Saúde

Varíola dos macacos provavelmente se espalha entre pessoas por contato íntimo

Embora o risco para o público em geral seja baixo, profissionais de saúde estão sendo alertados para monitorar possíveis casos

Compartilhar roupas de cama, roupas ou escova de dentes com uma pessoa infectada criaria um risco maior, disseram as autoridades
Por Fiona Rutherford
22 de Maio, 2022 | 05:23 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A varíola dos macacos provavelmente está sendo transmitida de pessoa para pessoa por contato próximo, íntimo ou sexual com alguém que tenha uma erupção cutânea ativa, disseram autoridades de saúde dos Estados Unidos.

O único caso norte-americano do vírus, geralmente contraído de animais infectados, não tem ligação conhecida com a África, onde a doença é mais comumente encontrada, disseram as autoridades, que falaram sem serem identificadas como condição para participar de uma teleconferência. Embora o risco para o público em geral seja baixo, os profissionais de saúde estão sendo alertados para monitorar possíveis casos e usar equipamentos de proteção quando necessário, disseram eles.

Ao contrário do vírus da covid-19, que se espalha pelo ar e por gotículas respiratórias, a disseminação da varíola dos macacos requer um contato muito mais próximo. Compartilhar roupas de cama, roupas ou escova de dentes com uma pessoa infectada criaria um risco maior, disseram as autoridades.

Casos novos e suspeitos de varíola dos macacos têm surgido na Europa e na América do Norte nos últimos dias. O primo raro e potencialmente mortal do vírus da varíola é tradicionalmente restrito a regiões da África, mas as autoridades de saúde estão preocupadas com sua ampla disseminação.

PUBLICIDADE

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse que confirmou 37 casos e está investigando 71 em todo o mundo. A maioria dos detectados até agora está entre homens que fazem sexo com homens, disseram autoridades de saúde. Um grupo consultivo da OMS sobre infecções com potencial pandêmico e endêmico se reuniu na sexta-feira (20) para discutir a varíola dos macacos, que é um patógeno prioritário para a agência há anos, segundo um porta-voz.

Com os meses de verão se aproximando, mais eventos e situações sociais podem dar oportunidades para o vírus se espalhar, disseram as autoridades de saúde dos EUA na teleconferência.

Eles também disseram que existem amplos suprimentos de um medicamento antiviral que combate a varíola dos macacos, o Tpoxx da SIGA Technologies, no estoque nacional.

Em Massachusetts, onde o único caso nos EUA foi confirmado, as autoridades estaduais de saúde estão entrevistando o paciente para descobrir com quem eles podem ter tido contato. O rastreamento de contratos será uma parte vital da resposta ao surto de varíola, disseram as autoridades de saúde sênior.

PUBLICIDADE

Os EUA registraram dois casos de varíola no ano passado em viajantes que visitaram recentemente a Nigéria. No entanto, na safra mais atual de casos em todo o mundo, não há vínculo conhecido com um país africano. A escala de infecções incomuns criou preocupação científica, disse um funcionário na ligação.

A varíola dos macacos é significativamente menos perigosa do que a varíola. Os sintomas geralmente incluem febre, calafrios e erupções cutâneas ou lesões na face ou genitais. Acredita-se que a cepa atualmente em circulação mate cerca de 1% dos infectados, embora ninguém tenha morrido neste surto atual.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Brasil tem cerveja entre as mais baratas do mundo; confira ranking

Adeus covid, olá inflação: executivos agora perdem o sono com a alta dos preços

PUBLICIDADE