Era da baixa inadimplência de empresas acabou, avalia Deutsche Bank

Analistas do banco avaliam que o aumento das taxas de juros no mundo deve elevar o número de companhias que não conseguem honrar com os pagamentos de suas dívidas

Sede do Deutsche Bank, em Frankfurt
Por Lucca de Paoli
10 de Junho, 2024 | 02:12 PM

Bloomberg — A sequência de duas décadas de baixos níveis de inadimplência corporativa chegou ao fim, e o salto das taxas de juros, bem como sua permanência em patamares elevados, deve aumentar o número de tomadores de empréstimos que não conseguem pagar suas dívidas, de acordo com analistas do Deutsche Bank (DB).

No futuro, as taxas de inadimplência aumentarão para níveis mais altos, escreveram os analistas do banco alemão em um relatório publicado nesta segunda-feira (10), mesmo que um grande aumento ainda possa ser evitado.

“Durante 40 anos, praticamente todos os tomadores de empréstimos com taxas fixas em toda a economia puderam fazer um refinanciamento a uma taxa mais baixa do que a que haviam conseguido anteriormente”, escreveram os analistas do Deutsche Bank, incluindo Jim Reid e Steve Caprio, na pesquisa anual.

"Isso mudou depois de 2022, mas o impacto total ainda pode demorar a ser sentido. Portanto, talvez haja aqui uma analogia com o 'sapo fervendo', em que o mercado não percebe, até que percebe."

PUBLICIDADE

Leia também: Otimismo de americanos com as ações atinge o maior nível em 3 anos, aponta Fed de NY

dfd

A iniciativa dos bancos centrais de aumentar as taxas de juros para combater o aumento dos preços dificultou a vida de muitas empresas mais dependentes de capital, forçando-as a gastar mais para obter empréstimos.

Isso levou a um aumento na inadimplência em todo o mundo, após anos de condições de dinheiro fácil, quando pouquíssimas empresas não conseguiram pagar suas dívidas.

Muitos esperam que os mercados retornem à era de baixas taxas de inadimplência, mas alguns, inclusive o Deutsche Bank, duvidam que os próximos anos sejam tão tranquilos.

Vencimentos à frente

Um fator que pode agravar a situação é o número de vencimentos nos próximos anos para os tomadores de empréstimos com classificação de risco mais baixa.

De acordo com a pesquisa, mais de 20% dos tomadores de empréstimos com classificações abaixo de BB enfrentam um vencimento nos próximos três anos.

A inadimplência até aqui ainda não atingiu os níveis que muitos esperavam. Na versão do relatório do Deutsche Bank do ano passado, os analistas previram um aumento nos eventos de inadimplência alimentados por uma esperada recessão nos EUA.

PUBLICIDADE

Em 2023, "pensamos que veríamos um ciclo de inadimplência elevado em 2024 devido a uma recessão nos EUA", escreveram os analistas na versão deste ano do relatório.

“Embora tenhamos mudado nossa opinião sobre essa última hipótese no início de 2024, devido a uma perspectiva de crescimento mais otimista dos EUA, será que o argumento de um nível estruturalmente mais alto de inadimplência ainda se mantém nos próximos anos, depois de 20 anos em que ele foi excepcionalmente baixo? Acreditamos que sim.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Armor reforça o pessimismo com ativos do Brasil e abre aposta contra o real