‘Este pode ser o momento mais perigoso para o mundo em décadas’, diz Jamie Dimon

CEO do JPMorgan diz que guerra na Ucrânia, junto com o conflito entre Israel e Hamas, pode ter impactos de longo prazo nos mercados de energia e alimentos e no comércio global

Jamie Dimon, CEO do JPMorgan, o maior banco dos Estados Unidos
Por Max Abelson
13 de Outubro, 2023 | 11:03 AM

Bloomberg — Jamie Dimon alertou para sérios riscos geopolíticos enquanto Israel se preparava para uma invasão terrestre em Gaza. “Este pode ser o período mais perigoso que o mundo viu em décadas”, disse o CEO do JPMorgan Chase no comunicado de resultados do terceiro trimestre.

“A guerra na Ucrânia, agravada pelos ataques da semana passada em Israel, pode ter impactos de longo alcance nos mercados de energia e alimentos, no comércio global e nas relações geopolíticas.”

Durante uma conversa com jornalistas, Dimon disse que a empresa estava profundamente entristecida pelos ataques e “pela subsequente derramamento de sangue e guerra”.

Ele se recusou a comentar quando questionado sobre a controvérsia em torno da resposta da Universidade de Harvard, em que estudou na escola de negócios.

PUBLICIDADE

“Enquanto esperamos o melhor, preparamos a empresa para uma ampla gama de desfechos para que possamos atender consistentemente os clientes, independentemente do ambiente”, afirmou Dimon no comunicado.

Dimon falou depois que o exército israelense instou à evacuação do norte de Gaza em preparação para uma possível invasão terrestre na região controlada pelo Hamas. As Nações Unidas alertaram para uma catástrofe, afirmando que seria impossível mover cerca de um milhão de pessoas.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Para o petróleo, conflito em Israel não é ‘reprise’ de 1973, mas ainda pode ser ruim

JPMorgan eleva previsão de receita para o ano após resultado recorde no 3º tri