Mercados

Ações recuam na Ásia e descolam do clima de alívio dos futuros americanos

Altas nos EUA vêm depois da sessão regular americana fechar no vermelho, com a expectativa de aumento dos juros pelo Fed

Ações na Ásia apontam para uma abertura instável, já que os investidores pesam as correntes cruzadas
Por Andreea Papuc
26 de Julho, 2022 | 08:03 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Os futuros de ações dos Estados Unidos subiram depois que Alphabet (GOOGL), controladora do Google, trouxe ganhos resilientes, e a Microsoft (MSFT), uma perspectiva otimista, ajudando a aliviar a tensão dos mercados.

Os contratos do Nasdaq 100, de alta tecnologia, subiram cerca de 1,5%, enquanto os do S&P 500 tiveram alta de mais de 0,5%.

As altas dos futuros ocorreram depois da sessão regular americana fechar no vermelho, com a expectativa de um aumento da taxa de juros do Federal Reserve que está alimentando preocupações sobre uma economia global em rápida desaceleração.

As ações na Ásia apontam para uma abertura instável, já que os investidores pesam as correntes cruzadas. Os futuros no Japão, Austrália e Hong Kong apontam para baixo.

PUBLICIDADE

Os rendimentos do Tesouro e o dólar subiram na sessão de Wall Street às vésperas da alta de 75 pontos-base que os mercados esperam na quarta-feira. O petróleo pairava em torno de US$ 96 o barril e o bitcoin rondava os US$ 21.000 após um sell off nesta semana.

A expectativa sobre o Fed para combater as pressões de preços consolidaria um aumento combinado de 150 pontos-base em junho e julho - o aumento mais acentuado nas taxas desde os anos 1980, quando o então presidente Paul Volcker lutou com a inflação altíssima.

Uma onda de aperto monetário, os problemas de energia da Europa em meio à invasão russa da Ucrânia e do setor imobiliário da China e os desafios da covid estão entre os riscos que obscurecem as perspectivas globais.

Mas os balanços dos EUA até agora estão fornecendo uma nesga de esperança - mais de três quartos das empresas que relataram até agora superaram ou atingiram as expectativas de lucros.

PUBLICIDADE

“A inflação está prejudicando as empresas e a questão é se esses aumentos das taxas de juros vão fazer alguma coisa para aliviar a dor”, disse Nancy Davis, fundadora da Quadratic Capital Management, à Bloomberg Television.

Os dados mais recentes dos EUA mostraram que a confiança do consumidor caiu para o nível mais baixo desde fevereiro de 2021. Um indicador de vendas de novas casas caiu pela quinta vez este ano. O Fundo Monetário Internacional alertou que a economia mundial pode em breve estar à beira de uma recessão total.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Prévia da inflação tem menor patamar em 2 anos com alívio de combustíveis

Ibovespa cai com varejistas e aversão ao risco à espera de decisão do Fed

PUBLICIDADE