Ganhos do S&P 500 desafiam gestores que apostam em estratégia de diversificação

Índice de ações dos Estados Unidos superou o desempenho de fundos com alocação diversificada em 13 dos últimos 15 anos; dados fortalecem o argumento dos críticos à diversificação

New York Stock Exchange (NYSE)
Por Lu Wang
11 de Junho, 2024 | 04:14 PM

Bloomberg — Eles fizeram tudo certo: diversificaram os investimentos em diferentes apostas entre títulos e ações, para o caso de as coisas darem errado. Agora, depois de seguir o mantra de Wall Street de diversificar as aplicações mirando o longo prazo, investidores têm observado com inveja a recuperação das ações dos Estados Unidos, que os deixa mais uma vez para trás.

Os números são gritantes. Os gestores que obedeceram à antiga sabedoria do setor financeiro de dividir os investimentos entre diferentes mercados e regiões geográficas amargam uma sequência de rendimento menor em comparação com aqueles que simplesmente entraram comprados no S&P 500 e mantiveram a posição. Dos cerca de 370 fundos de alocação de ativos monitorados pela Morningstar, apenas um conseguiu superar o índice de ações americanas desde 2009.

Tem sido uma grande lição, e não um desastre. Os portfólios diversificados ainda conseguiram um retorno de cerca de 6% ao ano durante esse período, de acordo com um modelo mantido pela Cambria Funds. No entanto, a sequência de desempenhos inferiores ao S&P 500 está se tornando histórica - e pode piorar à medida que o rali das ações ligadas à inteligência artificial perdurar.

De modo geral, os portfólios diversificados perderam para o S&P 500 em 13 dos últimos 15 anos, o período visto mais longo em um século de dados de acordo com a Cambria.

PUBLICIDADE

“Se o seu vizinho colocou todo o dinheiro no S&P, você fica parecendo um idiota”, disse Meb Faber, fundador da empresa de investimentos Cambria e especialista em teoria de portfólio.

Leia também: Otimismo de americanos com as ações atinge o maior nível em 3 anos, aponta Fed de NY

Tanto para os pequenos investidores quanto para os grandes gestores, o ônus psicológico de ficar para trás cria pressão, especialmente para aqueles que seguem o manual da diversificação. Investidores institucionais, desde fundos de pensão até fundos patrimoniais e fundações, têm US$ 21 trilhões guardados em estratégias diversificadas convencionais que distribuem a aplicação em uma ampla variedade de investimentos, incluindo títulos, ações, imóveis e renda fixa, segundo um estudo recente da Preqin.

A aposta em ações dos EUA é um risco, já que a Nvidia (NVDA) e outras grandes empresas de tecnologia de alto valor de mercado representam um risco de concentração sem precedentes. Ao mesmo tempo, os rendimentos elevados dos títulos do Tesouro oferecem uma possível proteção se as ações sofrerem uma grande queda. E, ainda assim, os adeptos da diversificação são atormentados por dúvidas.

As ações dos EUA continuam sendo a aposta com os maiores ganhos ano após ano, graças à geração de lucros das empresas americanas. Possuir qualquer outra coisa no portfólio tem sido um caminho para um desempenho relativamente menor.

Faber chama os últimos 15 anos de “mercado de diversificação em baixa”. O seu fundo Cambria Global Asset Allocation ETF, de US$ 54 milhões, ficou atrás do S&P 500 em todos os anos, com exceção de um, desde sua criação, apesar de um ganho anualizado de 5%.

dfd

Embora a história tenha exemplos de sequências semelhantes que acabaram favorecendo a estratégia de diversificação, a espera tem sido particularmente longa desta vez.

PUBLICIDADE

Consultores financeiros, como Anthony Syracuse, muitas vezes se veem obrigados a restringir os clientes ansiosos por perseguir a alta das big techs, dadas as valorizações em relação ao restante do mercado. “Essa pode ser uma conversa extremamente difícil”, disse Syracuse, fundador da Dynamic Financial Planning. “Todos querem maximizar seus retornos.”

As ações americanas estão em uma corrida desde a crise financeira global, superando quase todos os ativos em um período em que os retornos dos títulos foram suprimidos durante a era da taxa de juros zero, enquanto as ações internacionais definharam sob o peso de um dólar forte.

Com um ganho anual de 14%, o avanço do S&P 500 é o dobro do ganho das ações dos países em desenvolvimento e chega a ser três vezes maior do que o dos títulos com grau de investimento.

