PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Negócios

Ex-Nintendo coloca em xeque metaverso de Zuckerberg

Reggie Fils-Aime diz que Facebook não é uma empresa inovadora e que o futuro digital será impulsionado por empresas menores

Ex-ceo da Nintendo diz que futuro digital será impulsionado por pequenas empresas
Por Lauren Ellis e Emily Chang
13 de Março, 2022 | 10:24 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Meta Platforms (FB), de Mark Zuckerberg, está entre os defensores mais expressivos do futuro do metaverso, mas um veterano da indústria de jogos é particularmente cético em relação à sua visão. Como a nuvem há cinco anos e até mesmo a internet de 20 anos atrás, todas as empresas agora estão tentando se agarrar ao metaverso, disse o ex-presidente e COO da Nintendo of America Reggie Fils-Aime. Em sua visão, em vez do pai do Facebook, o futuro digital será impulsionado por empresas menores que estão realmente inovando, enquanto empresas como a Epic Games estão fazendo coisas “realmente atraentes”.

O Facebook em si não é uma empresa inovadora”, disse Fils-Aime no evento South by Southwest em Austin, Texas, no sábado (12/03). “Eles adquiriram coisas interessantes, como Oculus e Instagram, ou seguiram rapidamente as ideias das pessoas. Eu não acho que a definição atual deles será bem-sucedida”.

PUBLICIDADE

Procurada, a Meta não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A ascensão de empresas menores e inovadoras que estão atualmente em rodadas de financiamento ou de sementes também sugere que mais consolidação está reservada para o setor. Fils-Aime apontou aquisições bem-sucedidas como a compra da Zynga (ZNGA) pela Take-Two Interactive Software e chamou a recente oferta da Microsoft (MSFT) pela Activision Blizzard de “uma compra fantástica”.

Fils-Aime é um executivo de jogos de longa data cujos pais haitianos fugiram do regime Duvalier no Haiti e se estabeleceram em Nova York. Seu novo livro “From the Bronx to the Top of Nintendo” fala sobre sua educação, caminho para a Nintendo e por que recebeu o apelido de “Regginator”.

PUBLICIDADE

Como um executivo negro que subiu na hierarquia de uma famosa empresa japonesa, ele criticou a indústria de jogos por não se mover rápido o suficiente para enfrentar seus desafios de diversidade. “Essa é uma indústria global que atinge 3 bilhões de pessoas em todo o mundo. É um negócio de US$ 200 bilhões”, disse Fils-Aime. “A representação no jogo e na liderança não está onde precisa estar.”

Fils-Aime, que ingressou na GameStop (GME) em 2020 e esteve no conselho por um ano, criticou a empresa, dizendo que a atual administração, liderada pelo ex-CEO da Chewy Ryan Cohen, rejeitou suas ideias. Ele havia, na época, acreditado que a empresa poderia ter sucesso e com a ação certa e pivô para o e-commerce, poderia satisfazer melhor sua base de clientes.

“Não houve uma estratégia articulada. A liderança diz que não queremos articular nossa estratégia porque eles não querem que ela seja roubada”, disse ele. “Para mim, isso não era aceitável”. Fils-Aime não é mais acionista da GameStop, embora não tenha divulgado quando vendeu suas ações.

Leia mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE