Campos Neto admite ‘surpresa’ com inflação e mercado vê alta da Selic após maio

Último indicador testou planos do banco central de encerrar sua campanha agressiva de aperto com um aumento final de 100 pontos-base em maio

Campos Neto admite ‘surpresa’ com inflação e mercado vê alta da Selic após maio
Por Maria Eloisa Capurro
11 de Abril, 2022 | 01:28 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse estar surpreso com os dados recentes da inflação e que os formuladores de políticas estão analisando os números, levando os investidores a apostar em mais altas de juros.

Os preços ao consumidor foram impulsionados pela gasolina mais cara, além de surpresas nos custos de bens como alimentos e roupas, disse Campos Neto em evento na segunda-feira. A inflação geral do Brasil, bem como as leituras do núcleo que eliminam itens voláteis como alimentos e combustíveis, estão em alta, disse ele.

“Estamos analisando essa surpresa para ver se muda alguma coisa em relação às tendências”, disse Campos Neto.

A maior economia da América Latina registrou o maior salto de preços ao consumidor desde 2003 no mês passado. O resultado, que também foi superior a todas as estimativas de uma pesquisa da Bloomberg, testou os planos do banco central de encerrar sua campanha agressiva de aperto com um aumento final de 100 pontos-base em maio. Os países da região também foram atingidos pelas surpresas da inflação, disse Campos Neto.

PUBLICIDADE

As taxas do contrato com vencimento em janeiro de 2023, que indicam as expectativas dos investidores para a política monetária no final deste ano, subiram até 22,5 pontos-base após os comentários de Campos Neto, com os investidores avaliando as chances de um ciclo de alta mais longo.

“Ele sinalizou que o ciclo vai continuar”, além de maio, disse Carlos Menezes, gerente de portfólio da Gauss Capital.

‘Mais difundido’

O combustível subiu depois que a petrolífera estatal local Petrobras aumentou os preços no mês passado. Os custos dos serviços aumentaram conforme o esperado à medida que a economia reabre totalmente, embora os preços industriais não tenham diminuído conforme o esperado, disse Campos Neto.

Em suma, os aumentos de preços ao consumidor “foram os mais difundidos que vimos”, disse Campos Neto. “A maior parte do que fizemos até agora sobre as taxas de juros terá impacto nos próximos meses”, acrescentou.

PUBLICIDADE

O Brasil elevou suas taxas de juros em 975 pontos base desde março de 2021. Em discursos anteriores, Campos Neto havia dito que um aumento adicional em junho não era provável. Desta vez, ele disse que está aberto a “analisar as perspectivas” caso sejam diferentes do que ele esperava.

“Vamos analisar agora e ver quais fatores estão gerando essa surpresa inflacionária”, disse ele. “E nos comunicaremos no momento apropriado.”

--Com assistência de Isadora Calumby e Josue Leonel.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE