Fundo do café da manhã traz oportunidade de ganhos com inflação dos alimentos

Ativo rastreia um índice centrado em café, suco de laranja, açúcar, trigo e outras commodities consumidas na primeira refeição do dia

Por causa do aumento dos preços dos alimentos, fundo é uma oportunidade para os investidores diversificarem seus portfólios para commodities
Por Vildana Hajric e Emily Graffeo
01 de Junho, 2022 | 11:38 AM

Bloomberg — O primeiro fundo negociado em bolsa focado em alimentos do café da manhã foi lançado nos Estados Unidos em meio à disparada dos preços das commodities.

O Direxion Breakfast Commodities Strategy ETF, que rastreia um índice centrado em café, suco de laranja, açúcar, trigo e outras commodities consumidas na primeira refeição do dia, está sendo lançado em um ambiente de alta inflação, com os preços dos alimentos subindo para novas máximas em meio à guerra na Ucrânia, um importante exportador agrícola.

“Os investidores estão subexpostos a ativos sensíveis à inflação, particularmente commodities”, disse David Mazza, diretor da Direxion, em entrevista. “A ideia com os produtos do café da manhã é que estes são essencialmente alimentos básicos que todos os lares americanos e provavelmente muitos no mundo ocidental consomem.”

LEIA +
Novo ETF trará futuros do café da manhã

As carteiras de ações e títulos decepcionaram os investidores até agora este ano, disse Mazza. Ambas as classes de ativos vacilaram quando o Federal Reserve aumentou as taxas de juros, enquanto as commodities se destacaram. A energia é o setor com melhor desempenho no S&P 500, superando o segundo melhor grupo em 40 pontos percentuais.

PUBLICIDADE

O índice que o novo fundo acompanha registrava alta no ano de 28% em 29 de abril, de acordo com o site do S&P Dow Jones Indexes. Em comparação, o S&P 500 perdeu cerca de um quinto de seu valor nesse mesmo período.

“Estamos em um ambiente muito desafiador para portfólios tradicionais”, disse Mazza. “Por causa do aumento dos preços dos alimentos, é uma oportunidade para os investidores diversificarem seus portfólios para commodities.”

Os preços dos alimentos já estavam subindo antes da invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro, mas a guerra e as subsequentes sanções impostas à Rússia levaram a uma disparada nos preços, agravando a crise alimentar mundial. Os preços subiram quase 19% em 2022, com base na última leitura de um índice de alimentos das Nações Unidas.

PUBLICIDADE

Em meio a uma inflação persistente e um Fed empenhado em desacelerar o crescimento, economistas alertaram que os EUA podem entrar em recessão em breve. Mazza disse que o fundo focado no café da manhã se beneficiaria de uma desaceleração porque muitos de seus componentes têm um “quadro de demanda estável”.

“Estamos em um ambiente em que, mesmo que continue a haver um recuo nos gastos do consumidor, essas commodities em particular terão suporte porque são mais essenciais nas dietas”, disse.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Eletrobras: oferta da década prevê R$ 30 bi, uso do FGTS e lockup. Saiba mais