Brasil

Petrobras anuncia redução de R$ 0,20 no litro da gasolina para distribuidoras

Petrolífera diz que medida, que entra em vigor nesta quarta-feira, se deve ao recuo dos preços do petróleo no mercado internacional

Gasolina
19 de Julho, 2022 | 03:08 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — A Petrobras (PETR3; PETR4) anunciou uma redução de R$ 0,20 no valor do litro da gasolina vendida para as distribuidoras nesta terça-feira (19). Com a medida, que entra em vigor a partir de amanhã (20), o preço médio de venda de gasolina da Petrobras para as distribuidoras passará de R$ 4,06 para R$ 3,86 por litro.

A redução acompanha a estabilidade dos preços internacionais da commodity, de acordo com a companhia, que ficaram abaixo da gasolina e “é coerente com a prática de preços da Petrobras, que busca o equilíbrio dos seus preços com o mercado global, mas sem o repasse para os preços internos da volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio”.

A parcela da Petrobras no preço ao consumidor passará de R$ 2,96, em média, para R$ 2,81 a cada litro vendido na bomba, acrescentou a estatal, considerando a mistura obrigatória de 73% de gasolina A e 27% de etanol anidro para a composição da gasolina comercializada nos postos.

Nas últimas semanas, o barril de petróleo tem registrado recuo devido às previsões de menor demanda sustentadas por apostas em uma recessão nos Estados Unidos diante do ciclo de alta dos juros. Os frequentes reajustes dos combustíveis no Brasil estão por trás da disparada dos índices de inflação e das críticas do presidente Jair Bolsonaro (PL) à política comercial da Petrobras.

PUBLICIDADE

O anúncio da redução do preço da gasolina já era esperado pelo mercado. Na última sexta-feira (15), em entrevista à Bloomberg Línea, o consultor Adriano Pires já falava que a tendência era de uma diminuição do preço do combustível, o que poderia trazer um elemento positivo para o discurso eleitoral do presidente em sua corrida pela reeleição.

“Bolsonaro está com sorte com essa queda do barril do petróleo no mercado internacional, mas o dólar pode atrapalhar se continuar em alta, evitando o fim da defasagem”, disse Pires, que chegou a ser indicado ao cargo de CEO da estatal, mas recusou o convite.

Repasse

Já o Procon-SP, fundação de defesa dos direitos dos consumidores, informou hoje ter notificado as distribuidoras Ipiranga Produtos de Petróleo, Raízen e Vibra Energia. Elas terão de explicar o impacto econômico que a redução dos tributos (Cide, PIS/Cofins e ICMS) teve no preço de venda aos revendedores (postos de combustíveis), impactando diretamente o consumidor.

“As empresas deverão informar quais foram os preços finais do etanol comum e da gasolina comum praticados dia a dia -- de 20 de junho a 25 de julho -- e encaminhar as notas fiscais de venda destes combustíveis”, detalhou nota do Procon-SP.

PUBLICIDADE

O órgão pediu ainda às empresas que demonstrem, neste mesmo período, quanto diminuíram o preço final do etanol comum e da gasolina comum em razão do corte dos tributos.

“As informações deverão ser prestadas de forma detalhada, por meio de planilha, apontando a cada dia os preços de venda e qual o valor em reais da redução aplicada”, acrescentou o Procon-SP.

Diesel

Apesar do alívio de R$ 0,20 no preço da gasolina, o diesel continua em trajetória de alta. Na primeira quinzena de julho, o preço do litro do diesel comum aumentou 5,39% nas bombas de abastecimento do país, se comparado ao fechamento de junho, e encerrou o período com o preço médio de R$ 7,82, informou a Ticket Log, marca de gestão de frota da Edenred Brasil. Já o tipo S-10, comercializado a R$ 7,93, aumentou 5,34% para os motoristas brasileiros.

Ao contrário da gasolina e do etanol, que apresentaram recuos de 10,22% e de 6,33%, respectivamente, nesses primeiros dias do mês, o diesel só aumentou. Nenhum estado ou região do país registrou redução no preço dos dois tipos, e sim, acréscimos de até 8,69%, a exemplo do tipo S-10 comercializado no Distrito Federal, de acordo com o último levantamento da Ticket Log”, comentou Douglas Pina, diretor da divisão de frota e mobilidade da Edenred Brasil, em nota.

(Atualiza às 15h20 com notas do Procon-SP e Ticket Log)

Leia também

Gestores reduzem projeções do Ibovespa e veem dólar mais forte no fim do ano

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE