PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Petrobras afunda 7,3% e puxa Ibovespa, que fecha abaixo dos 100 mil pontos

After Hours: principal índice da Bolsa caiu para o menor patamar desde novembro de 2020; na semana, baixa foi de 5,4%

After hours: mercados fecharam em alta impusionados pela decisão do Fed sobre os juros e as novas sinalizações
17 de Junho, 2022 | 05:20 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Na contramão de Wall Street, o Ibovespa (IBOV) encerrou o pregão desta sexta-feira (17) em queda de 2,90%, perdendo o patamar dos 100 mil pontos que mantinha desde novembro de 2020. Na semana, o principal índice de renda variável da Bolsa brasileira caiu 5,36%.

Entre as maiores baixas do dia estiveram os papéis da Petrobras (PETR3; PETR4), que caíram mais de 10% ao longo da sessão, mas amenizaram as perdas e fecharam em baixa de 7,25% (ON) e 6,09% (PN). A companhia anunciou nesta sexta um novo aumento no preço da gasolina e do diesel. Segundo a petroleira, o reajuste será de 5,2% na gasolina e de 14,2% no diesel e visa paridade com o mercado global.

Com a queda do minério de ferro pelo sétimo dia consecutivo, as ações da mineradora Vale (VALE3) também caíram forte: 5,22%, a R$ 77,41, assim como as de empresas de siderurgia, como Metalúrgica Gerdau (GOAU4) e Gerdau (GGBR4), que recuaram 8,51% e 7,89%, respectivamente.

Os preços do minério de ferro voltaram a níveis vistos pela última vez em janeiro, à medida que a política “zero covid” da China gera preocupações de que as interrupções na atividade industrial durem meses. Os contratos futuros da matéria-prima siderúrgica em Singapura caíram quase 7% nesta sexta-feira e ficaram abaixo de US$ 120 a tonelada pela primeira vez este ano. Na semana, o tombo foi de quase 15%, o maior declínio em nove meses.

PUBLICIDADE

O sentimento de maior aversão ao risco na Bolsa brasileira acontece após o sell-off visto no exterior na quinta, dia em que a B3 estava fechada por causa do feriado de Corpus Christi. A baixa nos mercados veio depois que o Federal Reserve fez um aumento agressivo nos juros dos Estados Unidos para tentar conter a inflação.

Confira como fecharam os mercados nesta sexta-feira (17):

Em Wall Street, as ações subiram no S&P 500 e na Nasdaq, com investidores analisando comentários de autoridades do Federal Reserve reiterando que o banco central precisa fazer mais apertos para conter a inflação mais alta em 40 anos.

Os mercados encerraram uma semana atingidos por aumentos nas taxas de juros, incluindo o maior movimento do Federal Reserve desde 1994, um aumento do Banco Nacional da Suíça e a mais recente elevação nos custos de empréstimos do Reino Unido. Os aumentos das taxas de juros no mundo estão drenando a liquidez e provocando perdas em uma série de ativos. Os traders ainda estão avaliando o caminho que a autoridade monetária dos EUA pode tomar e o impacto que isso teria na economia.

PUBLICIDADE

-- Com informações da Bloomberg News

Leia também:

Como ficam os investimentos com juros em alta no Brasil e no mundo?

Mariana d'Ávila

Mariana d'Ávila

Redatora na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.