Wegovy
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg Opinion — Uma nova análise constatou que os benefícios do Wegovy, o medicamento para obesidade da Novo Nordisk (NVO), para pessoas com risco de ataques cardíacos ou derrames não dependem do número da balança – a saúde cardiovascular melhora independentemente de as pessoas perderem muito ou muito pouco peso.

Essa mensagem acrescenta uma nuance necessária à nossa compreensão dos efeitos sobre a saúde da nova classe de medicamentos conhecidos amplamente como GLP-1.

Leia mais: Efeito Ozempic: sucesso global alavanca economia na Dinamarca, mas expõe dependência

Ela também levanta uma questão crítica: será que um dia esses medicamentos, que também incluem o Mounjaro da Eli Lilly (LLY), poderão migrar da categoria “combate à obesidade” e ser considerados simplesmente medicamentos para o coração? Ou até mesmo medicamentos metabólicos?

PUBLICIDADE

À medida que os dados surgirem, os cuidados com os rins também poderão ser incluídos na lista de benefícios e, talvez, mais adiante, a saúde do cérebro.

É claro que são necessárias muito mais pesquisas. Mas essa reformulação pode abrir a porta para melhores conversas entre pacientes e médicos. É claro que nunca entenderemos de fato o impacto total desses medicamentos sobre a saúde se o acesso a eles não for amplo.

Não é segredo que a obesidade está na interseção de muitas doenças crônicas, mas ainda persiste a percepção de que os GLP-1 são um “atalho” ou simplesmente um meio para atender ao desejo de ser magro.

PUBLICIDADE

A realidade é diferente.

Uma pesquisa recente da KFF revelou que 12% dos adultos nos Estados Unidos já experimentaram um tratamento com GLP-1, um número que sobe para 25% entre as pessoas diagnosticadas com doenças cardíacas.

“O diabetes, as doenças renais e as doenças cardiovasculares estão interligados com a obesidade”, diz Diana Thiara, diretora médica do Programa de Controle de Peso da Universidade da Califórnia em São Francisco.

Em vez de adotar abordagens isoladas para o tratamento de cada doença, é melhor reconhecer essas conexões. Ela diz a seus pacientes para focarem menos na balança e mais no fato de que mesmo uma perda de peso de 10% oferece 20% menos chance de sofrer um ataque cardíaco ou derrame.

PUBLICIDADE

Em 2023, os cardiologistas ficaram impressionados quando um estudo com mais de 17.000 pessoas que já haviam tido um evento cardiovascular (como um ataque cardíaco ou derrame) descobriu que o Wegovy reduziu em 20% o risco de outro evento.

Essa nova análise examina a mesma população de pacientes para perguntar sobre o lado da perda de peso do estudo. Após quatro anos, o estudo forneceu pistas sobre a sustentabilidade desses benefícios para a saúde, bem como ajudou a responder a uma pergunta persistente sobre a origem do benefício para o coração: isso se deve apenas à perda de peso ou a algum outro aspecto desses medicamentos?

É provável que seja uma mistura de ambos.

PUBLICIDADE

As pessoas que receberam o Wegovy no estudo cardiovascular perderam, em média, apenas cerca de 10% do peso corporal, um resultado que difere de alguns dos números impressionantes dos testes de perda de peso do Wegovy. “Parece haver um efeito que transcende os benefícios da perda de peso”, diz James Januzzi, cardiologista da Harvard Medical School.

Leia mais: Novo Nordisk é atingida por segundo incêndio em uma semana na Dinamarca

Os pesquisadores têm algumas hipóteses sobre o que causa esses benefícios à saúde do coração.

A perda de peso certamente contribui, mas Januzzi acredita que é possível que o local em que se localizavam os quilos eliminados seja mais importante. A redução da gordura visceral “pode estar associada a menos inflamação e melhorar os resultados cardiovasculares, mesmo que a perda de peso não seja tão substancial”, acrescenta.

Os medicamentos também podem ter um efeito anti-inflamatório direto, diz ele, ou ajudar a estabilizar os vasos sanguíneos do coração para que as pessoas tenham menos probabilidade de sofrer um ataque cardíaco.

Outra boa notícia é que essa perda de peso durou quatro anos no estudo. Grande parte do debate sobre o valor desses medicamentos se concentra na dúvida se tomá-los por toda a vida é sustentável. Embora quatro anos seja reconhecidamente um curto período, ainda é o melhor dado de longo prazo que temos até agora.

Notavelmente, as pessoas que participaram do estudo puderam diminuir a dose ou interromper o uso do medicamento, uma abordagem que os médicos acreditam ser muito mais próxima de como os GLP-1 serão usados no mundo real. Mesmo assim, os participantes ainda obtiveram benefícios.

Os resultados atualizados não foram os únicos dados que ajudaram a defender a tese de que o Wegovy é um medicamento para a saúde do coração.

Igualmente impressionante é um estudo separado que se soma ao crescente conjunto de trabalhos que sugerem que o Wegovy melhora os sintomas da insuficiência cardíaca, uma condição em que o órgão se esforça para bombear sangue e oxigênio por todo o corpo.

Embora os medicamentos existentes e as mudanças no estilo de vida possam ajudar, a condição crônica ainda pode levar a uma longa lista de sintomas debilitantes.

O possível papel do Wegovy pode ser principalmente importante porque as mortes por insuficiência cardíaca nos EUA, que antes estavam em declínio, têm aumentado rapidamente.

Gráficodfd

O aumento é impulsionado, em parte, pelas taxas mais altas de obesidade, bem como pelas taxas crescentes de diabetes, pressão alta e colesterol alto. Diversos grupos demográficos foram afetados, mas a mudança é mais acentuada entre as pessoas mais jovens ou na meia-idade.

Ela também está afetando desproporcionalmente os negros. Uma análise constatou que cerca de 13 milhões de pessoas poderiam sofrer de insuficiência cardíaca até 2060, um aumento de mais de 33% em relação aos níveis projetados para 2025. Imagine a grandiosidade da reversão dessa tendência.

Leia mais: Depois do Wegovy, farmacêuticas buscam medicamento contra a perda de massa muscular

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Lisa Jarvis é colunista da Bloomberg Opinion e cobre biotecnologia, saúde e o setor farmacêutico. Anteriormente, foi editora executiva da Chemical & Engineering News.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Gol quer levantar US$ 1,5 bilhão em oferta de ações para pagar crédito emergencial

Startup de IA de Elon Musk levanta US$ 6 bi em tentativa de desafiar a OpenAI