Internacional

Ucrânia: Ex-comediante de TV, presidente desponta como líder em tempo de guerra

Presidente postou selfies ao ar livre para dissipar a desinformação de que ele havia fugido ou ordenado a rendição

Volodymyr Zelenskiy
Por Marc Champion e Daryna Krasnolutska
26 de Fevereiro, 2022 | 10:07 am
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Volodymyr Zelenskiy pode estar entre os líderes de guerra menos prováveis que o mundo conheceu, mas está ganhando elogios nesse papel justamente quando seu capital político estava diminuindo.

Um ex-comediante de televisão de origem judaica, Zelenskiy foi eleito presidente da Ucrânia há pouco menos de três anos com a promessa de trazer a paz. Na sexta-feira, ele estava em guerra na capital Kiev, acusado pelo presidente Vladimir Putin de liderar um regime fascista culpado pelo “genocídio” no leste do país.

Líderes ocidentais consideram esses argumentos como invenções - “ridículas”, disse o chanceler alemão Olaf Scholz -, mas com as tropas russas tentando abrir caminho para Kiev no sábado, houve pouco o que fazer para a situação desesperadora de Zelenskiy em uma Ucrânia independente. Putin declarou que quer Zelenskiy fora.

O Ministério da Defesa pediu aos cidadãos que fizessem coquetéis molotov em preparação para a guerra urbana. Ele disse que “milhares” de voluntários estavam se inscrevendo para lutar, com 18 mil rifles distribuídos apenas em Kiev.

PUBLICIDADE

4 milhões de visualizações

Com a barba por fazer e vestido de cáqui, Zelenskiy dirigiu-se à nação em um vídeo, alertando que “sabotadores” encarregados de seu assassinato estavam se aproximando. O “inimigo me marcou como o alvo número um” enquanto buscam a destruição política da Ucrânia, disse Zelenskiy. “Vou ficar na capital.”

Os ucranianos resistiram ferozmente para retardar o avanço dos invasores russos, que têm um contingente militar muito maior chegando por terra, mar e ar, e Zelenskiy parece refletir esse espírito. Por duas vezes, em meio a tentativas russas de entrar em Kiev durante a noite, ele postou vídeos de selfies ao ar livre para dissipar a desinformação de que ele havia fugido ou ordenado a rendição.

“Estou aqui. Não vamos depor as armas. Vamos defender nosso estado”, disse ele na manhã deste sábado. O vídeo teve 4 milhões de visualizações em duas horas após a postagem.

Na quinta-feira, o homem de 44 anos até convocou o espírito de Winston Churchill, ecoando o discurso do líder britânico da Cortina de Ferro em 1946, visto por alguns historiadores como o início da Guerra Fria com a antiga União Soviética.

PUBLICIDADE

“O que ouvimos hoje?” Zelenskiy perguntou após o ataque de quinta-feira, novamente aparecendo com uma camiseta cáqui. “Não são apenas explosões de foguetes, lutas e o rugido de aeronaves. Este é o som de uma nova cortina de ferro baixando e fechando a Rússia do mundo civilizado.”

Zelenskiy nem sempre foi tão competente. Ele venceu a eleição com 73% dos votos em 2019, quando os ucranianos se uniram brevemente em torno de um novato político que parecia oferecer um fim à corrupção que assolou o país desde a independência, 30 anos atrás.

Estrela de seu próprio show

Formato Normandíadfd

Como estrela de seu próprio programa de televisão, sobre um professor que acaba se tornando presidente fazendo discursos contra políticos corruptos, Zelenskiy também prometeu a paz, pela qual muitos ucranianos estavam desesperados após cinco anos de conflito com separatistas apoiados pela Rússia na região de Donbass. Ele rapidamente se encontrou com Putin e os líderes da França e da Alemanha, na esperança de encontrar uma maneira de implementar os acordos de Minsk de 2014-2015.

No entanto, no ano passado, as negociações de paz e as relações com Putin foram interrompidas. A covid atingiu a população e a economia da Ucrânia, como nos outros países. O padrão de vida local, já entre os mais baixos da Europa, sofreu ainda mais por uma combinação de crescimento mais lento e inflação crescente.

