Alliança acelera expansão com aquisição no Rio em mais um M&A do novo CEO

Pedro Trompson diz em entrevista à Bloomberg Línea que os objetivos são melhorar margem, reduzir alavancagem e crescer nas regiões Sudeste e Norte; ação sobe 8% no ano

A área de análises por imagem com equipamentos como de ressonância magnética tem sido uma das mais aquecidas do setor de saúde (Foto: Yen Duong/Bloomberg)
12 de Junho, 2023 | 09:32 PM

Bloomberg — O setor de medicina diagnóstica, ainda bastante fragmentado no Brasil, tem adotado a estratégia do crescimento inorgânico, por meio de operações de M&A (fusões e aquisições), como um atalho para ganhar escala, aumentar faturamento, reduzir custos e melhorar a rentabilidade. Nesse contexto, nos últimos anos, o mercado tem passado por um acelerado processo de consolidação do setor.

O mais novo movimento acaba de ser dado pelo Grupo Alliar (AALR3), agora chamado Alliança, que anunciou nesta noite de segunda-feira (12) sua segunda aquisição no Rio de Janeiro, desta vez do Cepem (Centro de Diagnóstico e Imagem), clínica especializada em serviços de diagnóstico por imagem, como detecção do câncer de mama, e análises clínicas destinados ao público feminino.

A Alliança já havia anunciado em fevereiro a compra da ProEcho, empresa especializada no diagnóstico por imagem que atende os principais convênios em diversas especialidades médicas.

A aquisição do Cepem foi realizada por meio da Hemera, subsidiária do Fundo Fonte de Saúde, de Tanure. Em comunicado, a Alliança informou que, após a conclusão do negócio, a Cepem e a ProEcho passarão a ser controladas diretas da Hemera e indiretas do FIP Fonte Saúde.

PUBLICIDADE

“A Hemera solicitou que a Alliança avaliasse a possibilidade da celebração de um contrato de prestação de serviços com a Hemera tendo como objeto a gestão dos ativos Cepem e ProEcho”, disse a Alliança, que ainda está avaliando a viabilidade e a conveniência da celebração do contrato.

O anúncio da nova aquisição faz parte da estratégia que tem sido executada pelo CEO da Alliança, Pedro Thompson. O executivo, que já foi CEO da Estácio (hoje Yduqs), da Exame e do Hurb, assumiu o cargo em julho do ano passado para conduzir um processo de turnaround na rede de laboratórios sob o então novo comando de Tanure, que assumiu a posição de controlador em abril de 2022.

O investidor também é controlador de companhias como a operadora de telefonia paranaense Ligga e é acionista de referência na incorporadora Gafisa (GFSA3) e na empresa de energia Light (LIGT3).

Desde que assumiu, Thompson tem adotado medidas de redução de custos no grupo que é dono da rede paulistana de laboratórios CDB: realizou demissões, otimizou processos e fechou aquisições consideradas estratégicas. Além disso, houve um rebranding em março: a Alliar virou Alliança Saúde, em novo posicionamento para tentar fortalecer elos com fornecedores, parceiros e clientes. Os balanços mais recentes retratararam uma melhora operacional em certos indicadores.

Neste ano até esta segunda-feira (12), as ações da Alliança Saúde, cotadas a R$ 23,33, acumulavam uma valorização de 8% antes um desempenho positivo do Ibovespa de 6,92% no período. Os pares da companhia são nomes como Grupo Fleury (FLRY3), com alta de 5,63% no ano, e Dasa (DASA3), que acumula queda de 25,90% em 2023.

Em entrevista à Bloomberg Línea, Thompson destacou que a margem Ebitda da companhia era de 14% no terceiro trimestre do ano passado, quando assumiu. Chegou a 22% no primeiro trimestre de 2023.

A compra da ProEcho significou a adição de uma rede de laboratórios com 13 unidades no Rio de Janeiro, em Niterói e São Gonçalo. Em 1º de junho, a Alliança Saúde integrou um consórcio com a Proinvest e arrematou a concessão para equipagem e prestação de serviços de gestão hospitalar do Heuro Hospital de Urgência e Emergência Regional de Cacoal, em Rondônia, em um contrato de 30 anos.

PUBLICIDADE

O processo de expansão tem sido acelerado na gestão de Thompson. Em fevereiro, a Alliança já havia firmado um contrato de prestação de serviços de medicina diagnóstica com prazo de 10 anos com a Unimed FAMA (Federação das Unimeds da Amazônia), operadora de saúde da região norte, com mais de 100 mil beneficiários, abrangendo Amazonas, Amapá, Pará, Acre, Rondônia e Roraima. Com o negócio, a Alliança pretende expandir os exames de análises clínicas e aumento de escala na região.

A região Norte, que tem escassez maior de infraestrutura de saúde, se tornou uma das apostas da Alliança para ampliar sua abrangência geográfica, com o diferencial de apresentar um ambiente competitivo menos acirrado na comparação com o Sudeste e, principalmente, a cidade de São Paulo.

Antes de Tanure assumir o controle do grupo, a Alliar era mais reconhecida pelos serviços de diagnóstico por imagens. Com a nova gestão, sob Thompson, o segmento de análises clínicas entrou no foco, resultando em maior diversificação de suas fontes de receita e do seu portfólio de produtos e serviços.

Pedro Thompson, CEO da Alliança Saúde (Foto: Divulgação)dfd

Controle de custos

Além de acelerar a estratégia de M&A e capturar sinergias com a integração dos ativos recém-adquiridos e dos novos contratos, a Alliança também tem buscado em outra frente reduzir seu nível de alavancagem, que fechou o primeiro trimestre em 4,5 vezes (relação dívida líquida/Ebitda).

“Este será o ano de o setor olhar para dentro de casa, para os espólios de M&As e desalavancagem. Não será um ano de crescimento para o setor, embora a Alliança tenha crescido duplo dígito, 11%, no primeiro trimestre”, disse Thompson.

É uma referência ao fato de que o crescimento de seus pares de medicina diagnóstica foi impulsionado por aquisições realizadas nos últimos anos, como a integração de Hermes Pardini por Fleury.

O setor se mobiliza atualmente, segundo ele, para o controle de custos, diante de fatores como a escalada do preço de material laboratorial, como o contraste iodado, medicação usada em exames mais complexos de imagem, como tomografias.

Mais equipamentos

O CEO disse que, no começo do ano, a Alliança fez uma compra expressiva, por meio de leasing operacional, para aumentar seu parque de equipamentos. Ele também citou esforços para reduzir custos fixos, como a renegociação de valores de contratos de locação imobiliária, descentralização de call centers para melhorar o atendimento e adoção do WhatsApp como ferramenta para a empresa apresentar seu portfólio de serviços de saúde e funcionar como canal de relacionamento com os clientes.

A empresa instalou mais de 50 novos equipamentos de ultrassonografia em suas unidades, levando a um aumento de 14% nas receitas provenientes desse tipo de exame.

“Mesmo com a grande competição no mercado de São Paulo, o CDB conseguiu crescer 12% no mês de maio. Vemos também a região do ABC crescendo em um ritmo acelerado, como São Bernardo do Campo”, afirmou o CEO.

O grupo Alliança Saúde tem mais de 100 unidades de atendimento espalhadas por boa parte do Brasil, operando serviços de diagnóstico por imagem, medicina nuclear e de análises clínicas, além da aplicação de vacinas, com marcas como Axial, CDB, Clínica São Judas Tadeu, Delfin, Multiscan e Multilab.

Em São Paulo, o foco é otimizar filas de marcação de exames. Nas unidades do CDB, a companhia começou a perseguir um plano “fila zero”, ampliando a disponibilidade de horários e dias livres.

“O perfil do paciente de São Paulo é de maior exigência, mais crítico. Não tolera esperar quatro, cincos dias para fazer um exame. Estamos conseguindo reduzir o tempo médio de atendimento com ferramentas como o web check, cada vez mais adotado pelos clientes”, disse Thompson.

Receita recorde

A companhia teve R$ 312 milhões em receita bruta no primeiro trimestre, um resultado 11% superior na comparação anual e o maior de sua história. O lucro bruto saltou para R$ 99 milhões, com alta de 32% em 12 meses, refletindo a combinação de aumento de receitas com ganho operacional e de custos.

Houve ainda aumento do tíquete médio em quase todos os tipos de exames, reflexo do reposicionamento comercial da empresa, e o crescimento do volume de exames de imagem.

Em janeiro, a CVM (Comissão de Valores Mobiliários) recebeu uma minuta de edital da Alliança para a realização de uma OPA (Oferta Pública de Aquisição), mas a autarquia federal negou o registro em fevereiro, com pedido de documentação. A operação ainda aparece “em análise” no site da CVM.

Questionado sobre o assunto, Thompson não respondeu se o objetivo final da operação de compra das ações detidas por minoritários seria o fechamento de capital, limitando-se a dizer que se trata de um assunto e de uma decisão do acionista controlador da companhia.

Leia mais

Apple planeja inteligência artificial para dar dicas de saúde e rastrear emoções

Crise do varejo? Resultado da Zara revela receita para acelerar as vendas

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.