Adriana Kugler, recém-chegada ao Fed, sinaliza otimismo com progresso da inflação

Em sua primeira declaração pública como funcionária do BC americano, a diretora apontou que seria apropriado reduzir os juros ‘em algum momento’ se a inflação continuar a cair

Kugler assumiu o cargo em setembro e se tornou a primeira diretora hispânica-americana na história do Fed
Por Craig Torres
07 de Fevereiro, 2024 | 02:41 PM

Bloomberg — A mais nova integrante do Board of Governors do Federal Reserve, Adriana Kugler, apresentou uma rara visão otimista na direção de uma desaceleração contínua da inflação nos Estados Unidos, mas indicou que não há urgência em reduzir a taxa de juros básica em breve.

“Em algum momento, o resfriamento contínuo da inflação e dos mercados de trabalho pode tornar apropriado reduzir a faixa-alvo da taxa de juros do Fed”, disse Kugler nesta quarta-feira (7), em suas primeiras declarações públicas como funcionária do Fed durante uma apresentação no Brookings Institution, em Washington.

“Por outro lado, se o progresso na desinflação estagnar, pode ser apropriado manter a faixa-alvo estável em seu nível atual por mais tempo para garantir o progresso contínuo em nosso mandato duplo.”

LEIA +
Kashkari, do Fed, enxerga de dois a três cortes nos juros como apropriados em 2024

Embora ela não tenha indicado uma preferência para o momento dos cortes de taxa este ano, os comentários sugerem que ela está alinhada com a visão do presidente do Fed, Jerome Powell, de que uma redução em março é improvável.

PUBLICIDADE

"Estou satisfeita com o progresso na inflação e otimista que continuará, mas estarei acompanhando de perto os dados econômicos para verificar a continuação desse progresso", disse Kugler.

A nova diretora do Fed se juntou ao voto unânime do Fomc em 31 de janeiro para manter a taxa de juros do Fed inalterada em uma faixa de 5,25% a 5,5% ao ano. As autoridades mantiveram as taxas em um nível restritivo por quatro reuniões seguidas.

No entanto, a economia cresceu a uma taxa anual de 3,3% no quarto trimestre, enquanto adicionava 353.000 empregos em janeiro. A surpreendente resiliência deixou algumas autoridades cautelosas de que a redução das taxas muito cedo poderia reacelerar a demanda e deixar a inflação acima da meta de 2%. O indicador de preços preferido do Fed subiu 2,6% em 2023, em comparação com um pico de 7,1% no meio de 2022.

PUBLICIDADE

Kugler destacou três tendências de inflação que apoiam sua visão de uma desaceleração contínua nos aumentos de preços.

De acordo com ela, a demanda moderada por trabalho e um resfriamento correspondente no crescimento dos salários devem ajudar a reduzir as pressões inflacionárias.

Kugler destacou especificamente uma desaceleração “clara” nos aumentos salariais no setor de serviços, incluindo lazer e hotelaria, educação e serviços de saúde.

"Uma redução no crescimento dos custos trabalhistas nessas e em outras indústrias intensivas em mão de obra provavelmente será repassada aos consumidores sob a forma de preços mais baixos e ajudará a reduzir as pressões inflacionárias", disse ela.

Ela também citou ajustes de preços menos frequentes por parte das empresas e expectativas de inflação bem ancoradas como motivos para otimismo de que os preços estão caminhando de volta para a meta do Fed.

"Empresas, trabalhadores e investidores entendem que os comportamentos de definição de preços e salários provavelmente voltarão aos padrões anteriores à pandemia, o que nos ajudará a retornar à estabilidade de preços que desfrutamos antes da pandemia", disse ela.

Kugler, que foi indicada pelo presidente Joe Biden, assumiu o cargo em setembro, se tornando a primeira governadora hispânica-americana na história de 110 anos do Fed. Ela já havia atuado como diretora executiva no Banco Mundial e foi economista-chefe do Departamento do Trabalho de 2011 a 2013.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Preocupação com o setor de imóveis comerciais dos EUA se espalha para a Europa

Bradesco terá evolução gradual, sem apostar em ‘bala de prata’, diz novo CEO