Negócios

Choque do petróleo atinge em cheio cadeia de produção do plástico

Operadores asiáticos de fábricas que produzem os petroquímicos reduziram as taxas de processamento para até 80%

Margens de lucro de produtos como etileno e propileno caíram
Por Saket Sundria
08 de Março, 2022 | 03:19 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Os preços estratosféricos do petróleo estão afetando para a indústria de plásticos, com os produtores reduzindo a atividade à medida que as margens de lucro caem, um primeiro sinal dos efeitos catastróficos sobre a demanda que pode se espalhar para outros setores.

Vários operadores asiáticos de fábricas que produzem os petroquímicos usados como matérias-primas para tudo, desde brinquedos infantis a interiores de carros, reduziram as taxas de processamento para até 80%, segundo cinco operadores dessas empresas. As instalações, conhecidas como crackers ou unidades de craqueamento, normalmente funcionam com capacidade total ou quase total.

O aumento do preço do petróleo e as incertezas sobre o fornecimento de nafta - uma matéria-prima popular na Ásia - derivada do petróleo da Rússia estão desafiando a economia da produção de plásticos em unidades de craqueamento na Coreia do Sul, Taiwan e Malásia, disseram os comerciantes que pediram não para serem identificados, pois a informação não é pública. Os problemas são uma indicação precoce das dificuldades que a invasão da Ucrânia pela Rússia pode criar para as indústrias que dependem de matérias-primas.

Cerca de 15% das importações de nafta da Ásia vêm da Rússia e das regiões do Mar Negro e do Báltico, segundo a consultora do setor FGE. Muitas plantas petroquímicas interromperam as compras da Rússia e hesitam em comprar petróleo bruto de qualquer lugar em níveis tão altos, já que seus produtos acabados não estarão prontos por cerca de seis semanas. As taxas de frete caras estão aumentando o problema e fazendo com que as empresas interrompam ou diminuam bastante suas atividades agora, em vez de arriscar perdas mais expressivas.

PUBLICIDADE

“A situação é muito nebulosa para os processadores de nafta na Ásia”, disse Armaan Ashraf, analista sênior da FGE. É um “grande risco” comprar nafta quando o petróleo está a US$ 130 o barril, disse ele, acrescentando que as margens de lucro permanecerão baixas por pelo menos um mês.

As margens de lucro de produtos como etileno e propileno - que são usados para fabricar plásticos - já eram fracas e encolheram ainda mais desde a invasão da Ucrânia pela Rússia.

O prêmio para entregas imediatas de nafta para a Ásia em relação a contratos no mês seguinte é de mais de US$ 30 por barril, em comparação com menos de US$ 10 no início de janeiro. O chamado backwardation, a situação onde preço atual de um ativo está abaixo do seu preço esperado no futuro, é outro indicador de ansiedade sobre a situação de oferta extremamente apertada.

A Formosa Petrochemical de Taiwan está faznedo o craqeuamento em sua fábrica de Mailiao em 80% a 85%, segundo três traders. A Lotte Chemical Titan reduziu as taxas de execução em suas instalações na Malásia para menos de 90% e planeja reduzi-las ainda mais se as condições do mercado se deteriorarem, enquanto a Hanwha Total Petrochemical, a Lotte Chemical e a LG Chem na Coreia do Sul reduziram o processamento em 10% a 20%, disseram os traders.

PUBLICIDADE

Um porta-voz da Lotte Titan não respondeu a vários telefonemas em busca de comentários, enquanto as outras empresas não responderam imediatamente aos e-mails.

O custo de produção de eteno a partir da nafta foi de US$ 1.200 a US$ 1.300 a tonelada na Ásia na semana passada, mas estava valendo apenas cerca de US$ 1.200 no mercado antes do envio, segundo a IHS Markit, parte da S&P Global. “Os craqueadores de nafta não estão ganhando dinheiro”, disse April Tan, diretora associada da IHS.

– Com a colaboração de Sharon Cho e Elizabeth Low.

– Esta notícia foi traduzida por Marcelle Castro, Localization Specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE