Eleições 2022

Diferença entre Lula e Bolsonaro cai de 16 para 14 pontos em um mês

Presidente registrou maiores avanços entre eleitoras e eleitores do Nordeste, segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta

De acordo com o instituto, o presidente ainda pode ganhar terreno até a eleição, em 2 de outubro
06 de Julho, 2022 | 01:50 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — A a diferença entre as intenções de voto do ex-presidente Lula (PT) e do presidente Jair Bolsonaro (PL) caiu de 16 para 14 pontos em um mês. Segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada nesta quarta-feira (6), o petista está com 45% e o presidente, com 31%.

Do início do mês passado para cá, Lula caiu um ponto e Bolsonaro subiu um ponto. A variação está dentro da margem de erro da pesquisa, de dois pontos percentuais para mais ou para menos. Mas, de acordo com o instituto, o presidente ainda pode ganhar terreno até a eleição, marcada para o dia 2 de outubro.

Depois dos líderes, vêm os candidatos Ciro Gomes (PDT), com 6%, e Simone Tebet (MDB) e André Janones (Avante), empatados com 2%. A soma dos três chega a 10%. Com Bolsonaro, alcançam 41% das intenções de voto, ainda abaixo dos 45% de Lula. A Quaest, no entanto, diz que ainda não é possível prever uma vitória do petista no primeiro turno das eleições.

Segundo o instituto, a maior queda na diferença entre Bolsonaro e Lula aconteceu no Nordeste. Em junho, Bolsonaro tinha 15% das intenções de voto. Agora, tem 22%. Já Lula caiu de 68% para 59%.

PUBLICIDADE

O presidente também avançou sobre o eleitorado feminino. Cresceu de 22% para 27% em um mês. Lula caiu de 50% para 46%, segundo a pesquisa.

Os dados são importantes porque o Nordeste é uma região onde o PT e Lula são favoritos pelo menos desde a eleição de 2002, quando o petista foi eleito presidente pela primeira vez. A conquista do voto feminino também é importante para o presidente, pois as mulheres vêm sendo as grandes opositoras do governo e ainda apoiam majoritariamente Lula.

Houve queda brusca também na vantagem de Lula sobre Bolsonaro entre os eleitores que têm renda familiar entre dois e cinco salários mínimos. Lula tinha 16 pontos a mais que Bolsonaro em junho e em julho passou a ter 9 pontos, queda de 44%.

As rejeições, no entanto, continuam estáveis: Bolsonaro na casa dos 60% (59% em julho, 60% em junho) e Lula, na casa dos 40% (41% em julho, 40% em junho).

PUBLICIDADE

Para o CEO da Quaest, Felipe Nunes, a explicação para o avanço de Bolsonaro é que ele “conseguiu passar a impressão de que está tentando resolver os problemas do povo”, conforme disse no Twitter.

O percentual de eleitores que culpam o presidente pelo aumento dos preços dos combustíveis caiu de 28% para 25% do mês passado para cá. E 42% acreditam que ele está “fazendo o que pode” para impedir que os preços subam ainda mais. Já 52% discordam e acham que ele “não está fazendo o que pode”.

O presidente também parece ter sucesso na estratégia de dissolver as responsabilidades pelo aumento dos preços dos combustíveis. Em junho, 28% dos eleitores o culpavam pela alta. Em julho, a cifra passou a ser de 25%.

Já a Petrobras (PETR4; PETR3) foi responsabilizada por 16% dos entrevistados em junho. Neste mês, passou a ser apontada como culpada por 20%.

A economia, aliás, continua sendo a pauta das eleições deste ano. É o principal problema do país para 44% dos eleitores e 59% disseram que a situação econômica “influencia muito” o voto para presidente.

Cerca de 64% dos entrevistados acreditam que a situação econômica do país piorou no último ano, índice que vem crescendo desde maio, quando era 60%.

PUBLICIDADE

Felipe Nunes observa ainda que o eleitor está informado sobre os movimentos do governo na pauta econômica: 61% disseram que estão a par da tentativa de aumento do Auxílio Brasil, a versão bolsonarista do Bolsa Família, do governo Lula, de R$ 400 para R$ 600. E 54% sabem da saída do presidente da Petrobras.

Ao mesmo tempo, 54% disseram saber da prisão do ex-ministro da Educação Milton Ribeiro, acusado de corrupção para liberação de verbas para municípios, e das acusações de assédio sexual e moral contra o ex-presidente da Caixa Pedro Guimarães.

A pesquisa ouviu 2 mil pessoas em domicílio em 120 municípios entre os dias 29 de junho e 2 de julho. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos, e o índice de confiabilidade é de 95%. A pesquisa está registrada no TSE sob o número BR-01763/2022.

Leia também:

PUBLICIDADE

Lula se reúne com bilionários e banqueiros para discutir eleição

Cresce número de brasileiros que sentem não ter renda suficiente, aponta Datafolha

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE