Loft teve aporte que reduziu avaliação de US$ 2,9 bi para US$ 1 bi, dizem fontes

Transação do fundo Andreessen Horowitz teria injetado novos recursos na startup brasileira, segundo pessoas ouvidas pela Bloomberg Línea; empresa nega o ‘down round’

Empresa nega captação por meio de equity
30 de Novembro, 2022 | 02:28 PM

Bloomberg Línea — A Loft, uma das startups mais valiosas da América Latina, teria recebido um novo aporte do fundo de venture capital americano Andreessen Horowitz que reduziu sua avaliação de mercado - valuation - para US$ 1 bilhão, valor 65% menor que os US$ 2,9 bilhões de sua captação anterior, segundo duas pessoas familiarizadas com o assunto que falaram à Bloomberg Línea.

A Loft, startup que opera plataformas digitais de compra e venda de imóveis e de serviços financeiros para transações imobiliárias, nega o down round - jargão do mercado para rodadas de investimento que precificam a empresa em um valor menor do que o anterior.

Procurada pela Bloomberg Línea, a Loft disse em nota que “não há nada de novo em relação a novas rodadas de investimentos”. “Qualquer informação veiculada em sentido contrário não condiz com a realidade dos fatos. É pura especulação”, afirmou a empresa.

A Loft disse que não realizou qualquer captação por meio de equity (participação no capital) desde meados do ano passado, quando atingiu uma avaliação de US$ 2,9 bilhões após uma rodada de Série D.

PUBLICIDADE

No Brasil e no exterior, startups de diferentes setores têm aceitado avaliações inferiores em um contexto de necessidade de recursos e dificuldades para obter capital. Um dos casos mais notórios teria sido o da fintech de pagamentos sueca Klarna, cuja avaliação teria caído 85%, de US$ 45,6 bilhões para US$ 6,5 bilhões no meio do ano em aporte liderado pela Sequoia Capital, segundo noticiado.

Já a startup brasileira, que tem outras alternativas de financiamento no mercado de capitais, como fundos imobiliários e certificados de recebíveis imobiliários para tomar crédito para seus projetos, recebeu até hoje US$ 800 milhões em rodadas de investimentos privadas.

Entre os 47 investidores da startup estão os fundos Andreessen Horowitz, D1 Capital Partners, Advent International, DST, Monashees, QED Investors e Vulcan Capital.

PUBLICIDADE

A Loft usou parte dos recursos de suas captações anteriores para adquirir empresas do mercado imobiliário. Em 2021, a Loft comprou a CredPago, de locações sem fiança. Também no ano passado, a Loft comprou a CrediHome, uma startup de originação de empréstimos imobiliários. A empresa também comprou a Foxter, a TrueHome no México, a 123i, um portal de condomínios, e a Vista.

Empresas de crédito ao consumidor, em particular, enfrentam um cenário desafiador diante da elevação das taxas de juros, que aumentam o custo dos empréstimos e podem pressionar a inadimplência.

Pessoas familiarizadas com o assunto, que pediram para não serem identificadas porque os assuntos são privados, disseram que a Loft estava sem caixa e por isso aceitou o down round.

Há três meses, em agosto, a Loft transferiu a Nomah, sua startup de estadias de curto prazo (uma alternativa aos hotéis e aos aluguéis tradicionais), para a mexicana Casai e investiu na nova empresa formada pela fusão. Segundo uma pessoa que preferiu não ser identificada, a transferência da Nomah para a Casai teria sido uma condição dos investidores para que a Loft recebesse a nova captação.

A Andreessen Horowitz juntou duas empresas de seu portfólio (Casai e Loft) e investiu na nova empresa que surgiu da fusão.

Assim como outras startups no mercado brasileiro e do exterior, a Loft realizou demissões diante do novo cenário adverso e cortou 543 pessoas da equipe desde abril. Na ocasião dos 159 primeiros cortes, a empresa disse para a Bloomberg Línea que havia redundâncias devido às aquisições.

Na última quinta-feira (22), a Loft anunciou que passará operar a compra e a venda de casas em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Antes, a empresa só negociava apartamentos no marketplace.

PUBLICIDADE

Recentemente, a empresa também anunciou sua nova marca no México, “Loft México”, ao renomear a startup mexicana de negociação digital de imóveis, a TrueHome, que foi adquirida em outubro de 2021. O negócio deu o pontapé inicial à expansão da empresa brasileira na América Latina.

Os fundadores da Loft, Mate Pencz e Florian Hagenbuch, se conheceram quando trabalhavam no Goldman Sachs. Fundaram uma startup na área de indústria gráfica no Brasil, a Printi, que foi adquirida por uma gigante americana, a Vistaprint. Fundaram também um fundo dedicado a investimento seed, o Canary. Até que, em 2018, decidiram apostar na digitalização do mercado imobiliário com a Loft.

Hagenbuch deixou recentemente funções executivas para assumir como presidente à frente das áreas de cultura e integração. O dia a dia da gestão está a cargo de Pencz e do novo COO, Marcel Regis, um veterano de 25 anos de Ambev (ABEV3) e AB Inbev (BUD) que se juntou à Loft em junho.

Em abril deste ano, Pencz disse à Bloomberg Línea que, com as altas taxas de juros, a empresa observou uma desaceleração no mercado de crédito imobiliário desde o final de 2021.

PUBLICIDADE

No mesmo mês, o cofundador Kristian Huber disse também à Bloomberg Línea que, embora a empresa tenha governança e compliance alinhados para realizar um IPO (oferta inicial de ações), a Loft ainda poderia captar recursos com investidores privados e que não havia pressa para abrir o capital.

As empresas de tecnologia passam por dificuldades neste ano enquanto o mercado se afasta de ativos de risco com a alta do juro. Startups como Kavak, Clara e Clip tomaram dívidas por meio de linhas de crédito fornecidas por grandes bancos americanos, como alternativa para levantar capital sem reduzir o valuation. A contrapartida em geral é o custo dos empréstimos ou as garantias que precisam ser dadas.

Segundo a Lavca (Associação para Investimento em Capital Privado na América Latina), os investimentos em dívida de risco - venture debt - responderam por 13% do capital investido no primeiro semestre de 2022 nas startups da região.

No Brasil, um dos principais concorrentes da Loft é o QuintoAndar, que recebeu avaliação de US$ 5,1 bilhões em sua última rodada de investimentos em 2021. Além das duas startups brasileiras, as colombianas La Haus e Habi (mais novo unicórnio) e a chilena Houm são outras startups bancadas por venture capital que disputam terreno para digitalizar as transações imobiliárias na América Latina.

PUBLICIDADE

Leia também

Em busca de eficiência, Loft contrata veterano da AB Inbev para liderar operação

Por que o unicórnio dLocal desabou mais 50% após relatório que aposta na queda

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups