Mercados

Incertezas com geopolítica, China e balanços: os eventos que movem os mercados na semana

Investidores monitoram a evolução da guerra entre Israel e Hamás enquanto avaliam atuação de reguladores na China e esperam por balanços da semana

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
Por Bianca Ribeiro e Michelly Teixeira
23 de Outubro, 2023 | 06:25 AM

Barcelona, Espanha — A liberação de dois reféns norte-americanos pelo Hamás e a ajuda a Gaza pela fronteira do Egito reduzem a estresse dos mercados, mas o cenário ainda é de incerteza. A perspectiva de que Israel adie a invasão terrestre do território palestino atenua a tensão, embora os ataques aéreos na faixa tenham aumentado e ainda haja riscos de que o conflito se expanda na região.

📆 Powell, BCE e balanços. Os mercados buscam nesta semana novas pistas sobre o rumo dos juros nos Estados Unidos, especialmente no discurso do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, e nos dados de atividade e inflação no país. A decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE) também é ponto de atenção na agenda, assim como a escolha de um novo presidente da Câmara nos EUA e os balanços de grandes empresas de tecnologia como Microsoft, Alphabet, Meta e Amazon.

🧧 Pressão regulatória. As autoridades chinesas empreenderam uma investigação na Foxconn, o parceiro mais importante da Apple, e uma série de detenções em vários setores. Além de auditorias fiscais na Foxconn, um executivo e dois ex-funcionários da WPP, uma das maiores empresas de publicidade do mundo, foram presos na China, segundo a Bloomberg.

LEIA +
China volta a abalar empresas estrangeiras com prisões e investigação da Foxconn

🎢 Volatilidade persistente. As fortes oscilações no mercado de bônus norte-americano devem continuar, tendo em vista a resiliência da economia dos EUA, os sinais contraditórios do Fed e a tensão geopolítica, além do aumento da oferta de dívida. Na semana passada, a taxa dos títulos de 10 anos oscilou num intervalo de quase 40 pontos base e, segundo Mike Schumacher, chefe de estratégia da Wells Fargo Securities disse à Bloomberg, a volatilidade das taxas de juro deverá continuar elevada, “pelo menos até meados do próximo ano”.

PUBLICIDADE

💊 Aquisição de peso. A Roche desembolsará US$7,1 bilhões para adquirir a Telavant e reforçar sua atuação em medicamentos experimentais. Com a aquisição, a farmacêutica suíça ganhará direitos nos EUA e no Japão para desenvolver e comercializar o RVT-3101, um promissor tratamento de doenças inflamatórias intestinais que já está em testes clínicos.

LEIA +
Roche compra Telavant por US$ 7,1 bilhões para avançar em medicamentos experimentais

🚗 Indústria saudita. A Hyundai fechou acordo com o fundo soberano da Arábia Saudita (PIF, como é conhecido) para construir uma fábrica de montagem de veículos de US$500 milhões. Com capacidade de produzir 50 mil carros por ano (inclusive elétricos), a planta deverá se localizar na Cidade Econômica King Abdullah e entrará em operação em 2026. Além de criar sua própria marca de veículos elétricos, chamada Ceer, o país está investindo para garantir os metais e minerais necessários para desenvolver uma cadeia de abastecimento para a indústria.

📈 O vaivém dos ativos. Os contratos futuros de índices dos EUA operavam em queda, no mesmo sentido das bolsas europeias. Na Ásia, o fechamento foi negativo. Em outros mercados, o prêmio de risco do título de 10 anos dos EUA, em alta, era de 5,00%. Famoso por ser uma daz vozes mais pessimistas de Wall Street, o estrategista Michael Wilson, do Morgan Stanley, disse que “não ficaria surpreso” em ver novas baixas no S&P 500 com “as expectativas de lucros provavelmente muito altas para o quarto trimestre e para 2024″.

PUBLICIDADE

No mercado cambial, o euro e a libra esterlina se apreciavam frente ao dólar, assim como o iene. O ouro recuava e os contratos de petróleo bruto WTI mostravam volatilidade, cotados ao redor de US$88 por barril.

(Com informações de Bloomberg News)

LEIA +
Bancos centrais buscam novas lições após aumento de juros e inflação persistente
Os mercados esta manhãdfd

🟢 As bolsas na sexta-feira (20/10): Dow Jones Industrials (-0,86%), S&P 500 (-1,26%), Nasdaq Composite (-1,53%), Stoxx 600 (-1,36%), Ibovespa (-0,74%)

Os temores de que a guerra entre Israel e o Hamas se espalhe pelo Oriente Médio afetou os negócios no último pregão da semana e a volatilidade dominou os mercados acionário e de petróleo, levando os investidores a evitar ativos de risco.

Saiba mais sobre o vaivém dos Mercados e se inscreva no After Hours, a newsletter vespertina da Bloomberg Línea com o resumo do fechamento dos mercados.

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

Feriado: Hong Kong

EUA: Índice de Atividade Nacional-Fed Chicago/Set

Europa: Zona do Euro (Confiança do Consumidor/Out)

Ásia: Japão (PMI Industrial e de Serviços/Out)

PUBLICIDADE

América Latina: Brasil (Boletim Focus); México (Atividade Econômica/Ago)

Bancos centrais: Relatório Mensal-Bundesbank

🗓️ Os eventos de destaque na semana →

Leia também:

Argentina decidirá presidente em 2º turno entre Sergio Massa e Javier Milei

Na Flórida, agricultores desistem de cultivo de laranja com boom imobiliário

Bianca Ribeiro

Bianca Ribeiro

Jornalista especializada em economia e finanças, com passagem por redações e veículos focados em economia, como Valor Econômico, Agência Estado e Folha de S.Paulo.

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.