PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Brasil

Como a inflação se tornou o maior adversário eleitoral de Bolsonaro

O maior aumento de preços em duas décadas faz a economia se tornar o principal fator de decisão do voto e deixa temas como corrupção em segundo plano

Consumidoras em feira na cidade do Rio de Janeiro: os preços de legumes subiram 70% nos últimos 12 meses no país
18 de Junho, 2022 | 08:05 am
Tempo de leitura: 10 minutos

Bloomberg Línea — No fim de 2021, os estrategistas eleitorais do presidente Jair Bolsonaro viam a vantagem de Lula nas pesquisas como um fenômeno que poderia ser combatido com pragmatismo. O primeiro passo foi a criação do Auxílio Brasil de R$ 400 por família (mais do que o valor médio de R$ 191 do Bolsa Família, identificado com o PT). A outra aposta – vocalizada sobretudo pelo ministro Paulo Guedes – seria a recuperação da economia após um longo inverno de pandemia, que faria a aprovação do presidente crescer em diferentes estratos do eleitorado e ultrapassar o petista em intenções de voto já em maio ou junho.

PUBLICIDADE

As pesquisas do mês de abril pareciam dar razão aos experts do Centrão, como Ciro Nogueira (ministro da Casa Civil) e Arthur Lira (presidente da Câmara dos Deputados), com a queda da taxa de rejeição a Bolsonaro e o presidente atingindo a marca de 30 pontos percentuais – ou próximo disso – em diferentes levantamentos. Mas um lote de dados econômicos ruins começou a se acumular e a recuperação eleitoral do presidente empacou. O país já está há nove meses com a inflação acima dos dois dígitos, até ter atingido o pico até agora em abril 12,13% (no acumulado de 12 meses), o mais alto desde novembro de 2003.

Mesmo com o recuo em maio (para 11,73%), o IPCA continua em um nível que supera o restante da série histórica em quase duas décadas. Em muitos casos, os aumentos são superiores. Os preços de legumes e raízes aumentaram 69,90% em 12 meses; o de leites e derivados, 18,07%; o da conta de luz, 20,52%. O número de pessoas que passam fome no Brasil subiu para 33 milhões – patamar de 30 anos atrás – e, hoje, mais da metade da população do país (58,7%) está em insegurança alimentar (condição de quem enfrenta dificuldades para conseguir comer todos os dias).

PUBLICIDADE

O inflação mais alta em duas décadas, que a cúpula do governo e o próprio Banco Central avaliavam que começaria a ceder nesta época do ano, não dá sinais inequívocos de trégua. Isso se reflete na deterioração das expectativas de mercado. Economistas e analistas consultados regularmente pelo BC para o Boletim Focus agora esperam, segundo a mediana das projeções, uma inflação de 8,89% para o fim de 2022, acima dos 7,89% de 29 de abril; e de 4,39% para 2023 (contra 4,10% no final de abril). Em teoria, a meta de inflação perseguida pelo Banco Central é de 3,50% em 2022 e 3,25% em 2023.

No mundo real, é uma realidade sentida por brasileiros de todos os estratos. Um dos exemplos mais eloquentes é que encher o tanque de um carro popular (com 55 litros) consome hoje um terço do salário mínimo em São Paulo - e isso antes do novo reajuste que começa a vigorar neste sábado (18). É a maior fatia da renda mensal consumida entre as maiores economias das Américas, segundo levantamento da Bloomberg. No México, encher o tanque exige gastar o equivalente a 24% do salário; na Argentina, 18%. E nos Estados Unidos, que enfrentam a maior inflação em 40 anos, a fatia é de 6%.

Quando Bolsonaro assumiu a Presidência da República, em 2019, uma cesta de 35 produtos básicos custava R$ 465 (o equivalente a 46,6% do salário mínimo de R$ 998 na época. Atualmente, a mesma cesta básica exige o desembolso de R$ 758 (ou 62,6% do salário mínimo corrente de R$ 1.212).

Cozinhar os alimentos da cesta também ficou mais caro: o botijão de gás, que custava R$ 69 em 2019, hoje está sendo vendido a R$ 150 em algumas capitais do país.

“É A ECONOMIA, ESTÚPIDO”: O diretor-executivo da Eurasia para as Américas, Christopher Garman, costuma recuperar a antológica frase do marqueteiro da vitória de Bill Clinton sobre George Bush na eleição presidencial dos Estados Unidos em 1992 – “É a economia, estúpido!” – nas conversas com os clientes da consultoria de análise de risco para ilustrar como o humor do eleitor de hoje, 30 anos depois, está se movendo em diferentes países do mundo. A tirada do estrategista James Carville se tornou célebre porque explica a vitória do democrata sobre um então presidente que acabou derrotado na busca pela reeleição, mesmo tendo alcançado 90% de aprovação no ano anterior após a invasão do Iraque.

