Ibovespa recua com Petrobras e dólar sobe; juros dos EUA estão no radar

Investidores repercutem dados da inflação PCE nos EUA divulgados no feriado; semana contará com os números do payroll

Renta variable
01 de Abril, 2024 | 11:06 AM

Bloomberg Línea — O Ibovespa (IBOV) recua nesta segunda-feira (1), primeiro pregão de abril, com investidores repercutindo dados de inflação nos Estados Unidos, divulgados na sexta (29), quando os mercados estavam fechados para o feriado da Páscoa.

O índice de preços de gastos com consumo pessoal (PCE, na sigla em inglês), a métrica preferida do banco central americano para medir a chamada inflação subjacente, “esfriou” no mês passado. O índice avançou 0,3%, depois de alta de 0,4% em janeiro.

Já o núcleo do PCE, que exclui os componentes mais voláteis de preços de alimentos e energia, subiu 0,3% em fevereiro em relação ao mês anterior, em linha com o esperado.

Em discurso na sexta após a divulgação do PCE, o presidente do Fed Jerome Powell repetiu que o BC dos EUA está paciente sobre a política monetária.

PUBLICIDADE

“Não precisamos ter pressa para cortar [as taxas de juros]”, disse ele em um evento no Fed.

Por volta das 11h (horário de Brasília), o Ibovespa recuava 0,26%, negociado aos 127.777 pontos. O dólar, por sua vez, subia 0,60%, a R$ 5,04. A sessão era de queda para as ações da Petrobras (PETR3; PETR4), bem como de varejistas e bancos.

No exterior, os índices de Wall Street avançam até 0,6%, caso do Nasdaq, com grande exposição ao setor de tecnologia. Na Europa, os mercados seguem fechados por conta do feriado.

PUBLICIDADE

Na agenda da semana, os dados de emprego no setor privado dos EUA de março serão publicados na quarta-feira (3), e o relatório oficial do mercado de trabalho, o payroll, na sexta-feira (5).

Entre as commodities, o minério de ferro fechou perto da estabilidade em Singapura depois de afundar para a cotação mais baixa em 10 meses nesta segunda-feira (1º), com uma recuperação impulsionada por dados industriais fortes na China.

Destaque ainda para o ouro, que voltou a alcançar novos recordes após sinalizações de que o Fed cortará os juros este ano.

Mariana d'Ávila

Editora assistente na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.