PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Estilo de vida

Além do latim: veja quais línguas estão a ponto de morrer na América Latina

Já parou para pensar quantos idiomas da América Latina correm o risco de se tornar extintos? Confira nossa lista

Com poucos falantes nativos vivos, a América Latina tem idiomas prestes a acabar
13 de Março, 2022 | 08:31 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg Línea — No dia 21 de fevereiro, foi comemorado o Dia Internacional da Língua Materna, e a Unesco fez um apelo para que fosse reforçado o papel dos professores na promoção da educação multilíngue de qualidade, incluindo no ensino a distância. Isso tendo em vista que milhares de línguas no mundo estão em perigo de extinção.

Além disso, é importante refletir sobre as tecnologias e seu potencial para apoiar o ensino e a aprendizagem multilíngues, segundo a Unesco. Com base nisso, ressaltamos que, segundo números do Projeto de Línguas em Perigo no mundo, existem cerca de 2.450 línguas em perigo de extinção.

PUBLICIDADE

As informações do Projeto ressaltam que a região com mais idiomas em risco é a Oceania com 733 línguas a ponto de morrer, seguida da Ásia com 693, África (428), América do Norte e Central (222), América do Sul (226) e Europa (148).

Especialistas comentaram em um relatório da empresa Statista que a globalização está entre os motivos pelos quais existem tantas línguas em risco de desaparecer.

O efeito dominante de um único fator socioeconômico, o PIB per capita, sobre a taxa de crescimento dos falantes sugere que o crescimento econômico e a globalização são os principais motivadores do recente declínio nos falantes de línguas (principalmente a partir dos anos 70)”, cita a Statista, mencionando uma pesquisa de 2014 intitulada “Global distribution and drivers of language extinction risk”, ou “Distribuição global e fatores de risco para extinção de idiomas”, em tradução livre.

PUBLICIDADE

Línguas nativas em risco de extinção na América Latina

  • Argentina: Tehuelche, com 1 ou 2 falantes.
  • Brasil: Hixkaryana (600 falantes), Nambikwara (721 falantes) e Jamamadí (980 falantes).
  • Chile: Kawésqar (10 falantes) y Huilliche (2.000 falantes).
  • Colômbia: Achagua (283 falantes), Macaguán (441 falantes) e Desano (450 falantes).
  • Costa Rica: Bribri (400 falantes).
  • Ecuador: Záparo (3 falantes).
  • El Salvador: Pipil (97 falantes).
  • Guatemala: Itza’ (12 falantes).
  • México: Yucatec Maya (500 falantes), Tilapa Otomí (400 falantes) e San Agustín Mixtepec Zapotec (59 falantes).
  • Panamá: não há dados.
  • Perú: Jaqaru (740 falantes), Pacaraos Quechua (35 falantes) y Isconahua (5 falantes).
  • Uruguai: não há dados.
  • Venezuela: Jotí (300 falantes), Sapé (5 falantes) y Paraujano (1 falante).

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Leia também

Valerie Cifuentes

Valerie Cifuentes (PT)

Jornalista especializado na cobertura de questões económicas, financeiras e empresariais. Fui co-editor de economia e finanças da Forbes Colômbia e jornalista do jornal El Tiempo Portafolio, do jornal La República e do gabinete de comunicações da Associação Colombiana de Instituições Bancárias e Financeiras (Asobancaria).

PUBLICIDADE