PUBLICIDADE

“É tudo sobre economia nas eleições de agora. A inflação é o calcanhar de Aquiles de todos os países agora e isso tem um peso muito forte no comportamento dos eleitores em diferentes países. A vitória do Macron na França foi uma exceção porque lá a Guerra da Ucrânia teve um peso muito forte”, diz Garman.

No modelo de análise da Eurasia, considerada a consultoria de risco mais prestigiosa do mundo, Lula tem hoje 70% de chance de vencer a eleição de outubro. Isso se dá, segundo o analista, porque as preocupações do eleitor brasileiro hoje são substancialmente distintas das que levaram o então deputado Jair Bolsonaro à vitória em 2018. A economia, a perda do poder de compra e o desemprego são o principal drive para a escolha de um candidato. Temas como corrupção – que tiveram forte peso quatro anos atrás sob impacto direto das descobertas da Operação Lava Jato – foram rebaixados no ideário e hoje menos de 10% dos eleitores diz decidir o voto por esse fator.

Garman diz que esse cenário beneficia Lula, um político tradicionalmente forte no quesito economia porque seu governo (2003-2010) foi marcado por crescimento econômico, expansão da renda e ascensão da classe C, que representa a maior parte da população, durante um ciclo positivo de commodities. Ou seja, Lula tem um recall positivo nesse campo para grande parte do eleitorado.

“Bolsonaro precisa atacar a inflação ou pelo menos se colocar como o candidato que está tentando reduzir a inflação – esse é o sentido de tantas medidas adotadas ultimamente [como a tentativa de reduzir o preço dos combustíveis via redução de impostos, nem que seja na Justiça]. Além disso, ele também precisa atacar o Lula com uma campanha negativa para ter chance real”, pondera Garman.

“É provável que a diferença entre Lula e Bolsonaro nas pesquisas caia se essas medidas funcionarem, mas, olhando o tamanho do buraco da economia, não sei se ele vai ter tempo suficiente para reverter essa situação antes da eleição.”

Na visão do diretor-executivo da Eurasia para as Américas, Lula tem seguido à risca o manual de candidato de oposição para uma situação de alta incerteza econômica; isto é, tem sido eficiente em “jogar a culpa por todas as dores sociais e econômicas da população em Bolsonaro”.

PUBLICIDADE

“É O SOCIAL, ESTÚPIDO”: A ampliação das pressões inflacionárias, de bens como carros e custos como alimentos, turva o cenário eleitoral. Para o consultor em pesquisas eleitorais Alessandro Janoni, a situação econômica reflete a percepção de bem-estar social, que forma a decisão do voto.

Segundo o especialista, que é ex-diretor do Datafolha (um dos principais institutos de pesquisa do país), uma parte do quadro delineado pelas pesquisas começou a se formar ainda durante a pandemia, que atingiu de maneiras distintas estratos da chamada população economicamente ativa (brasileiros com idade para trabalhar). Os mais pobres e sem vínculo formal de trabalho foram os mais atingidos e o número de pessoas ganhando até dois salários mínimos teve uma explosão no segundo trimestre de 2020, chegando a representar 60% da população – contra 45% no governo Temer e 40% no final do governo Dilma.

“O auxílio emergencial de R$ 600 [pago a partir de meados de 2020] provocou uma mudança temporária na base de apoio do presidente. Uma parte das pessoas com ensino superior se afastou por causa de declarações negacionistas e foi substituída por beneficiários do auxílio. Hoje, essa equação mudou de novo porque o atual Auxílio Brasil paga menos e a uma parcela bem menor da população”, explica Janoni.

Hoje, o contingente dos brasileiros que ganham até dois salários mínimos equivale a 52% da população e uma parte deles não se enquadra nos critérios para que possa se beneficiar do programa.

PUBLICIDADE

“Houve queda da renda nos últimos anos e há cada vez mais gente ganhando menos. E nesse contingente a inflação corrói mais o poder de compra. É o estrato em que o Lula tem a maior vantagem sobre o Bolsonaro”, diz Janoni, explicando por que, mesmo pagando mais que o Bolsa Família, o Auxílio Brasil (com 18 milhões de beneficiários) não conseguiu galvanizar uma base de apoio sólida ao presidente.

Conforme a última pesquisa do Datafolha, publicada no fim de maio, Lula vence Bolsonaro por 56% a 20% entre os eleitores com renda até dois salários mínimos. No quadro do primeiro turno com a população em geral, o petista apareceu com 48% contra 27% do presidente, segundo o instituto.

