PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Ucrânia diz que bloqueio marítimo ameaça segurança alimentar global

Guerra reduziu os embarques para 1,1 milhão de toneladas em abril, contra cerca de 5 milhões de toneladas por mês em tempos normais

Maioria dos portos da Ucrânia foi fechada desde o início da guerra, limitando suas exportações de grãos para rotas ferroviárias e rodoviárias.
Por Aliaksandr Kudrytski
13 de Maio, 2022 | 03:35 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Os portos bloqueados na Ucrânia estão ameaçando a segurança alimentar global, enquanto o país luta para redirecionar os embarques de grãos devido a gargalos causados pela invasão da Rússia, segundo autoridades ucranianas.

A maioria dos portos da Ucrânia foi fechada desde o início da guerra, limitando suas exportações de grãos para rotas ferroviárias e rodoviárias através de países vizinhos da União Europeia. Isso reduziu os embarques para 1,1 milhão de toneladas em abril, contra cerca de 5 milhões de toneladas por mês em tempos normais.

PUBLICIDADE

“Não temos alternativa importante ao transporte marítimo”, disse o vice-ministro da Economia, Taras Kachka, durante uma conferência online na sexta-feira (13). O redirecionamento de cargas levaria anos para ser organizado, e a infraestrutura da União Europeia atualmente não está configurada para lidar com um redirecionamento maciço por rotas terrestres, acrescentou.

A Ucrânia, um dos maiores exportadores de grãos do mundo, é um fornecedor importante para nações da Europa à África e Ásia. A guerra causou um enorme atraso. Kachka disse que uma solução, que precisaria da ajuda de aliados, incluindo os Estados Unidos, é necessária rapidamente para evitar comprometer a segurança alimentar global.

A guerra vai deprimir as exportações de grãos da Ucrânia na próxima temporadadfd

O porto de Gdansk, na Polônia, e Constanta, na Romênia, já estão superlotados com suprimentos da Ucrânia à medida que os suprimentos são redirecionados, de acordo com Mustafa Nayyem, vice-ministro de infraestrutura da Ucrânia.

PUBLICIDADE

Caminhões de combustível estão lutando com postos de controle lotados na fronteira da União Europeia, disse Nayyem, que faz parte da equipe do governo que ajuda o país a garantir suprimentos depois que a Rússia bombardeou suas refinarias e depósitos.

-- Com a colaboração de Megan Durisin.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

EXCLUSIVO: Procuradoria apura se apps usam acordos trabalhistas para distorcer jurisprudência

Aceleradores e fundos buscam nova onda de startups disruptivas na América Latina

Últimas BrasilUcrâniaGuerra na UcrâniaRússiaInflaçãoAlimentos
PUBLICIDADE