bottom-up dos analistas prevê um salto de 11% no índice nos próximos doze meses.

“Qualquer estimativa que você tenha vem com uma quantidade enorme de ruído, então você realmente precisa evitar essa falsa sensação de precisão”, disse Wei Dai, chefe de pesquisa de investimentos na Dimensional Fund Advisors, em uma entrevista.

Dai, que recentemente publicou pesquisa constatando que a maioria das estratégias tem desempenho inferior, vê as tentativas de antecipar mudanças macroeconômicas como cortes nas taxas perdendo para estratégias que se inclinam para empresas altamente lucrativas, de pequeno porte e de valor.

PUBLICIDADE

Da mesma forma, Brian Belski, estrategista-chefe de investimentos da BMO Capital Markets e um dos estrategistas mais precisos deste ano com uma meta inicial de 4.300 para 2023, disse que alguns de seus colegas dependem demais de dados econômicos e quantitativos “retrospectivos”.

“Eu faço parte da geração perdida que conta histórias e faz análises bottom-up”, disse ele em uma entrevista. “Acho perplexo que tantas pessoas estejam esperando para comprar, manter ou vender com base em dados macro que aconteceram anteriormente.” Belski prevê que o S&P 500 subirá cerca de 12% para um recorde de 5.100 no próximo ano, a segunda previsão mais otimista em Wall Street.

O cenário pessimista, que é um grupo em crescimento, incluindo estrategistas do JPMorgan Chase e Morgan Stanley, sugere que a alta de novembro elevou as avaliações a níveis muito altos e deixou o S&P 500 vulnerável a uma queda significativa.

Os traders pelo menos acreditam que o S&P 500 provavelmente se manterá estável e encerrará o ano a poucos pontos percentuais da previsão de início de ano dos analistas. Mas o bom ano em linha com as expectativas deles só reduziria o erro médio desde 2005 para 11 pontos percentuais, após os anos péssimos de 2021 e 2022, que ficaram mais de 20% fora do alvo.

Os estrategistas erraram em média 12 pontos percentuais nos últimos três anos, incluindo 22% em 2022.

Dai, da Dimensional, sugere ver as previsões como limites superiores e inferiores, em vez de previsões: “Qualquer estimativa que você veja provavelmente se encaixa em uma ampla gama de estimativas razoáveis”, disse ela. “Mas isso também significa que ninguém é melhor que os outros, todos são igualmente ruidosos.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Após cinco aquisições em 2023, Totvs mantém a aposta em M&A para crescer, diz CEO

Mercado dobra apostas em fim de juros negativos no Japão