“A frase ‘é a economia, estúpido!’ é muito boa, mas aqui não explica tudo. Aqui seria mais adequado dizer ‘é o social, estúpido!’”, afirma Janoni.

MARGEM DE MANOBRA ESTREITA: A inflação atual não é um problema particular do brasileiro. Nos Estados Unidos, a inflação de maio atingiu 8,6% na taxa anualizada, a mais alta desde 1981, quando o país ainda enfrentava a rebarba do segundo choque do petróleo (1979). No Reino Unido, a taxa no acumulado de 12 meses chegou a 9% em abril, enquanto na zona do euro, o índice de preços é o maior da história, em 8,1%. Há pressões inflacionárias mesmo em países onde os preços ao consumidor estavam sob controle há décadas. No Japão, tradicionalmente às voltas com deflação, a inflação chegou a inéditos 2,1%.

PUBLICIDADE

“Há alguns fatores que explicam a inflação de hoje, como a alta global dos preços dos combustíveis, com estoques que ficaram muito baixos e uma produção que ainda não voltou aos patamares anteriores. O conflito na Ucrânia só agrava essa situação”, analisa Otto Nogami, professor do Insper, uma das principais escolas de negócios em São Paulo.

“Outro fator estrutural é o desarranjo das cadeias produtivas globais com a pandemia e, por último, um represamento da demanda durante a pandemia.”

A inflação global e a maneira como o Fed vai reagir a isso também ajudam a tornar mais incerta a perspectiva dos ativos no Brasil, de acordo com o professor. A maioria dos investidores espera que o Fed promova aumentos de 0,75 ponto percentual nos juros nas reuniões de julho e setembro, repetindo assim a decisão da última quarta-feira, que levou a taxa para o intervalo entre 1,50% e 1,75%. A última vez que o Fed apresentou um aperto tão grande da taxa foi em 1994, sob o comando de Alan Greenspan.

Com a perspectiva global de arrocho via juros, os mercados se contorceram. O S&P 500, o principal índice de ações de Wall Street, caiu 8,5% desde que os últimos dados de inflação americana foram divulgados, há uma semana. Em alguns ativos de risco mais alto, a venda geral foi ainda mais acentuada. O preço do Bitcoin desabou cerca de 33%. Aqui, o Ibovespa perdeu quase 7% e o dólar escalou 5%.

PUBLICIDADE

À medida que os Estados Unidos e a Europa subirem mais os juros nos próximos meses, diz Nogami, parte do capital alocado no Brasil tende a voltar aos mercados desenvolvidos em busca de ativos com riscos mais baixos e retornos mais atrativos em moeda forte. Por aqui o resultado será deterioração adicional dos preços dos ativos e desvalorização da moeda.

A espiral ascendente nos preços tem sido o suficiente para provocar uma postura ainda mais rigorosa do Banco Central, que subiu os juros de 12,75% para 13,25% ao ano na última quarta (15) e deixou sinalizado uma nova alta na reunião do começo de agosto, surpreendendo uma parte do mercado. A expectativa dos economistas no Focus era a de uma Selic de 13,25% no fim do ano (mesma mediana de um mês atrás) e de 9,75% para em 2023 (antes era de 9,25%). A questão é que isso pode não ser o suficiente.

“Além da questão global, nós temos um pedaço da inflação que é só nosso. Grande parte da indústria brasileira depende de importação e, com perspectiva de alta do dólar, haverá repasse aos consumidores de componentes que ficarão mais caros”, prevê o economista do Insper.

Nogami é cético quanto às chances de sucesso de contenção da inflação por meio da intervenção do governo Bolsonaro para reduzir, a toque de caixa, impostos estaduais e federais dos combustíveis. “Qualquer intervenção do governo na formação de preços de um setor cria distorções. Já vimos isso no governo Dilma, quando a Petrobras quase quebrou porque segurou os preços da gasolina e do diesel artificialmente para tentar controlar a inflação ou quando quebrou grande parte do setor elétrico reduzindo o preço da energia na marra com uma medida provisória”, relembra o professor.

PUBLICIDADE

Leia também:

Oito em cada dez eleitores de Lula e Bolsonaro já estão decididos, diz pesquisa

Por que uma parte do PIB virou as costas à candidatura de Bolsonaro

Graciliano Rocha

Graciliano Rocha

Editor da Bloomberg Línea no Brasil. Jornalista formado pela UFMS. Foi correspondente internacional (2012-2015), cobriu Operação Lava Jato e foi um dos vencedores do Prêmio Petrobras de Jornalismo em 2018. É autor do livro "Irmã Dulce, a Santa dos Pobres" (Planeta), que figurou nas principais listas de best-sellers em 2019.