O que esperar para os mercados com a posse de Milei na Argentina

Mercados de títulos e de ações no país têm passado por altas desde que Javier Milei foi eleito, mas serão colocados à prova conforme os primeiros meses de mandato se desenrolarem

Javier Milei genera temor en algunos inversores
Por Kevin Simauchi
08 de Dezembro, 2023 | 04:59 PM

Bloomberg — A euforia dos investidores com a Argentina será posta à prova conforme o presidente eleito Javier Milei assume no domingo, iniciando um mandato presidencial repleto de desafios ao tentar recuperar a economia sul-americana.

Alguns dos títulos em dólares do país, que negociam em níveis profundamente desvalorizados, subiram para o mais alto em dois anos. O índice de ações de referência, ao qual os investidores estrangeiros têm pouco acesso devido aos controles cambiais, disparou mais de 45% desde sua vitória em 19 de novembro.

A decisão do libertário de compor sua equipe econômica com veteranos de Wall Street tranquilizou gestores de dinheiro, que estavam preocupados com suas propostas mais radicais de fechar o banco central e substituir a moeda local pelo dólar dos EUA quando ele emergiu como o principal candidato em agosto. Mas, enquanto os ativos dispararam, os investidores alertam que os primeiros meses de Milei no cargo provavelmente não serão tranquilos.

“Milei e sua equipe têm que atravessar o deserto do Saara com meio frasco de água mineral; eles têm que fazer tudo o que for possível para enviar uma mensagem transparente e coerente aos mercados”, disse Walter Stoeppelwerth, estrategista sênior da corretora Gletir, com sede em Montevidéu. “Serão quatro meses rochosos de implementação - se conseguirem gerar confiança, credibilidade, isso faz muita diferença.”

PUBLICIDADE

Notas com vencimento em 2030 subiram nove centavos para cerca de 40 centavos de dólar desde a vitória de Milei em 19 de novembro, enquanto o fundo negociado em bolsa Global X MSCI Argentina, de US$ 78 milhões, que acompanha as ações do país, teve suas duas maiores semanas de entrada de recursos em nove anos.

“A percepção dos mercados tem melhorado devido à moderação que Milei mostrou desde que venceu”, disse Mauro Roca, diretor-gerente de mercados emergentes no The TCW Group, em Los Angeles.

Milei escolheu os ex-banqueiros de investimento Luis Caputo e Santiago Bausili para liderar os Ministérios da Economia e o Banco Central, respectivamente. As nomeações ampliam os poderes da equipe econômica para implementar medidas de austeridade e combater a inflação. Também sinaliza que o novo governo não planeja ter uma autoridade monetária independente por enquanto.

PUBLICIDADE

Desvalorização

Caputo e Bausili terão que reformular o regime cambial quebrado da Argentina, sustentado por controles de capital e restrições de importação que têm prejudicado a atividade empresarial e restringido os investimentos. Embora Milei tenha criticado o peso durante a campanha, prometendo eliminá-lo em favor do dólar, sua equipe indicou desde então que a mudança não será iminente, e que os controles cambiais não serão suspensos imediatamente.

No entanto, uma desvalorização do peso é vista como inevitável. O governo permitiu que ele deslizasse um pouco mais de 5% na quinta-feira, e a precificação de mercado indicou que os negociadores esperam uma queda mais acentuada na próxima semana. Bancos de investimento e corretoras locais sugerem uma desvalorização de cerca de 44%.

No último dia útil do governo do presidente Alberto Fernández - sexta-feira é feriado na Argentina - o banco central impôs um limite à quantidade de moeda estrangeira que os bancos comerciais podem deter para desencorajar o acúmulo de dólares americanos antes de uma esperada desvalorização.

Corrida por liquidez

Enquanto isso, os bancos continuam a reforçar a liquidez, abandonando notas com vencimento em 28 dias, ou Leliqs, por acordos de recompra de um dia. Na quinta-feira, eles renovaram apenas 1,5% dos 1,15 trilhão de pesos em Leliqs leiloados, a menor quantia registrada pela segunda vez seguida, em comparação com uma taxa de mais de 100% antes da eleição de 19 de novembro.

Se os credores continuarem a fugir das Leliqs, que são usadas pelas autoridades monetárias para absorver pesos, isso potencialmente poderá liberar mais oferta de dinheiro na economia e alimentar a inflação, que já está em 143% ao ano.

“O mercado reagiu positivamente até agora, embora o verdadeiro teste virá nos próximos meses”, disse Fernando Losada, diretor-gerente da Oppenheimer. “Ele terá que mostrar que suas políticas podem ser implementadas sem distúrbios sociais, em um contexto de alta inflação, atividade econômica estagnada e escasso financiamento estrangeiro.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

O alerta de Ray Dalio na COP sobre a economia verde: ‘é preciso dar lucro’

Como economistas do mercado avaliaram a expansão do PIB no 3º trimestre