Nesse cenário, quase todo mundo que se afasta das ações dos EUA está sujeito a uma sensação de perda. Nos últimos 15 anos, o fundo PIMCO StocksPLUS Long Duration Fund é o único entre os 372 portfólios de alocação de ativos monitorados pela Morningstar que está à frente do S&P 500.

Os dados fortalecem o argumento daqueles que afirmam que a diversificação - por mais sólida que seja na teoria - está prejudicando os investidores no longo prazo, por manter investimentos em apostas de baixo desempenho.

A revolta ganhou força no ano passado, quando acadêmicos publicaram um estudo dizendo que seria melhor para os aposentados evitar completamente os títulos de renda fixa.

Os defensores das alocações modernas reagiram, dizendo que ativos como a renda fixa permitem que os investidores individuais combinem melhor os ganhos financeiros com as obrigações futuras. Além disso, os portfólios diversificados ganharam das ações entre 2000 e 2008, período em que os ativos de risco tiveram seu valor reduzido pela metade em duas ocasiões distintas.

“A diversificação é sua melhor amiga no seu pior dia”, disse David Kelly, estrategista global chefe da J.P. Morgan Asset Management. “A alocação correta de ativos é um pouco como um seguro residencial. Você nunca sabe quando vai precisar dele, mas nunca deve se sentir confortável por não tê-lo.”

Essa lógica é, em parte, o que está por trás da decisão de muitos profissionais que investem muito dinheiro, que periodicamente mudam suas participações a fim de retornar ao nível desejado de alocação de ativos.

dfd

É claro que os retornos puros não são a única coisa que importa. Outra consideração é quanta turbulência deve ser suportada para se obter o lucro. Com base em uma medida de retornos ajustados ao risco, conhecida como índice de Sharpe, o modelo de alocação de ativos globais da Cambria tem, de fato, se saído melhor do que o S&P 500 desde 1927.

Mas as coisas começaram a mudar depois que o Federal Reserve correu para socorrer o mercado durante a crise de 2008. Desde então, o S&P 500 tem apresentado uma recuperação quase ininterrupta com uma volatilidade bastante moderada, obtendo um índice de Sharpe mais alto.

“A pergunta que todos fazem é: faz sentido diversificar?”, disse Mayukh Poddar, gestor sênior de portfólio da Altfest Personal Wealth Management. “Muitas pessoas passaram a se concentrar mais nos retornos do mercado acionário na era pós-covid.”

Dentro dos portfólios diversificados, muitos clientes estão cada vez mais céticos quanto aos benefícios de investir em small caps (ações de empresas de pequena capitalização) e em companhias não americanas, de acordo com Que Nguyen, diretor de investimentos de estratégias de ações da Research Affiliates.

“O que vimos nos últimos 15 anos é que o que é grande fica maior”, disse ela. “Você não quer colocar todos os seus ovos na mesma cesta, mas é difícil manter a fé.”

Em alguns círculos, a visão de a renda fixa é um ativo de segurança também é questionado, depois que a classe de ativos afundou junto com as ações durante a venda induzida pela alta da inflação de 2022.

É provável que a inflação permaneça rígida, tornando os títulos expostos em um momento em que o governo aumenta a oferta do Tesouro para atender às necessidades fiscais, de acordo com David Rogal, gerente de portfólio da BlackRock.

“Está muito claro que o mercado de títulos se tornou menos confiável como uma proteção em um portfólio”, disse Rogal em um recente painel de discussão organizado pela MacroMinds Foundation.

É tentador avaliar que a recuperação das ações está no fim, dada a perspectiva de valuations exagerados e a política monetária restritiva. No entanto, o S&P 500 manteve sua liderança este ano, apresentando um ganho que novamente está à frente do resto do mundo e contrasta com as perdas nos títulos do Tesouro.

Há sinais de que os investidores americanos estão se adaptando ao novo regime, incluindo um aprofundamento das apostas em ativos americanos e uma disposição para permitir que as participações das ações no portfólio atinjam recordes, de acordo com Faber, da Cambria. Enquanto isso, os gestores de grandes fundos migram para ativos alternativos, como empresas privadas, como forma de aumentar o desempenho.

Não há prazo de validade para esse “boom de ações”, disse Faber. “As instituições têm se inclinado fortemente para isso, mas o salvador que elas estão procurando é o private equity, que é essencialmente ações dos EUA.”

-- Com a colaboração de Isabelle Lee.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Era da baixa inadimplência de empresas chegou ao fim, avalia Deutsche Bank

O que os economistas esperam sobre as projeções no gráfico de pontos do Fed