Foi uma trapalhada técnica, diz gestor sobre erro da B3 em fluxo externo

Diretor da Nova Futura, Pedro Paulo Silveira, diz que aposta do investidor estrangeiro colocou o Ibovespa de volta aos 12 mil pontos

B3 registra saldo positivo de investimento estrangeiro de R$ 65,3 bilhões no primeiro trimestre de 2022, sendo R$ 21,3 bilhões somente em março
04 de Abril, 2022 | 06:39 PM

São Paulo — Os investidores estrangeiros aplicaram R$ 21,3 bilhões em ações brasileiras no mercado secundário da B3 no mês de março, mantendo o patamar registrado em fevereiro (R$ 20,6 bilhões) e janeiro (R$ 23,4 bilhões). O dado foi divulgado nesta segunda-feira (4) pelo site da B3, que revisou os dados de saldo de investimento estrangeiro do primeiro trimestre deste ano após detectar um erro de metodologia do cálculo.

Desde outubro de 2020, o sistema da Bolsa contabilizava empréstimos de ações no cálculo do indicador, mas essas operações não representam fluxo financeiro. O erro técnico inflou o saldo de investimento estrangeiro em R$ 27 bilhões no primeiro trimestre. Diariamente, durante um ano e meio, a B3 divulgou o dado errado em seu site. Na última sexta-feira, houve uma revisão das informações deste ano.

A redução do volume acumulado do saldo positivo de investimento estrangeiro entre janeiro e março, após a revisão da metodologia, não altera a tendência vista no mercado de renda variável, de um maior apetite externo por papéis brasileiros, avaliou o diretor de gestão de recursos da corretora Nova Futura, Pedro Paulo Silveira.

“Ninguém no mercado acredita que isso [computar total de empréstimos de ações no saldo de investimento estrangeiro] foi proposital, com intenções maquiavélicas. Foi apenas uma trapalhada técnica. Não muda o essencial: o gringo está tomando bolsa brasileira, no fluxo oposto ao do investidor local”, disse Silveira à Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Segundo dado da B3, o grupo dos investidores individuais vendeu mais do que comprou ações em março, resultando em um saldo negativo de R$ 5,6 bilhões. Já os investidores institucionais também frearam suas compras de papéis no mercado secundário da B3, com retirada de R$ 18,2 bilhões. Por sua vez, as instituições financeiras quase equilibraram suas compras (R$ 25,197 bilhões) e vendas (R$ 25,879 bilhões), com uma saída de apenas R$ 681,7 milhões no mês passado.

Para o diretor de gestão de recursos da Nova Futura, o saldo positivo do investimento estrangeiro no primeiro trimestre já foi suficiente para colocar o Ibovespa, principal índice acionário do mercado brasileiro, subir e voltar à casa dos 12 mil pontos.

Em 2021, segundo ano da pandemia da Covid-19, o principal índice da B3 registrou uma máxima histórica de 130.776 pontos no dia 7 de junho, embora tenha terminado o mês de dezembro aos 104.822 pontos, acumulando perda anual de 11,93%.

PUBLICIDADE

“O comportamento do investidor pessoa física é cíclico. Vendo o Ibovespa subindo, voltando aos 120 mil pontos, ele vai voltar a apostar em ações. A taxa de juro longo já caiu. O gatilho é a entrada de recursos estrangeiros no primeiro trimestre. Isso já é suficiente para a redução dos resgates nos fundos multimercados e de ações”, avalia Silveira.

LEIA +
Gigante da renda fixa não vê recessão apesar de inversão de curva nos EUA

Quanto ao cenário eleitoral, com a disputa presidencial apontando para uma polarização ideológica entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Lula (PT) em outubro, o diretor da Nova Futura relativiza o risco político. “O mercado já precificou uma vitória do Lula ou do Bolsonaro”.

Ele cita outros pontos de atenção no momento, como o viés negativo do impacto da guerra entre Ucrânia e Rússia para a atividade econômica da Europa, a expectativa com os próximos passos da China para acelerar seu crescimento e o quadro positivo da atividade econômica nos EUA.

No noticiário corporativo, Siqueira considerou “embaraçoso” o impasse para a substituição do CEO da Petrobras, cuja ação preferencial tem o maior peso no Ibovespa. Ao longo desta segunda, houve versões conflitantes sobre a continuidade da indicação do economista Adriano Pires para o cargo. Pela manhã, a imprensa brasileira chegou a tratar como certa a desistência dele por possível conflito de interesses entre a função e sua empresa de consultoria no setor de petróleo e gás. À tarde, o Ministério de Minas e Energia divulgou nota informando que a pasta não recebeu carta de recusa dele à indicação.

Não conseguimos repor o CEO da maior empresa da América Latina? Isso causa desconforto no mercado”, afirmou o diretor da Nova Futura.

Após chegar a cair mais de 2% pela manhã, a ação preferencial da Petrobras (PETR4) fechou em queda de 0,94%, a R$ 32,70, em dia em que o Ibovespa caiu 0,24%, aos 12.1279 pontos.

Leia também

Ibovespa destoa de NY com impasse na Petrobras e dólar vai a R$ 4,60

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.