Mercados

Renda fixa: Movimento de Treasuries impulsiona títulos corporativos curtos

Os investidores estão se afastando dos títulos de longo prazo porque podem sofrer mais com o aperto do Federal Reserve

Movimento de Treasuries impulsiona títulos corporativos curtos
Por Jack Pitcher
07 de Abril, 2022 | 07:30 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — As empresas americanas começaram a vender mais títulos de curto prazo à medida que os investidores descobrem que não compensa comprar os mais longos, em outro sinal de que a era do dinheiro a baixíssimo custo está chegando ao fim.

Até agora em abril, 65% das emissões foram de cinco anos ou menos, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. Isso se compara a 26% de emissão nesses vencimentos este ano. Em 2021 e 2020, a dívida de curto prazo no segmento de grau de investimento representou cerca de 23% e 9% da oferta do ano inteiro, respectivamente.

Os investidores estão se afastando dos títulos de longo prazo porque podem sofrer mais com o aperto do Federal Reserve e porque os títulos não oferecem muito mais rendimento.

Os rendimentos das notas corporativas com vencimento em um a cinco anos mais que dobraram até agora este ano, subindo para 3,4%, de acordo com uma análise da CreditSights publicada pelo estrategista Winnie Cisar.

PUBLICIDADE

Títulos com vencimento em 10 anos ou mais rendem em média 4,21%, segundo dados da Bloomberg. Isso é apenas 0,8 ponto percentual a mais.

“A curta duração parece bastante atraente agora, juntamente com títulos com grau de investimento de taxa flutuante”, disse Matt Brill, gerente sênior de portfólio da Invesco. “É um lugar decente para enfrentar a tempestade à medida que passamos pelo primeiro de vários aumentos do Fed que ainda estão por vir.”

Qualquer mudança rumo ao curto prazo representa uma guinada para um mercado que viu a duration, uma medida de quão sensíveis são os preços dos títulos às mudanças nos rendimentos, estendendo-se por grande parte dos últimos 10 anos.

Os investidores compraram títulos de longo prazo para obter retornos mais altos em um mundo com taxas de juros próximas de zero, enquanto as empresas garantiam custos de empréstimos baratos por décadas.

PUBLICIDADE

No início de 2012, a duration média do índice Bloomberg US Corporate Bond era de cerca de 7 anos. No início de 2021, estava mais perto de 8,8. Agora, está abaixo de 8,1.

Os títulos de curto prazo estão atraindo até fundos de pensão e seguradoras japonesas e taiwanesas, que normalmente compram títulos de longo prazo.

“Antes da recente mudança de taxa, os players de seguros asiáticos tinham que investir em prazos de longo prazo para atingir seus objetivos de rendimento mínimo”, disse Meghan Graper, gestora do Barclays nos EUA. “Agora, existem situações em que até mesmo participar da ponta da curva pode oferecer oportunidades.”

A CreditSights sugere a compra de títulos de curto prazo em parte porque o forte ritmo de oferta de títulos corporativos de grau de investimento deve diminuir no segundo semestre do ano, criando um impulso técnico. A empresa de pesquisa recomenda uma série de títulos como os da Altria Group e da Boeing.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE