Dois braços de manequim segurando talas de champanhe e portando pulseiras de grife
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — “Deixe-me falar sobre os muito ricos. Eles são diferentes de você e de mim.” O autor F. Scott Fitzgerald poderia ter acrescentado que eles também são diferentes entre si em termos de geração.

Pela primeira vez na história do estudo anual de bilionários do UBS (UBS), os novos bilionários acumularam mais riqueza por herança do que por empreendedorismo: cerca de US$ 151 bilhões foram herdados por 53 herdeiros no ano até 6 de abril, em comparação com os US$ 141 bilhões em fortunas de 84 novos bilionários self-made.

Como aponta o banco suíço, a mudança pode ter sido esperada, mas essa “grande transferência de riqueza” está ganhando impulso. Espera-se que mais de mil empresários bilionários idosos deixem US$ 5,2 trilhões para seus herdeiros nas próximas duas ou três décadas.

Gráficodfd

O que chama a atenção são os resultados de uma pesquisa relacionada do UBS que mostra atitudes contrastantes entre os que construíram sua fortuna do zero e seus sucessores.

PUBLICIDADE

As principais metas dos bilionários de segunda geração são permitir que seus descendentes se beneficiem da mesma riqueza – uma prioridade também dos bilionários de primeira geração - e dar continuidade e aumentar o que os antepassados conquistaram.

Mas apenas um terço dos herdeiros bilionários citou “metas filantrópicas/causar impacto no mundo e na sociedade” como seu principal objetivo. Para os bilionários de primeira geração, a proporção foi de 68%.

Apenas 16% dos herdeiros estão priorizando “capacitar ou apoiar outras pessoas” por meio de, por exemplo, legados culturais ou patrocínio esportivo, em comparação com 48% dos bilionários de primeira geração.

PUBLICIDADE

No entanto, ao mesmo tempo, o UBS identifica uma tendência dos bilionários de segunda geração de investir para obter impacto social ou gerenciar negócios “de forma a abordar questões ambientais e sociais”.

Como interpretar essas descobertas, que parecem, em parte, contraditórias entre si?

A amostra da pesquisa tem apenas 79 entrevistados, portanto, é preciso ter cuidado ao tirar conclusões definitivas. Ainda assim, há um senso de responsabilidade diferente entre as gerações, bem como atitudes em relação ao risco e uma divisão nas doações filantrópicas.

Isso talvez não deva ser uma surpresa. Um bilionário que fez sua fortuna do zero possui o negócio principal que construiu, no qual se sente à vontade para correr riscos e lidar com os inevitáveis fracassos.

PUBLICIDADE

É provável que ele tenha uma carteira de investimentos diversificada e de baixo risco para conservar a riqueza gerada por esse negócio em dividendos. Esses ativos podem, por sua vez, financiar atividades filantrópicas que apoiem as causas com as quais o empresário se preocupa e atendam às expectativas que a sociedade tem em relação aos ricos.

Gráficodfd

É quase certo que o herdeiro não tem a mesma experiência de assumir riscos, cometer erros e recomeçar depois de contratempos. Até mesmo ganhar dinheiro com dinheiro pode ter parecido fácil para eles. Afinal de contas, os preços dos ativos aumentaram na era das taxas de juros baixas após a crise financeira de 2008.

Talvez eles tenham herdado a empresa da família ou talvez tenham recebido o montante de sua venda. De qualquer forma, eles normalmente começam como gestores de patrimônio, não como empreendedores.

PUBLICIDADE

Eles não veem as três atividades distintas de administrar uma empresa, gerenciar um portfólio de investimentos seguros e fazer filantropia. Quando buscam objetivos sociais, esses são misturados com retornos financeiros de um conjunto de investimentos mais arriscado. Há poucos filantropos puros entre os herdeiros bilionários.

A necessidade de legitimar sua riqueza aos olhos da sociedade deve ser muito maior entre os bilionários da segunda geração. Eles não podem defender suas riquezas dizendo que as conquistaram com trabalho árduo.

Mas se eles relutam em doar dinheiro porque não o ganharam por conta própria (o UBS diz que isso acontece com frequência), sua próxima opção é causar impacto com seus investimentos. O setor de filantropia tem um trabalho árduo para mostrar que poderia empregar melhor esses recursos financeiros.

Mais da metade dos bilionários pesquisados considera que um de seus maiores desafios é transmitir aos herdeiros seus valores, a educação e a experiência para assumir o controle. Isso aponta para um dever de transmitir mais do que apenas riqueza.

Se a motivação e o apetite pelo risco que criaram suas riquezas não puderem ser transmitidos, talvez seja possível transmitir alguma sabedoria para administrar a riqueza de forma responsável. O mundo não pode se dar ao luxo de que esse grupo tenha mais dinheiro do que bom senso.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Chris Hughes é um colunista da Bloomberg Opinion que cobre negócios. Ele trabalhou anteriormente para a Reuters Breakingviews, para o Financial Times e para o jornal Independent.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Salários e bônus na Faria Lima caem, mas ainda chegam a R$ 1,6 mi em média no ano

Há demanda crescente do investidor por ativos em Brasil e México, diz BlackRock