Negócios

Musk diz que precisa cortar 10% dos funcionários da Tesla e cita economia

Intenção consta de e-mail interno, segundo a Reuters, do CEO da empresa de carros elétricos a executivos, um dia depois de ultimato para volta aos escritórios

Elon Musk havia dado ultimato a funcionários da Tesla na última quarta-feira (1) para que retornassem aos escritórios para trabalhar
Por Katrina Nicholas
03 de Junho, 2022 | 07:07 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — O CEO da Tesla (TSLA), Elon Musk, disse que a empresa líder em carros elétricos no mundo precisa cortar cerca de 10% do seu quadro de funcionários, de acordo com um e-mail interno visto pela Reuters. Ele comenta na mensagem que tem uma “sensação muito ruim” sobre a economia.

O e-mail, cujo título é “Pausa para todas as contratações no mundo”, foi enviado aos executivos da Tesla na quinta-feira (2). Representantes da Tesla não responderam imediatamente a um e-mail da Bloomberg com um pedido de comentários nesta manhã de sexta-feira (3).

A Tesla, que possui fábricas de veículos elétricos nos Estados Unidos, na China e na Alemanha, emprega cerca de 99.300 funcionários em todo o mundo. Isso significa que eliminar 10% dos empregos pode equivaler a perdas de cerca de 10.000 pessoas.

A notícia chega em um momento tumultuado para Musk e a montadora que ele tornou uma referência em veículos elétricos. As ações da Tesla caíram 32% desde o início de abril, período em que o homem mais rico do mundo fechou um acordo bilionário - que agora parece estagnado - para adquirir o Twitter (TWTR), o que pode exigir que ele venda parte de sua fatia na montadora para ter dinheiro para pagar o negócio. As perspectivas para a economia americana também pioraram desde então, derrubando os mercados.

PUBLICIDADE

Preocupações crescentes sobre a economia americana, a maior do mundo, e a global e o impacto do bloqueio do Covid-19 na China em Xangai, onde a Tesla tem uma fábrica, também pesaram na empresa, que havia resistido à escassez mundial de componentes como chips melhor do que a maioria.

Nesta semana, os presidentes de dois dos maiores bancos de Wall Street, Jamie Dimon, do JPMorgan, e John Waldron, do Goldman Sachs, usaram palavras fortes para alertar investidores. Dimon disse que, apesar da aparente calmaria no momento, há um “furacão” econômico se aproximando.

Musk também se juntou ao debate acalorado sobre o retorno aos escritórios nesta semana, pedindo aos funcionários da Tesla que voltem para suas mesas ou encontrem trabalho em outro lugar.

“Quanto mais sênior você é, mais visível deve ser sua presença”, escreveu Musk, acrescentando que os funcionários “devem passar um mínimo de 40 horas no escritório por semana”.

PUBLICIDADE

“É por isso que eu morava tanto na fábrica – para que aqueles na linha pudessem me ver trabalhando ao lado deles. Se eu não tivesse feito isso, a Tesla já teria falido há muito tempo.”

A empresa com sede em Austin, no estado americano do Texas, cortou sua força de trabalho em 7% – ou mais de 3.000 empregos – no início de 2019, alertando na ocasião que o “caminho à frente é muito difícil” para tornar os carros elétricos mais acessíveis para o mercado de massa.

Leia também:

Exclusivo: CEOs das teles, alunos tech e coca zero. Os bastidores de Musk no Brasil

Musk diz que Twitter deve provar número de bots para seguir com acordo

PUBLICIDADE