Negócios

Por que o Itaú decidiu demitir quase 300 funcionários na Colômbia?

Banco afirma que profissionais recusaram acordo e que medidas fortalecem presença no país com foco na digitalização do cliente

Banco brasileiro afirmou que necessidade hoje passa por áreas como big data e inteligência artificial, ao comentar cortes na Colômbia
15 de Junho, 2022 | 08:15 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — O Itaú (ITUB4), que chegou à Colômbia após concluir sua fusão com a CorpBanca (ITAUCORP), prepara a demissão de 288 pessoas no país e já apresentou o pedido ao Ministério do Trabalho visando adiantar um processo de transformação.

O banco informou que, antes da decisão, apresentou a um grupo de funcionários um acordo de demissão por meio de um plano de aposentadoria mutuamente acordado, “que assegurava condições que excediam significativamente o que é estabelecido por lei”.

“Algumas pessoas não aceitaram a proposta e, portanto, é dever da entidade estruturar as opções que estão ao seu alcance, nos termos da legislação colombiana, para continuar adiantando a transformação.”

Segundo a instituição financeira, a decisão visa “fortalecer a presença estratégica do Itaú e colocar o cliente no centro de todas as ações; estas são as prioridades na consolidação da instituição no país”.

PUBLICIDADE

O Itaú comentou que a decisão faz parte desse processo de transformação e foi tomada após uma análise rigorosa de diferentes variáveis.

“Hoje precisamos de uma organização com novos perfis e disciplinas exigidas pelo setor, como especialistas em big data, inteligência artificial, gestão de informações, entre outros. Estas são nossas necessidades.”

Segundo o banco, atualmente mais de 54% dos clientes do banco na Colômbia são digitalizados. O Itaú projeta que, até 2023, 95% dos clientes estarão utilizando serviços e produtos digitais.

Nesse sentido, o banco adiantou que acrescentará em seu quadro de funcionários da Colômbia cerca de 200 novos colaboradores “com as habilidades necessárias para enfrentar os desafios estabelecidos pelo mercado”.

PUBLICIDADE

“Estas ações ajudaram a consolidar o objetivo do Itaú de fortalecer sua presença na Colômbia, com a certeza de que as decisões contribuirão para a consolidação da empresa”, acrescentou.

Em janeiro deste ano, os bancos com maior participação no país eram:

  1. Bancolombia (BCOLO), com 26,5% (lucro líquido de US$ 253,025 milhões em janeiro)
  2. Davivienda (PFDAVVND), com 16,5% (US$ 110,824 milhões)
  3. Banco de Bogotá (BOGOTA), com 11,8% (US$ 306,773 milhões)
  4. BBVA (BBVACOL), com 10,6% (US$ 103,302 milhões)
  5. Banco de Occidente, com 6,2% (US$ 64,190 milhões).

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Leia também

Presidente do Itaú: Alta de juros favorece bancos tradicionais

O que o fechamento das lojas da Forever 21 no Brasil diz sobre o varejo no país

Daniel Salazar

Daniel Salazar Castellanos (BR)

Profissional de comunicação e jornalista com ênfase em economia e finanças. Participou do programa de jornalismo econômico da agência Efe, da Universidad Externado, do Banco Santander e da Universia. Ex-editor de negócios da Revista Dinero e da Mesa América da Efe.