Como 9 fundos brasileiros estão posicionados para a perspectiva de corte do juro

Gestoras como Genoa Capital e Legacy Capital montam posições na bolsa brasileira diante da expectativa de ganhos adicionais na renda variável

Sede da B3. a bolsa brasileira, no centro de São Paulo: crescem as posições compradas por parte de fundos
Por Felipe Saturnino
20 de Junho, 2023 | 06:17 PM

Bloomberg — Alguns dos principais fundos brasileiros estão otimistas com a bolsa em razão da crescente expectativa de cortes de juros, que tem alimentado um rali dos ativos locais.

A Genoa Capital, que administra R$ 15,8 bilhões, montou posição em ações dos setores de matérias-primas e energia. A Verde Asset Management, liderada por Luis Stuhlberger, diz que cerca de 20% de sua exposição ao risco está alocada em ações brasileiras, que podem obter um impulso adicional com o início da redução da taxa Selic. A Legacy Capital encerrou uma aposta pessimista de longa data nas ações domésticas e prevê um ciclo de queda dos juros a partir de agosto.

O Ibovespa opera no maior nível em oito meses em meio à consolidação entre os investidores da aposta de corte de 0,25 ponto percentual da Selic em agosto, de acordo com a precificação do mercado.

LEIA +
Por que esta gestora diz que é cedo para montar posição na bolsa brasileira

As gestoras também mantêm apostas nos juros futuros, mesmo com muitos cortes já precificados - a curva aponta para uma taxa de aproximadamente 9,5% no fim de 2024. A Ibiuna Investimentos tem visão positiva com os mercados locais no curto prazo e possui posições que lucram com a queda das taxas.

PUBLICIDADE

A Selic está em 13,75% ao ano - o maior patamar em seis anos - desde agosto de 2022, após um ciclo de alta que durou 17 meses. O BC deve manter a taxa na reunião desta semana.

Uma avaliação otimista também pode ser vista no mercado de câmbio, com o dólar negociado nos menores níveis desde junho de 2022. A Absolute Investimentos abriu uma aposta na valorização do real.

Uma cesta de fundos hedge - equivalentes aos multimercados - locais subiu 0,81% em maio, de acordo com o índice IHFA da Anbima, no segundo mês seguido de alta.

PUBLICIDADE

Veja o que alguns dos principais fundos brasileiros disseram em suas notas mensais:

Absolute

A Absolute tem uma posição que ganha com a alta dos juros curtos no Brasil e espera que o ciclo de flexibilização se inicie a um ritmo de 0,25 ponto percentual em setembro.

  • Absolute Vertex FIC: +1,44% em maio
  • Taxa de referência do CDI: +1,12%

Adam

A atividade econômica do Brasil mostra força e o mercado de trabalho está apertado, disse a Adam Capital. O fundo está posicionado para uma “pouso suave” nos EUA e está comprado em ouro.

  • Adam Macro II FIC: -0,15%

Bahia

O Bahia detém posições aplicadas e que se beneficiam do achatamento — redução do diferencial de juros entre taxas longas e curtas — no Brasil. A gestora também aposta em quedas das taxas das de juros nos mercados desenvolvidos.

  • Bahia AM Marau FIC: -1,22%

Genoa

A Genoa Capital está comprada no real frente ao dólar e tomada — aposta que ganha com a alta — em juros curtos nos EUA e na África do Sul.

  • Genoa Capital Radar FIC FIM: +1,89%

Ibiuna

O fundo disse que tem o viés de ficar vendido no dólar em relação ao euro e a moedas de carrego elevado, como o real e o peso mexicano.

  • Ibiuna Hedge STH FIC: +0,09%

Kapitalo Investimentos

A Kapitalo aumentou as posições aplicadas em juros no México e as apostas vendidas no yuan chinês.

PUBLICIDADE
  • Kapitalo Kappa FIN: -0,17%

Legacy

A Legacy Capital disse que procura aumentar a posição aplicada em juros em países onde a combinação de fundamentos econômicos e a precificação de cortes de juros parece atraente.

  • Legacy Capital FIC: +2,09%

Verde Asset

A gestora está comprada em bolsas globais e tomada em juros nos EUA e no Japão. A Verde está comprada em inflação implícita no Brasil.

  • Verde FIC FIM: +0,89%

Vinland Capital

A Vinland diz que um ciclo de flexibilização pode começar em agosto com um corte gradual, já que as expectativas de inflação continuam acima da meta e a economia é incerta. O fundo está posicionado para se beneficiar de taxas mais baixas no Brasil, Chile e México.

  • Vinland Macro FIC FIM: +0,84%

- Com a colaboração de Vinícius Andrade.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Gestora do Deutsche Bank aposta em home office no exterior para reter talentos

Ibovespa a 130 mil pontos: gestores revisam projeção para a bolsa, revela BofA

©2023 Bloomberg L.P.