Coldplay lança app que estimula fãs a reduzirem emissões de carbono

Para ampliar viés sustentável da nova turnê, banda tem instalado painéis solares nos shows e até viajado em jatos movidos a biocombustível

Banda fará seis shows apenas em São Paulo em outubro deste ano
Por Todd Woody
11 de Junho, 2022 | 02:03 PM

Bloomberg — A banda britânica Coldplay, que confirmou nada menos do que seis shows em São Paulo em outubro deste ano, está tentando incentivar seus fãs a pensarem no meio ambiente com um aplicativo que os recompensa por se locomover via transportes de baixa emissão de carbono para seus shows durante a atual turnê mundial.

Na primeira etapa da turnê de 2022, um total de 80 mil downloads do aplicativo para smartphone foram feitos, segundo o Coldplay, e a banda diz que as emissões estimadas na locomoção de fãs caíram quase 50% em comparação com seus shows de 2016-2017. Uma análise desses números, contudo, mostra os limites do uso de aplicativos motivacionais como esse para calcular as emissões de carbono.

O Coldplay afirma que pretende tornar sua turnê “Music of the Spheres” a mais sustentável possível. Para isso, a banda está fazendo de tudo, desde instalar painéis solares em locais de shows até viajar em jatos movidos a biocombustível e veículos elétricos.

O problema é que grande parte da pegada de carbono de uma turnê global é feita pelas dezenas de milhares de fãs que viajam para ver a banda. O aplicativo desenvolvido pela SAP SE mostra aos fãs suas emissões estimadas de carbono para o caminho de ida e volta a um show por meio das opções carro, trem, avião, bicicleta e outros meios de transporte. Os espectadores são então incentivados a escolher um modo de viagem ecológica e aqueles que o fizerem receberão um código de 10% de desconto em mercadorias do Coldplay.

PUBLICIDADE

Os dados de transporte coletados pelo aplicativo são usados para calcular a pegada de carbono do público. “Nos comprometemos a reduzir todas essas emissões por meio de soluções baseadas na natureza, como renaturalização e conservação”, diz a banda em seu site da turnê, afirmando que também planeja plantar ao menos uma árvore para cada ingresso vendido.

“Geralmente, esses pequenos incentivos tendem a ter um efeito pequeno”, disse Seth Wynes, pós-doutorando da Concordia University, em Montreal, no Canadá, que pesquisa o comportamento do consumidor e as mudanças climáticas. “O transporte tende a ser guiado por hábitos. Eu esperaria que algumas pessoas mudassem de ideia sobre como se locomovem para um show – mas não muitas.”

LEIA +
Como funciona o mercado de carbono no Brasil e por que você precisa saber disso

Ele também observou que nada impediria os fãs de se comprometerem a usar o trem, por exemplo, para que eles pudessem receber um desconto nos brindes do Coldplay e, no dia do show, irem de SUV para o local, o que distorceria os cálculos de carbono da banda.

PUBLICIDADE

O vice-presidente sênior da SAP, Ferose VR, disse que “isso é sempre uma possibilidade”, mas observou que “nosso objetivo era criar conscientização, fornecendo cutucadas muito gentis”.

“Se você pode mudar a mentalidade de uma pessoa, esse é um bom ponto de partida”, acrescentou ele. “Às vezes não percebemos que quando uma banda como o Coldplay faz isso e a atitude se multiplica por centenas de milhares de fãs, pode ter um efeito significativo”.

Como funciona o app?

O cálculo da pegada de carbono dos fãs é baseado em “fatores de conversão” britânicos que convertem as emissões de vários tipos de transporte em estimativas de libras de dióxido de carbono (CO₂) emitidas por pessoa. Mas tais fatores de conversão variam para o transporte em outras partes do mundo onde o Coldplay está em turnê, como os Estados Unidos e a América Latina.

“Fizemos um cálculo aproximado, mas acho que é uma aproximação razoavelmente boa”, disse VR. “Temos que estimar os dados para todos os espectadores que vêm a um estádio. Por isso, não chegamos a dados muito precisos para todo mundo.”

As emissões de 2022 são baseadas em dados coletados pelo aplicativo, que não existiam para a turnê de 2016-2017. As emissões desses shows são estimativas baseadas em “pesquisas pós-evento, informações de ingressos, locais e promotores em cada área que a turnê anterior visitou”, de acordo com um comunicado fornecido pela administração da banda à Bloomberg Green.

“A distância total percorrida pelos fãs em cada meio de transporte foi então avaliada e fatores de conversão de emissão de carbono reconhecidos internacionalmente foram usados para estimar a pegada de carbono resultante.”

Nos shows, o Coldplay tem tocado sua música de sucesso “The Scientist”, com o vocalista Chris Martin cantando, “I was just guessing at numbers and figures”, ou “Eu estava apenas adivinhando números e estimativas”, em tradução livre. O cálculo da banda de que as emissões de carbono dos fãs na primeira parte da atual turnê caíram quase pela metade em relação às apresentadas na de 2016-2017 não é um palpite. Mas é enganosa, já que dados e metodologias diferentes foram usados para calcular a pegada de carbono de cada turnê.

PUBLICIDADE

Ainda assim, Wynes aplaudiu os esforços do Coldplay para reduzir o impacto climático de seus shows e aumentar a conscientização dos fãs sobre suas opções de transporte. “A atitude pode mostrar que os membros da banda, que muitas pessoas idolatram, se importam com a causa e sinalizar que pode ser algo que os fãs também devem se preocupar”, disse.

-- Esta notícia foi traduzida por Mariana d’Ávila, Content Producer da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também: