Cripto

Fãs do Bitcoin esperam que criptomoeda se descole de ações tech

Segundo especialistas, criptmoeda é um dos melhores refúgios contra risco e pode começar a se descolar dos papéis de tecnologia

Tanto as ações de tecnologia quanto o Bitcoin registraram grandes oscilações este ano, à medida que o Federal Reserve se torna mais agressivo em sua luta contra a inflação
Por Vildana Hajric
27 de Abril, 2022 | 09:31 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Bitcoin pode ter se comportado mais ainda como uma ação de tecnologia nos últimos meses, mas os aficionados em criptomoedas prometem que isso vai mudar.

A maior criptomoeda do mundo chegou a cair 6,1% na terça-feira para abaixo de US$ 38.000, o menor nível desde meados de março. O movimento refletiu de perto o declínio no mercado de ações dos EUA.

Mas o Bitcoin nem sempre se comportará dessa maneira - em breve, começará a traçar seu próprio caminho, ou assim promete Michael Saylor da MicroStrategy.

No momento, os traders pensam que a moeda está correlacionada a ativos de risco, então se eles vendem risco, também vendem Bitcoin. Mas, “obviamente não é uma ação de tecnologia - é na verdade o melhor refúgio contra risco”, disse Saylor em entrevista à CNBC.

PUBLICIDADE

“Com o tempo, ao longo de 4, 5, 6, 7 anos, todo mundo vai se dar conta. Mas agora, os traders e tecnocratas controlam a negociação de mercado do Bitcoin, e é uma função do cabo de guerra entre eles e o clima no mercado”, disse ele.

O fato de o Bitcoin não ter sido capaz de traçar seu próprio curso nos últimos meses é estranho para o universo cripto - a moeda há anos é oferecida como um ativo não correlacionado, que não está vinculado a nenhum governo e é improvável que seja influenciado por forças ou fatores externos.

Mas tanto as ações de tecnologia quanto o Bitcoin registraram grandes oscilações este ano, à medida que o Federal Reserve se torna mais agressivo em sua luta contra a inflação.

O coeficiente de correlação de 90 dias da moeda com o Nasdaq 100 está acima de 0,60, entre as leituras mais altas já registradas. (Um coeficiente de 1 significa que os ativos se movem em sincronia, enquanto -1 mostraria que se movem em direções opostas.)

PUBLICIDADE

“Quando o apetite ao risco é mais forte, é quando você vê muita atividade no espaço cripto”, disse Shawn Cruz, estrategista-chefe de trading da TD Ameritrade.

Mas os investidores em criptomoedas estão esperançosos de que os ativos digitais possam quebrar esse padrão. Apesar das perspectivas sombrias para a economia dos EUA no final deste ano, as criptomoedas podem se sair bem, de acordo com Tom Dunleavy, da Messari.

A inflação pode se estabilizar em níveis mais altos, “interrompendo a correlação negativa dos ativos tradicionais de refúgio em relação às ações”, escreveu ele em um post intitulado “The De-Coupling Thesis”.

Novas alternativas precisam ser consideradas nesse cenário. Ele projeta que a ideia do Bitcoin como uma versão melhor do ouro, entre outras coisas, será ainda mais solidificada e a correlação da moeda com os mercados de ações diminuirá.

Enquanto isso, os investidores de Bitcoin amargam perdas de 18% este ano, enquanto o Nasdaq 100 caiu 20%.

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Por que os unicórnios brasileiros estão demitindo

Conheça as brasileiras entre as 50 Mulheres de Impacto da América Latina em 2022

PUBLICIDADE