BlackRock: reforma em bancos de desenvolvimento liberaria US$4 tri para transição verde

Calculo leva em conta uma reforma nos bancos de desenvolvimento que estimularia a alocação de capital em projetos de transição climática em mercado emergentes

Sunlight Through Trees
Por Alastair Marsh e Natasha White
28 de Novembro, 2023 | 01:49 PM

Bloomberg — Pesquisadores que trabalham em uma unidade da BlackRock (BLK) estimam que uma reforma das instituições financeiras públicas poderia liberar até US$4 trilhões em investimentos adicionais para ajudar os mercados emergentes a enfrentar as consequências das mudanças climáticas.

Em um artigo publicado nesta terça-feira (27), o BlackRock Investment Institute explicou como uma reforma dos bancos multilaterais de desenvolvimento (MDBs), como o Banco Mundial, poderia permitir melhor uso do capital à disposição.

Segundo a gestora, isso desempenharia um papel fundamental para preencher a chamada lacuna de financiamento climático que os mercados emergentes enfrentam atualmente.

LEIA +
COP28: Como a cúpula climática pode trazer avanços além dos acordos entre governos

A proposta chega poucos dias antes do início da cúpula climática COP28 nos Emirados Árabes Unidos. O CEO da BlackRock, Larry Fink, que não participou da cúpula de 2022 no Egito, faz parte do comitê consultivo da COP deste ano e participará pessoalmente das negociações em Dubai.

PUBLICIDADE

O maior gestor de ativos do mundo identificou a transição global para uma economia de baixo carbono como uma das cinco “mega forças que estão varrendo mercados e economias”.

As nações que mais rapidamente sofrem os efeitos das emissões são também as que enfrentam os maiores obstáculos quando se trata de acessar o capital privado. Com isso em mente, um dos principais objetivos das negociações da COP28 será a criação dos chamados modelos de financiamento combinado, por meio dos quais os investidores privados recebem incentivos para se juntarem às instituições públicas no comprometimento de capital para projetos climáticos, sem que os termos se tornem muito onerosos para as nações devedoras.

Por enquanto, os investidores privados enfrentam vários desincentivos financeiros, disse a BlackRock. “Acreditamos que os altos níveis de dívida pública em muitos países emergentes dificultam a atração de investimentos estrangeiros diretos nos setores de energia ou de resiliência climática.”

PUBLICIDADE

Os bancos multilaterais de desenvolvimento, que foram criados para ajudar a reconstruir a Europa devastada pela guerra na década de 1940, estão sendo repensados para a era das mudanças climáticas. Entre as vozes proeminentes que pedem uma reforma dessas instituições estão a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, o presidente da França, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra de Barbados, Mia Mottley. As demandas por uma revisão significativa devem desempenhar um papel importante durante as negociações da COP28.

Os autores do relatório da BlackRock argumentam que esses bancos multilaterais precisam ser capazes de “amparar as perdas iniciais” que provavelmente estarão associadas aos investimentos em infraestrutura dos mercados emergentes, especialmente os projetos relacionados ao clima. Fink já havia sugerido que instituições como o Banco Mundial seriam mais úteis na transição para a energia limpa se agissem como seguradoras que reduzissem o risco para os investidores privados.

LEIA +
Gestora do UBS com US$ 1,5 tri em ativos mira investimentos em infraestrutura

“As necessidades de investimento para a transição energética em todos os países emergentes são enormes - e não estão nem perto de serem atendidas”, disse a BlackRock. “O financiamento público tem sido ineficaz na mobilização de capital privado em escala - e é aí que os bancos multilaterais de desenvolvimento e as instituições financeiras públicas podem desempenhar um papel.”

As economias dos mercados emergentes representarão mais da metade da demanda de energia e das emissões de carbono até 2050, e devem “definir a velocidade e a forma da transição global”, disse a BlackRock. “À medida que as reformulações propostas tomam forma, vemos o potencial para que o capital privado encontre novas oportunidades de investimento como parte do preenchimento da lacuna de financiamento climático dos mercados emergentes.”

Até o momento, a maior parte dos investimentos mundiais em clima tem se concentrado nos EUA, na Europa e na China. O investimento anual em energia limpa nos mercados emergentes ficou estagnado desde 2015, oscilando em torno de US$250 bilhões por ano, de acordo com a Agência Internacional de Energia. De modo geral, as necessidades de investimento relacionadas ao clima nos mercados emergentes são de 17 a 24 vezes maiores do que os compromissos públicos estimados recentemente, estima a BlackRock.

Como parte de suas recomendações para diversificação de riscos, a BlackRock sugere que uma maior participação dos bancos multilaterais de desenvolvimento na emissão de títulos com classificação AAA também poderia atrair o capital privado. Os subsídios ou empréstimos existentes são “muito direcionados para o financiamento de projetos individuais” e esse dinheiro seria mais bem utilizado para “mitigar os riscos de forma mais ampla”, disse.

Outro modelo proposto é o de “títulos verdes com opção de venda”, por meio do qual os bancos multilaterais de desenvolvimento se comprometeriam a comprar os títulos caso seu preço caísse para um nível predefinido, reduzindo o risco do investidor e ajudando a reduzir os custos de empréstimo dos emissores, disse a BlackRock.

PUBLICIDADE

Certamente, não se espera que a reforma dos bancos multilaterais de desenvolvimento, por si só, supra a lacuna de investimento climático nos mercados emergentes, e a BlackRock destaca a inovação do setor privado como outra prioridade fundamental. Exemplos bem-sucedidos incluem trocas de dívida por natureza, disse a BlackRock, por meio das quais os governos refinanciam suas dívidas e alocam uma parte da economia para projetos ambientais.

LEIA +
Emergentes podem ser os novos desenvolvidos, diz head do Morgan Stanley para área

A BlackRock descreve sua projeção de US$4 trilhões como um “cenário positivo” de capital que poderia ser liberado, além de seu cenário básico, que prevê um investimento climático anual de US$1,1 trilhão nos mercados emergentes até 2050. Entretanto, se as reformas “se mostrarem menos duradouras ou eficazes” do que o esperado, a BlackRock estima que os níveis de investimento poderão acabar caindo em cerca de US$50 bilhões por ano.

“Se as reformas substanciais não se concretizarem, as oportunidades de investimento em infraestrutura de energia de baixo carbono serão mais limitadas”, disse a BlackRock. Um cenário em que os mercados emergentes sejam deixados para trás “poderia significar mais riscos e danos climáticos físicos para todas as economias, mas especialmente para os países emergentes, possivelmente desacelerando ainda mais o crescimento”, disse.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

BlackRock recomenda ações de mineradoras como aposta em baixo carbono

Desaceleração econômica pode ser obstáculo para redução de carbono