Brasil

Cresce número de brasileiros que sentem não ter renda suficiente, aponta Datafolha

Seis em cada dez brasileiros acreditam que o dinheiro de suas famílias não é suficiente para pagar todas os seus custos, segundo pesquisa do Datafolha

Cresce número de brasileiros que sentem não ter renda suficiente, aponta Datafolha
26 de Junho, 2022 | 02:35 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — A proporção de brasileiros que sente não ter mais o mesmo poder de compra voltou a crescer. Seis em cada dez pessoas disseram ao Datafolha sentirem restrições financeiras em casa, segundo pesquisa divulgada neste domingo (26).

Do total de entrevistados, 37% disseram que o dinheiro da família não é suficiente e às vezes falta, e 26% disseram que o dinheiro é pouco e têm “dificuldades”. No total, 63% dos pesquisados informaram que as rendas de suas famílias não são suficientes. Há um ano, essa cifra era de 55%.

A pesquisa foi feita entre os dias 22 e 23 de junho e ouviu 2.556 pessoas. A margem de erro é de dois pontos, para mais ou para menos.

Segundo o Datafolha, é a primeira vez que a quantidade de brasileiros que sente queda no poder de compra sobe desde que a cifra atingiu o pico histórico, de 67%, em julho de 2016. Houve, portanto, uma reversão da percepção das pessoas sobre suas condições de vida.

PUBLICIDADE

O recorte da pesquisa por renda mostra que a situação das pessoas que ganham até dois salários mínimos é ainda pior. Nesse grupo, 42% disseram que o dinheiro da família não é suficiente e 39% disseram ter dificuldades.

Ao mesmo tempo, 32% dos entrevistados disseram que a renda de suas famílias é “exatamente o que eu preciso para sobreviver”. Há um ano, essa cifra era 39%.

Os dados são importantes para mostrar o contexto no qual estão inseridas as eleições deste ano.

Para 44% dos eleitores, a economia é o principal problema do país no momento, do quais 23% veem a inflação como o principal problema, segundo pesquisa Genial/Quaest divulgada no início deste mês.

PUBLICIDADE

A mesma pesquisa mostrou que 28% dos eleitores consideram o presidente Jair Bolsonaro (PL) o maior responsável pela inflação e 56% dos entrevistados disseram que a situação econômica do país “influencia muito” nos seus votos para presidente. Bolsonaro está em segundo em todas as pesquisas de intenção de voto divulgadas desde o início do ano passado, atrás do ex-presidente Lula (PT).

A pesquisa do Datafolha divulgada neste domingo mostrou que 63% dos brasileiros acreditam que a inflação vai aumentar. Em março, essa cifra era de 74%. Há um ano, 46%.

A inflação vem batendo recordes neste ano. Chegou a 12,13% no acumulado de 12 meses até abril, o maior índice desde 2003. Em maio, recuou para 11,73%, mas ainda nos níveis mais altos das últimas décadas.

Os combustíveis têm sido considerados os grandes vilões, depois dos seguidos aumentos de preços anunciados pela Petrobras — na semana passada, a estatal anunciou aumento de 5,18% no preço da gasolina e de 14,26% no preço do diesel. Mas a alta tem sido generalizada. Em maio, a inflação dos legumes foi de 69,9% no acumulado de 12 meses. A da conta de luz, de 20%.

E o número de pessoas que passam fome chegou a 33 milhões neste ano, o mesmo nível de 30 anos atrás, enquanto 58% das pessoas estão em situação de insegurança alimentar (não fazem todas as refeições por dia).

Já o valor médio da cesta básica chegou a R$ 663,29, cerca de 55% do salário mínimo. É o maior percentual desde 2004, segundo dados do Departamento Intersindical de Estudos Socieconômicos (Dieese).

PUBLICIDADE

São números que ajudam a explicar os últimos movimentos do governo Bolsonaro na área econômica.

Nas últimas semanas, o governo negociou com o Senado a aprovação de uma lei que limita em 17% o ICMS cobrado pelos estados sobre os combustíveis.

Bolsonaro queria ainda fazer com que os estados zerassem o ICMS. Para isso, enviou ao Congresso uma proposta de emenda à Constituição (PEC) que pretendia criar um programa de ressarcimento aos estados que deixassem de cobrar o imposto sobre os combustíveis.

A medida foi considerada ineficiente e inútil contra a alta dos combustíveis, que tem sido causada por outras questões além da carga tributária — especialmente a política de preços da Petrobras, que acompanha as variações do mercado internacional, atingido pelos efeitos da invasão da Ucrânia pela Rússia.

PUBLICIDADE

Mas agora os planos mudaram. O governo agora quer aumentar ainda mais o valor do Auxílio Brasil, versão bolsonarista do Bolsa Família, hoje em R$ 400. A ideia é elevar o benefício para R$ 600, além de criar um vale de R$ 1 mil para caminhoneiros autônomos e um auxílio para compra de gás de cozinha. O custo total dessas medidas seria de R$ 30 bilhões, segundo o Ministério da Economia.

Leia também:

Inflação: prévia de junho desacelera em 12 meses, mas segue acima de 12%

Alimentos e gasolina levam IPCA à maior alta em quase 30 anos

Pedro Canário

Pedro Canário

Repórter de Política da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero em 2009, tem ampla experiência com temas ligados a Direito e Justiça. Foi repórter, editor, correspondente em Brasília e chefe de redação do site Consultor Jurídico (ConJur) e repórter de Supremo Tribunal Federal do site O Antagonista.

PUBLICIDADE