Taylor Swift aumenta as vendas da Universal Music para US$ 3,1 bilhões

Analistas consultados pela Bloomberg esperavam vendas de 2,88 bilhões de euros; maior gravadora do mundo assinou contrato com a Taylor em 2018

Álbum Midnights da cantora vendeu mais de 6 milhões de unidades em todo o mundo nas primeiras 8 semanas de lançamento
Por Sarah Jacob
03 de Março, 2023 | 09:41 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — As vendas do Universal Music Group (UMG) superaram as estimativas no quarto trimestre, impulsionadas em parte pelo recente álbum da cantora e compositora Taylor Swift.

As vendas da maior gravadora do mundo cresceram 17% em relação ao ano anterior, para 2,94 bilhões de euros (US$ 3,1 bilhões), informou a empresa holandesa na quinta-feira (2). Analistas consultados pela Bloomberg esperavam vendas de 2,88 bilhões de euros.

A Universal Music, que assinou um contrato de vários anos com a Taylor em 2018, disse em dezembro que o álbum Midnights da cantora vendeu mais de 6 milhões de cópias em todo o mundo nas primeiras oito semanas de lançamento.

Além de Swift, outros sucessos de vendas no quarto trimestre incluem The Beatles, Drake, Seventeen e Lil Baby.

PUBLICIDADE

A receita de edição de música da empresa saltou 30% para 530 milhões de euros e as vendas de música gravada cresceram 13% para 2,24 bilhões de euros. A Universal Music reportou ganhos antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) de 529 milhões de euros, ficando aquém das estimativas médias dos analistas de 571 milhões de euros.

A receita aumentou 22% para 10,3 bilhões de euros em 2022.

O spinoff da Vivendi SE, que se tornou público em Amsterdã em 2021, tem falado sobre a necessidade de um modelo de streaming atualizado que suporte todos os artistas. Recentemente, fez parceria com a plataforma de música e entretenimento TIDAL para explorar um novo modelo econômico para streaming de música.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Arezzo compra marca italiana e mira ser plataforma global de calçados de luxo

Âmago Capital, que tem BTG como acionista minoritário, fechará as portas

Blackstone deixa de pagar título de US$ 562 mi no setor imobiliário europeu