IPCA: alta da inflação de serviços reforça a cautela do Copom, dizem economistas

Pressão de indicadores da chamada inflação subjacente reforça a preocupação levantada na ata da última reunião do comitê e sua postura mais cautelosa

Sede do Banco Central, em Brasília: Copom mantém sequência de cortes de 0,50 ponto percentual na Selic
08 de Fevereiro, 2024 | 04:56 PM

Bloomberg Línea — Para economistas e analistas de mercado, o resultado do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro, acima do esperado, indica uma reaceleração da inflação de serviços.

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira (8) mostraram que o IPCA subiu 0,42% no mês passado. O consenso de economistas consultados pela Bloomberg era de um aumento de 0,34% no mês.

Segundo Andréa Angelo, estrategista de inflação da Warren Investimentos, esse aumento de preços faz a inflação voltar para patamares próximos à média de 2010 a 2019, período em que o IPCA teve variação média de 6,5% no acumulado em 12 meses.

“Mesmo com a surpresa no número de hoje, não alteramos o cenário de IPCA de 2024, que é de 3,90% e de 3,50% em 2025. Reiteramos que vemos riscos de alta para a inflação de serviços subjacente no ano, no entanto, a dinâmica recente mais favorável de alimentação no domicílio pode contrabalançar este efeito”, afirmou. No curto prazo, para a Warren, o IPCA de fevereiro deve ficar em 0,77%, e o de março, em 0,12%.

PUBLICIDADE
LEIA +
IPCA tem alta de 0,42% em janeiro, acima do esperado pelo mercado

Além da alta do setor de alimentos, que pressionou a leitura geral, outro item que teve alta foram os serviços intensivos em mão de obra, que aceleraram para 6,0% no acumulado em 12 meses, o que, para a XP Investimentos, reforça as preocupações apresentadas pelo presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, e da última ata do Copom em relação à meta da inflação.

“Consideramos que os resultados de janeiro apresentaram outra deterioração na dinâmica da inflação na margem [...] o atual processo de desinflação reflete um choque positivo de oferta, devido a fatores externos e eventos não cíclicos. No entanto, a inflação de serviços segue preocupante”, dizem os analistas da corretora, mantendo a previsão de 3,7% para o IPCA em 2024.

Em relação à Selic, a XP Investimentos disse acreditar que o BC deve “reforçar sua abordagem cautelosa e continuar a cortar a taxa Selic em 0,50 ponto percentual por reunião”, atingindo 9% ao ano no final do ano.

PUBLICIDADE

Para Claudia Moreno, economista do C6 Bank, “a composição do IPCA de janeiro não foi benigna”, e a inflação deve continuar acima do centro da meta, o que deve levá-la a terminar o ano em uma alta de 5%.

“Na nossa visão, a resiliência na inflação de serviços corrobora a estratégia de cautela na condução de política monetária do Banco Central. Nossa projeção é que a Selic fique em 9,25% [ao ano] ao final de 2024 e em 8,5% ao final de 2025″, disse.

Luca Mercadante, economista da Rio Bravo, afirmou que o resultado reforça a cautela do BC, “que segue cortando os juros lentamente”. “A pressão, já mapeada pelo BC, ainda é presente no setor de serviços, que tem variação não condizente com a meta do BC, fato reforçado pela divulgação de hoje em que os serviços subjacentes apresentaram alta de 0,76%. Os núcleos de inflação, que vinham tendo resultados melhores, voltaram acelerar no mês, com alta de 0,48%”, afirmou.

“Os pontos de atenção com a inflação fazem com que nossas perspectivas para a política monetária não se alterem. O BC terá de seguir cauteloso e cortará a um ritmo de 0,50 ponto percentual até atingir a marca de 9,25% [ao ano].”

Igor Cadilhac, economista do PicPay, ressaltou que o IPCA em 12 meses de janeiro [4,51%] voltou para um patamar acima do teto da meta de inflação do BC e afirma que houve piora “quase que generalizada” dos núcleos. “Há um sinal de alerta para a política monetária, que conversa bem com o balanço de riscos que o Banco Central descreveu na ata”, disse o economista.

Leia também

Adriana Kugler, recém-chegada ao Fed, sinaliza otimismo com progresso da inflação

China tomará medidas para evitar flutuação anormal do mercado, diz agência reguladora

Tamires Vitorio

Jornalista formada pela FAPCOM, com experiência em mercados, economia, negócios e tecnologia. Foi repórter da EXAME e CNN e editora no Money Times.