Contagem regressiva para a inflação dos EUA e outros eventos que movem os mercados

A leitura sobre a evolução dos preços pode dar pistas sobre a velocidade com que o Fed passará a reduzir os juros nos EUA; notícias envolvendo Amazon e Google também estão no radar

Estes são os eventos que orientam os investidores e movem os mercados hoje
11 de Janeiro, 2024 | 07:05 AM

Barcelona, Espanha — Dia decisivo para as estratégias de investimento: hoje será divulgada a inflação ao consumidor nos Estados Unidos em dezembro, o que ajudará a clarear o caminho da política monetária do Federal Reserve (Fed).

Assine a newsletter matinal Breakfast, uma seleção da Bloomberg Línea com os temas de destaque em negócios e finanças no Brasil e no mundo.

👁️ Todos os olhos no IPC. Segundo pesquisa da Bloomberg com economistas, a maioria projeta que o núcleo da inflação ano a ano caia para 3,8% na leitura de dezembro, frente aos 4% do mês anterior. Caso se confirme a menor pressão sobre os preços, os investidores terão respaldadas suas apostas otimistas. Do contrário, pode-se esperar volatilidade nos negócios.

🔎 Em busca de pistas. O dirigente do Fed em Nova York, John Williams, disse que a política monetária está suficientemente restritiva para direcionar a inflação à meta do banco central. No entanto, sugeriu que são necessárias mais evidências de arrefecimento da inflação antes de baixar os juros.

O tom difere de pronunciamento feito em dezembro, quando Williams afirmou que a questão de curto prazo era se a política era “suficientemente restritiva” para garantir que a inflação voltasse a 2%. Naquela ocasião, ele também acrescentou que as autoridades não estavam realmente falando sobre cortes nas taxas.

PUBLICIDADE

🏁 Marco para ativos digitais. Pela primeira vez, os órgãos reguladores dos EUA aprovaram fundos negociados em bolsa que investem diretamente em bitcoin, uma medida anunciada como um evento marcante para o setor de ativos digitais de aproximadamente US$ 1,7 trilhão e que ampliará o acesso à maior das criptomoedas. A decisão ocorre um dia depois que uma postagem falsa na conta X da SEC alegara, antes da hora, que a agência havia aprovado os ETFs. Mais cedo, o bitcoin chegou a subir quase 4%, acima dos US$ 47.700, antes de desacelerar seus ganhos.

⚠️ Tem acordo? O pacto de US$ 1,4 bilhão da Amazon para comprar a iRobot, fabricante do Roomba, foi colocado em dúvida depois que a empresa optou por não oferecer concessões à União Europeia. De acordo com um site da Comissão Europeia na quinta-feira, a Amazon perdeu o prazo de quarta-feira para apresentar soluções que pudessem aliviar quaisquer problemas encontrados pelas autoridades antitruste.

💸 Revés na UE. O Google, da Alphabet, deve perder sua luta judicial para derrubar uma multa de 2,4 bilhões de euros (US$ 2,6 bilhões) da União Europeia por se “aproveitar de sua posição dominante” para favorecer seus próprios serviços de compras em detrimento dos serviços de seus rivais, disse um conselheiro do tribunal superior da UE. Os órgãos reguladores de concorrência da UE aplicaram a multa ao Google em 2017 - um recorde na época - por violar as regras antitruste.

PUBLICIDADE

📈 O vaivém dos ativos. Os contratos futuros de índices dos EUA subiam no início desta manhã. Na Europa, as bolsas trabalhavam em alta. No encerramento do mercado acionário da Ásia, os índices terminaram no azul.

O prêmio de risco do título de 10 anos dos EUA caía para 3,99%. Os contratos de ouro avançavam. Entre as divisas, iene e euro e libra se depreciavam frente ao dólar. A libra operava estável. O petróleo subia em torno de 1,8%.

(Com informações de Bloomberg News)

🗓️ AGENDA: Os eventos e indicadores em destaque hoje e na semana →

Os mercados esta manhãdfd
🔘 As bolsas ontem (10/01): Dow Jones Industrials (+0,45%), S&P 500 (+0,57%), Nasdaq Composite (+0,75%), Stoxx 600 (-0,18%), Ibovespa (-0,46%)
Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 13 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e fez um mestrado em Digital Business na ESADE.