As próprias credenciais anticorrupção de Zelenskiy ficaram manchadas. Um comunicado de outubro do chamado Pandora Papers – dados vazados sobre empresas de fachada offshore – conectou ele e apoiadores de sua produtora de TV, Studio Kvartal 95, a 10 entidades registradas em Belize, Ilhas Virgens Britânicas e Chipre. Ele negou qualquer transgressão.

Muitos viram Zelenskiy confiando demais em um círculo restrito de amigos igualmente inexperientes de seus dias de TV, incluindo seu principal assessor, Serhiy Shefir, e o chefe do Serviço de Inteligência Ivan Bakanov, ambos citados no Pandora Papers. Uma média de quatro pesquisas de opinião realizadas em meados de dezembro mostrou que o apoio popular a Zelenskiy havia caído para 25%.

PUBLICIDADE

Ele também enfrentou questionamentos antes da guerra, depois de contrariar as previsões dos EUA de que a Rússia usaria a força maciça nas fronteiras da Ucrânia para invadir. As mensagens contraditórias - de aliados e líderes - não ajudaram, de acordo com Dmytro Razumkov, gerente da campanha presidencial de Zelenskiy e ex-presidente do parlamento.

“A sociedade precisa entender o que está acontecendo no país, eles (o governo) precisam se comunicar com as pessoas”, disse Razumkov, que rompeu com Zelenskiy no ano passado, em entrevista em Kiev antes da invasão da Rússia. Procurado na sexta-feira, Razumkov disse que tais sofismas agora são irrelevantes.

“Hoje, todos estão unidos na luta contra o inimigo: o parlamento, o presidente, o gabinete”, disse Razumkov.

Desde que Zelenskiy aceitou que o conflito era iminente, sua resposta ressoou com muitos ucranianos, incluindo um discurso de 19 de fevereiro na Conferência de Segurança de Munique, no qual ele agradeceu aos aliados ocidentais por sua ajuda e apoio, mas também os repreendeu por não fazer mais pelo país.

PUBLICIDADE

Essa franqueza ganhou apoio entre os ucranianos deixados para lutar sozinhos contra um vizinho muito mais poderoso.

“Quero expressar apoio ao nosso presidente”, disse Olga Golubovska, médica que critica Zelenskiy por seu manejo da pandemia de covid-19, a 90 mil seguidores no Facebook. “O presidente que não fugiu. Ao presidente, que pela primeira vez contou aos nossos “respeitáveis” parceiros ocidentais tudo o que todos suspeitávamos há muito tempo, para dizer o mínimo. Um presidente que, pela primeira vez em muitos anos, ousou ter uma opinião”.

Essa amargura se tornou mais aguda quando os aliados ocidentais hesitaram em impor as mais fortes sanções disponíveis contra a Rússia, como bloqueá-la do sistema SWIFT para transações financeiras internacionais, mesmo após o início da invasão.

Quando o primeiro-ministro italiano Mario Draghi – que pediu isenção das sanções da União Europeia contra a Rússia por bens de luxo – disse que não conseguiu falar com Zelenskiy por telefone, a resposta do líder ucraniano na sexta-feira foi pública e ácida.

PUBLICIDADE

“Hoje, às 10h30, nas entradas de Chernihiv, Hostomel e Melitopol, houve intenso combate. Pessoas morreram”, disse ele em um post no Twitter. “Da próxima vez, tentarei mudar o horário da guerra para falar com ##MarioDraghi em um horário específico. Enquanto isso, a Ucrânia continua lutando por seu povo”.

Os discursos de Zelenskiy, direcionados à Rússia e à Ucrânia, também conquistaram fãs por seu toque humano, especialmente quando comparados com as palestras que Putin deu ao seu povo enquanto preparava a população para a guerra.

PUBLICIDADE

“Tente manter a vida normal, até onde a vida pode ser normal”, disse Zelenskiy à sua nação em 24 de fevereiro, ao mesmo tempo em que pediu que eles pegassem em armas e lutassem. “Cuide de seus vizinhos e de seus amigos.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE