Dólar hoje: moeda americana opera de lado em dia de queda do minério de ferro

Sessão é marcada por forte queda nos preços da commodity; confira o desempenho do câmbio no início das negociações desta terça (20)

Dólar hoje: moeda americana opera de lado em dia de queda do minério de ferro
20 de Fevereiro, 2024 | 09:40 AM

Bloomberg Línea — O dólar (USDBRL) opera de lado na manhã desta terça-feira (20), em um dia de queda dos preços do minério de ferro diante da preocupação com a fraca demanda chinesa.

A moeda americana era cotada a R$ 4,95, com leve baixa de 0,14% às 9h40 (horário de Brasília).

No pregão anterior, o dólar encerrou as negociações cotado a R$ 4,96, com queda de 0,12%. O valor máximo chegou a R$ 4,97, e o mínimo foi de R$ 4,95.

Neste ano, o real acumula queda de 2,24% em relação ao dólar. O valor máximo foi registrado no dia 8 de fevereiro, quando a cotação atingiu R$ 5,00. Já a mínima foi de R$ 4,85 no dia 12 de janeiro. A cotação média do dólar no período foi de R$ 4,93.

PUBLICIDADE

A moeda brasileira ocupa a posição número 9 em uma cesta das 23 moedas de mercados emergentes com maior valorização em 2024.

As moedas latino-americanas tiveram o seguinte desempenho até o momento no ano:

  • O peso colombiano (COP) se desvaloriza em 1,02%;
  • O sol peruano (PEN) se desvaloriza em 2,46%;
  • O peso mexicano (MXN) se desvaloriza em 0,48%;
  • O peso chileno (CLP) se desvaloriza em 9,68%;
  • O peso argentino (ARS) se desvaloriza em 3,50%;

Já o Ibovespa (IBOV) subiu 0,24% no fechamento de ontem (19), aos 128.725,88 pontos.

PUBLICIDADE

As ações do índice com melhor desempenho na sessão anterior foram:

  • CVC (CVCB3) subiu 4,76%;
  • Locaweb (LWSA3) subiu 4,43%;
  • Cogna Educação (COGN3) subiu 2,48%;

E as de pior desempenho foram:

  • CSN Mineração (CMIN3) caiu 2,76%;
  • Carrefour (CRFB3) caiu 2,61%;
  • EzTec (EZTC3) caiu 2,21%.

-- Conteúdo elaborado com auxílio de dados automatizados da Bloomberg.

Leia também:

Este banqueiro apostou no Oriente Médio há muitos anos. Agora colhe os frutos

Como a consolidação da indústria de xisto entrou no alvo de Wall Street