Mercados

Nervosismo do mercado sobe além da conta até para dia de Fed

Desde ações a títulos e moedas, a turbulência ficou muito alta antes da reunião em que o banco central americano deverá aumentar juros em 0,5 ponto percentual

Em todos os tipos de ativos, a volatilidade implícita subiu para níveis não vistos em nenhuma sessão pré-Fed em mais de uma década
Por Lu Wang
04 de Maio, 2022 | 12:27 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Dias em que o Federal Reserve anuncia sua política monetária costumam ser um momento de maior ansiedade para os mercados financeiros. Nessa quarta-feira (4) o estresse foi além da conta.

Desde ações a títulos e moedas, a turbulência ficou muito alta antes da reunião em que o banco central americano deverá aumentar juros em 0,5 ponto percentual, a primeira alta dessa magnitude desde 2000.

Em todos os tipos de ativos, a volatilidade implícita subiu para níveis não vistos em nenhuma sessão pré-Fed em mais de uma década.

O nervosismo está em toda parte depois que as ações e os títulos tiveram sua pior liquidação mensal conjunta desde a crise financeira global, enquanto o dólar subiu para uma máxima de 20 anos contra as principais moedas.

PUBLICIDADE

Embora a turbulência possa corroborar a visão de que o Fed teve sucesso em sua transparência, a velocidade e a duração dos aumentos futuros permanecem obscuras. Uma questão que paira sobre os investidores é se o aperto nas condições financeiras será rápido o suficiente para esfriar a economia.

“Se a resposta a essa pergunta for não – e o crescimento econômico continuar bem acima da tendência – as condições financeiras precisam apertar mais”, disse Dennis DeBusschere, fundador da 22V Research. “Embora os movimentos nos yields nominais e reais de 10 anos e no dólar tenham sido dramáticos, a preocupação é que eles possam continuar se a economia dos EUA não desacelerar ainda mais.”

Volatilidade em dia de Fomc tem aumentadodfd

Esse é o cenário que os investidores enfrentam: com o banco central embarcando em uma campanha para combater a inflação que está em uma máxima de quatro décadas, o Fed rapidamente se transformou de aliado em inimigo.

As consequências são evidentes nos mercados de derivativos em todos os ativos. No fechamento de terça-feira, o Cboe Volatility Index, ou VIX, um indicador de custos para as opções do S&P 500, estava acima de sua média de longo prazo.

PUBLICIDADE

O ICE BofA MOVE Index, um indicador semelhante para títulos do Tesouro, pairou perto das máximas atingidas no auge da crise em março de 2020. O mesmo aconteceu com o JPMorgan Global FX Volatility Index.

Combinados, o total das três medidas de volatilidade superou níveis no dia anterior a qualquer anúncio de política do Fed desde 2011.

No passado, um ambiente de baixa inflação permitia ao FOMC “repetidamente reverter o curso ao primeiro sinal de volatilidade do mercado, o que se tornou o procedimento operacional padrão”, disse Michael O’Rourke, estrategista-chefe de mercado da JonesTrading. “Hoje, o banco central está tão atrás da curva em política de inflação que não pode reverter o curso tão cedo.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Rússia busca anexar Ucrânia ocupada em novo foco da invasão

PUBLICIDADE

Brasil lidera ranking por ativos dos maiores bancos da América Latina em 2022

O que é uma SAF? Lei pode ‘revolucionar’ o futebol brasileiro, diz BTG

PUBLICIDADE