O que os economistas esperam sobre as projeções no gráfico de pontos do Fed

Pesquisa da Bloomberg mostra que os especialistas estão divididos sobre as próximas estimativas do Federal Reserve que serão divulgadas na reunião de política monetária nesta semana

Jerome Powell, presidente do Fed, em transmissão na Bolsa de Nova York
Por Steve Matthews - Dana Morgan
09 de Junho, 2024 | 06:00 PM

Bloomberg — Os economistas estão divididos quanto ao número de cortes na taxa de juros que as autoridades do Federal Reserve sinalizarão para 2024 em sua reunião de política monetária nesta semana, após o aumento recente dos dados de inflação.

É provável que os formuladores de política monetária alterem a previsão anterior que indicava três reduções na taxa de juros este ano, mas o número de possíveis cortes à frente está em aberto. Um grupo de 41% dos economistas consultados em uma pesquisa da Bloomberg espera que o chamado “gráfico de pontos” ou dot plot mostre dois cortes em 2024, enquanto outros 41% esperam que as previsões mostrem apenas um ou nenhum corte.

O Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês), que mantém a taxa de juros de referência no nível mais alto em duas décadas desde julho do ano passado, foi incentivado no segundo semestre de 2023 a prever uma redução gradual dos juros para este ano diante de uma queda acentuada da inflação. Mas esses planos foram adiados devido à falta de avanço ao longo dos últimos meses em 2024.

“O Fed está aguardando uma série de dados que fortaleçam sua confiança de que a inflação está em um caminho sustentado em direção à sua meta de 2%”, disse Ryan Sweet, economista-chefe da Oxford Economics para os EUA, em uma resposta à pesquisa. “O balanço de riscos para nossa previsão de inflação ainda é ponderado para o lado positivo.”

PUBLICIDADE

Leia também: JPMorgan e Citi descartam corte de juros em julho nos EUA após dados de emprego

dfd

É praticamente certo que as autoridades manterão a taxa de juros inalterada em uma faixa de 5,25% a 5,5% ao ano pela sétima reunião seguida quando se reunirem na próxima terça e quarta-feira (11 e 12). O presidente do Fed, Jerome Powell, e seus colegas atualizarão suas projeções econômicas e as estimativas para a taxa de juros pela primeira vez desde março.

Uma projeção de menos cortes indicaria um início mais tardio para o afrouxamento monetário. Isso poderia ter implicações para a eleição presidencial em novembro, embora as autoridades do Fed digam uniformemente que suas decisões se baseiam apenas em considerações econômicas.

Os economistas esperam que o primeiro corte ocorra na reunião do banco central em setembro, a última reunião antes de os eleitores irem às urnas em 5 de novembro. Eles também veem os formuladores de política monetária aumentando ligeiramente suas estimativas de inflação para 2024, ao mesmo tempo em que reiteram suas previsões de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA a uma taxa anual de 2,1% e uma taxa de desemprego de 4% no final do ano.

A pesquisa com 43 economistas foi realizada de 31 de maio a 5 de junho.

dfd

A grande maioria dos entrevistados disse que o Fed cortará a taxa de juros em resposta à inflação mais baixa, em vez de alguma deficiência no mercado de trabalho ou um choque econômico.

Nenhum dos economistas disse que há muita probabilidade de que a próxima mudança na taxa seja para cima - um resultado ocasionalmente mencionado como uma possibilidade por autoridades como o chefe do Fed de Minneapolis, Neel Kashkari.

PUBLICIDADE

Vários dirigentes do Fed sugeriram nas últimas semanas que não veem pressa em cortar as taxas, com a inflação mais persistente e as perspectivas de crescimento se mantendo sólidas.

A inflação, de acordo com o PCE, a medida preferida do Fed, foi de 2,7% no acumulado de 12 meses até abril, e os economistas esperam um progresso relativamente pequeno em direção à meta de 2% do banco central na segunda metade do ano, em comparação com os baixos números mensais no final de 2023.

Antes de um período de silêncio autoimposto, o governador do Fed, Christopher Waller, disse que o banco central poderia considerar a redução de juros “no final deste ano”, uma opinião compartilhada pelo presidente do Fed de Atlanta, Raphael Bostic.

A chefe do Fed de Cleveland, Loretta Mester, disse que quer ver “mais alguns meses de dados de inflação que pareçam estar diminuindo”, enquanto Susan Collins, do Fed de Boston, disse que “a paciência realmente importa”.

dfd

Quase todos os entrevistados esperam que o Fed mantenha seu guidance de 1º de maio de que nenhuma redução seria apropriada até que o banco central tenha mais confiança de que a inflação está se movendo de forma sustentável em direção a 2%.

Os economistas estão divididos sobre como o FOMC caracterizará a inflação. Uma parte espera que o comitê repita que houve uma falta de progresso recente.

"É provável que o FOMC diga que houve alguns dados encorajadores, mas que precisa ver mais evidências para que a confiança volte", disse Luke Tilley, economista-chefe do Wilmington Trust.

No segundo dia da reunião, o governo americano divulgará o Índice de Preços ao Consumidor (CPI, na sigla em inglês) de maio. Embora o Fed se concentre em uma medida separada de preços, espera-se que o CPI mostre um arrefecimento contínuo da inflação.

“É provável que a leitura do CPI tenha impacto sobre o tom do FOMC”, disse Stephanie Roth, economista-chefe da Wolfe Research. “Embora esperemos uma leitura suave, um número abaixo de 0,30% poderia ser visto como mais uma evidência de desaceleração da inflação.”

A equipe do Fed vem prevendo um pouso suave para a economia desde julho passado. Os próprios economistas têm se tornado cada vez mais otimistas quanto às perspectivas de crescimento. Apenas 3% dos entrevistados preveem uma recessão nos próximos 12 meses, muito abaixo dos 58% observados em julho passado.

dfd

Embora os diretores do Fed tenham sido vagos quanto ao conjunto exato de métricas econômicas que levariam a um corte de juros, 60% dos economistas disseram que um catalisador importante seriam três relatórios consecutivos de desaceleração do núcleo da inflação.

Os números da inflação de janeiro a março decepcionaram, e os economistas dizem que um número igual de bons relatórios prepararia o terreno para um corte na taxa.

Além disso, “evidências claras de uma desaceleração no mercado de trabalho” podem levar a reduções nos juros, disse Elisabet Kopelman, economista do Skandinaviska Enskilda Banken AB, dos EUA.

O relatório de empregos de maio do governo, publicado na sexta-feira (7), mostrou um quadro misto com relação à situação do mercado de trabalho. O crescimento das folhas de pagamento e dos salários se acelerou, embora a taxa de desemprego tenha subido e a participação da força de trabalho tenha caído.

Os traders consideraram que os dados de emprego provavelmente adiariam o cronograma de cortes nas taxas de juros líquidas, e agora preveem cerca de 1,5 ponto de redução de um quarto este ano, de acordo com os contratos futuros.

-- Com a colaboração de Sarina Yoo e Alex Tanzi.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Legacy diz que ações do Brasil operam com desconto e mantém posição comprada

Hartnett, do BofA, diz que corte do Fed pode sinalizar problemas para a economia