Tech

Microsoft: dólar forte pressiona vendas fora dos Estados Unidos

Companhia de Bill Gates decepcionou analistas com lucro abaixo do estimado em balanço do segundo trimestre

Alta do dólar, que reduz o valor das vendas no exterior, prejudicou a receita e o lucro da Microsoft no trimestre
Por Dina Bass
26 de Julho, 2022 | 06:33 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — A Microsoft (MSFT) relatou vendas e lucros trimestrais que ficaram aquém das projeções dos analistas, muito por conta do dólar mais forte. A queda na procura corporativa por serviços e software na nuvem com a crise macroeconômica também impactou os resultados da big tech.

A receita no quarto trimestre do ano fiscal, que terminou no dia 30 de junho, aumentou 12% para US$ 51,9 bilhões, disse a fabricante de software em comunicado nesta terça-feira (26).

As receitas líquidas subiram para US$ 16,7 bilhões, ou US$ 2,23 por ação. Em média, os analistas da Bloomberg estimavam as vendas em US$ 52,4 bilhões e US$ 2,29 por ação nos lucros, de acordo com pesquisa. O crescimento das receitas nos serviços em nuvem do Azure desacelerou para 40%, uma taxa observada de perto pelos analistas, que também não bateu as expectativas.

A alta do dólar, que reduz o valor das vendas no exterior, prejudicou a receita e o lucro no trimestre, levando a Microsoft a cortar suas previsões no início de junho. A empresa desacelerou as contratações em divisões como Azure, que vende serviços corporativos em nuvem, e Office, que fabrica software de produtividade.

PUBLICIDADE

As vendas gerais desaceleraram desde setembro de 2020, com as taxas de crescimento do Azure continuando a diminuir e o mercado mais amplo de computadores pessoais a caminho de um declínio anual.

A demanda desacelerou ainda mais nas últimas semanas do trimestre Microsoft, já que os clientes adiaram as compras em antecipação a uma possível recessão global, disse Derrick Wood, analista da Cowen.

“Após o Memorial Day, as coisas começaram a ficar mais lentas e começamos a ouvir um comportamento de compra mais cauteloso e ciclos de vendas mais longos”, disse Wood. Esses ventos contrários podem afetar a previsão da empresa ainda mais do que os resultados do atual trimestre, disse, e as taxas de câmbio ficaram ainda menos favoráveis desde que a Microsoft cortou as projeções no mês passado.

Analistas previram que a receita do Azure aumentaria 44%, de acordo com uma nota da Jefferies. No terceiro trimestre fiscal, a divisão registrou crescimento de 46%.

PUBLICIDADE

As ações da Microsoft caíram cerca de 1% nas negociações after-market em Nova York após a divulgação, depois de cair 2,7%, para US$ 251,90 no fechamento em Nova York. Enquanto as ações acumularam alta de 51% em 2021, o cenário mudou e o acúmulo de queda está em 25% até agora este ano em meio a uma derrota nas grandes ações de tecnologia.

A Microsoft reduziu em junho sua previsão de vendas e lucros para o trimestre, culpando o dólar mais forte por um impacto na receita de US$ 460 milhões.

No início deste mês, a Microsoft cortou menos de 1% de sua força de trabalho de 180.000 pessoas, afetando grupos como consultoria e soluções para clientes, mas disse que planeja terminar o ano fiscal atual com um aumento no número de funcionários.

A empresa também eliminou muitas vagas em aberto e diminuiu a contratação, inclusive em unidades que fabricam Azure, Windows, Office e software de segurança. Essas restrições de contratação continuarão no futuro próximo, disse a empresa na semana passada.

Apple (AAPL), Amazon (AMZN) e Google (GOOG) emitiram comunicados semelhantes de cautela nas contratações, e os acionistas estão examinando de perto os resultados do setor de tecnologia em busca de sinais de demanda fraca. As empresas de mídia social Twitter (TWTR) e Snap (SNAP) relataram vendas decepcionantes na semana passada.

As remessas de PCs caíram mais de 15% no trimestre, segundo a IDC, embora permaneçam acima dos níveis pré-pandemia. A Microsoft conseguiu aumentar a receita de software para PC enviando mais versões de versões corporativas com preços mais altos.

PUBLICIDADE

Leia também:

Mercado aguarda decisão do Fed sem sinais sobre próximos passos

PUBLICIDADE