Preocupação com o setor de imóveis comerciais se espalha dos EUA para a Europa

Queda dos valores de propriedades tem feito bancos de pequeno e médio porte elevarem as provisões para prejuízos; temores levaram ao recuo de ações e de títulos

Foto de um prédio espelhado
Por Giulia Morpurgo, Tasos Vossos e Neil Callanan
07 de Fevereiro, 2024 | 02:28 PM

Bloomberg — Os problemas no mercado imobiliário comercial dos Estados Unidos, que já afetaram bancos em Nova York e no Japão, agora chegaram à Europa nesta semana, elevando os temores de um contágio mais amplo.

A última vítima foi o banco Deutsche Pfandbriefbank (ou Deutsche PBB), da Alemanha, que viu seus títulos despencarem devido à preocupação com sua exposição ao setor. Em resposta, o banco emitiu um comunicado não programado nesta quarta-feira (7), informando que aumentou as provisões devido à “fraqueza persistente dos mercados imobiliários”. A empresa descreveu a atual turbulência como a “maior crise imobiliária desde a crise financeira”.

Os bancos fazem provisões cada vez maiores em dívidas concedidas a proprietários e empreendedores imobiliários, à medida que os empréstimos começam a ficar inadimplentes após o aumento das taxas de juros ter corroído o valor de edifícios ao redor do mundo.

Na terça-feira (6), a secretária do Tesouro, Janet Yellen, afirmou que as perdas no setor imobiliário comercial são uma preocupação que colocará estresse nos proprietários de imóveis, mas acrescentou que acredita que o problema é administrável.

PUBLICIDADE
LEIA +
Kashkari, do Fed, enxerga de dois a três cortes nos juros como apropriados em 2024

Para os escritórios nos EUA, onde o retorno ao trabalho após a pandemia tem sido mais lento e menos substancial, a perda de valor tem sido significativa. Alguns preveem que o impacto total pode não estar totalmente precificado ainda. Os analistas da Green Street disseram que talvez seja necessário um ajuste adicional de até 15% este ano.

“Os valores de avaliação continuam muito altos”, escreveram em uma nota. “Os credores que baseiam suas decisões nessas avaliações têm maiores chances de ter deteriorações” e alguns podem enfrentar “tensão” como resultado.

A queda nos títulos de bancos alemães é o mais recente de uma série de sinais de alerta. O New York Community Bancorp (NYCB) teve sua nota de classificação de risco rebaixada para “junk” pela Moody’s após destacar problemas imobiliários, enquanto o Aozora Bank, do Japão, registrou sua primeira perda em 15 anos devido a provisões para empréstimos concedidos a imóveis comerciais dos EUA.

PUBLICIDADE

“Há preocupações sérias no mercado imobiliário comercial dos EUA”, disse o estrategista de crédito do Rabobank, Paul van der Westhuizen. “Não é um problema para grandes bancos americanos e europeus, mas os pequenos bancos alemães com foco em imóveis estão sentindo um pouco de dor. No momento, é mais uma questão de rentabilidade do que de solvência para eles. Eles têm capital suficiente e estão menos expostos à ameaça de saques de depósitos do que os bancos de varejo.”

Em seus resultados da semana passada, o Deutsche Bank (DB) registrou provisões para perdas no setor imobiliário comercial dos EUA que eram mais de quatro vezes maiores do que no ano anterior. O banco alertou que o refinanciamento representa o maior risco para o setor em dificuldades, à medida que os valores dos ativos sofrem.

Em outras partes da Europa, o Julius Baer, da Suíça disse que faria baixas em empréstimos à empresa imobiliária falida Signa. Embora seja um problema específico, isso aumentou as preocupações mais amplas sobre o setor imobiliário e até onde os problemas podem se espalhar.

"Os investidores estão atualmente muito preocupados com a exposição de instituições individuais", disse Marc Decker, chefe de ações no Quintet Private Bank. "Alguns bancos são certamente mais afetados do que os bancos universais generalistas pelas questões deste mercado. No entanto, os investidores estão muito sensíveis no momento."

Queda dos títulos

Na terça-feira (6), o Morgan Stanley (MS) realizou uma chamada com clientes recomendando que vendessem títulos do Deutsche PBB. As notas vencendo em 2027 caíram mais de 5 centavos desde então e agora estão cotadas em cerca de 97 centavos, de acordo com dados da CBBT compilados pela Bloomberg. Enquanto isso, as notas AT1 do banco caíram 14 centavos para 37 entre terça e quarta-feira. AT1 (Additional Tier 1) são um tipo de instrumento financeiro emitido por instituições financeiras sem data de vencimento fixa.

O Deutsche PBB disse na quarta-feira que aumentou as provisões para perdas de empréstimos para € 210 milhões a 215 milhões para o ano inteiro. Disse que “permanece lucrativo graças à sua solidez financeira.”

As preocupações com PBB se espalharam para outros bancos com exposição ao setor imobiliário comercial. Os títulos do Aareal Bank perderam cerca de 10 pontos nos últimos dois dias e agora estão cotados a 75 centavos no euro. Em novembro, o banco informou que o valor dos empréstimos inadimplentes dos EUA aumentou mais de quatro vezes em relação ao ano anterior.

PUBLICIDADE

O Bafin, regulador bancário do país, disse que monitora a turbulência, se recusando a comentar sobre o Deutsche PBB especificamente.

Provisões feitas por instituições alemãs em ativos de real estatedfd

O banco central da Alemanha alertou no ano passado sobre os riscos em torno do setor imobiliário comercial, afirmando que poderia haver "ajustes significativos" que levem a inadimplências mais altas e perdas de crédito.

"O volume pendente de empréstimos concedidos pelo sistema bancário alemão ao mercado imobiliário comercial dos EUA é comparativamente pequeno, mas relativamente concentrado em bancos individuais", disse o Bundesbank.

O Landesbanks, da Alemanha, também sentiu a dor de sua exposição ao setor imobiliário comercial; no primeiro semestre de 2023, os principais bancos estaduais - Helaba, BayernLB, LBBW e NordLB - registraram provisões de cerca de € 400 milhões no total.

PUBLICIDADE

Se as perdas se espalharem para a Europa por meio de bancos alemães menores, isso teria um eco da crise financeira global de 2008. Na época, foi o Landesbanks que enfrentou problemas, quando sua exposição às hipotecas subprime nos EUA levou a bilhões de euros em baixas contábeis.

"Você precisa estar atento, pois não sabe exatamente onde está o fundo", disse Raphael Thuin, chefe de estratégias de mercados de capitais da Tikehau Capital. "Estamos cientes de que pode haver mais dor vindo no setor imobiliário comercial."

--Com a colaboração de Steven Arons, Stephan Kahl, Jeff Black e Helene Durand.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Empresas e bancos mudam planos de captação com restrição do CMN a títulos isentos

PUBLICIDADE

As ações mais recomendadas para fevereiro, segundo 14 bancos e corretoras

Bradesco terá evolução gradual, sem apostar em ‘bala de prata’, diz novo CEO