PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

AO VIVO: Brasil apoia resolução da ONU condenando invasão, mas Rússia exerce veto

Casa Branca confirmou que o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, se juntará ao presidente Vladimir Putin na lista de sanções dos EUA, alinhando Washington com uma decisão tomada nas capitais europeias no início do dia

Ucranianos cruzam para a Hungria na fronteira de Beregsurany em Beregsurany, Hungria, em 25 de fevereiro
Por Bloomberg Línea
25 de Fevereiro, 2022 | 06:06 am
Tempo de leitura: 26 minutos

Bloomberg Línea — Essa notícia está sendo atualizada

O conselho de Segurança da ONU propôs uma resolução condenando a invasão da Ucrânia e pedindo a retirada imediata de suas forças. A Rússia, que é membro permanente do conselho, exerceu seu poder de veto. A resolução, patrocinada pelos EUA e pela Albânia, ganhou o apoio de 11 nações, incluindo o Brasil. A China, que muitas vezes se alinha com a Rússia em questões no órgão, se juntou aos Emirados Árabes Unidos e à Índia e se abstiveram da condenação.

O embaixador brasileiro na ONU, Ronaldo Costa, fez um apelo para uma solução pacífica para a disputa e criticou a Rússia pela invasão. Segundo Costa, as preocupações manifestadas pela Rússia não dão o “direito de ameaçar a integridade territorial e a soberania de outro Estado”.

A perspectiva de negociações entre a Rússia e a Ucrânia foi colocada em dúvida com o Kremlin anunciado que Kiev parou de responder depois de rejeitar a oferta inicial de Moscou de uma reunião em Minsk, capital da Bielorrússia. A Ucrânia queria uma reunião na capital polonesa, Varsóvia, disse o Kremlin, acrescentando que não ouviu mais nada. Não houve nenhuma palavra imediata da Ucrânia sobre os comentários russos.

PUBLICIDADE

As idas e vindas diplomáticas acontecem enquanto a luta continua no terreno com as forças russas se movendo em direção à capital do país vizinho. Quaisquer negociações provavelmente teriam dificuldades para encontrar um terreno comum sobre a questão da “neutralidade” para a Ucrânia, que procurou se juntar à Otan e se aproximar da Europa. A Rússia também acusou Kiev de querer retomar à força duas áreas separatistas no leste da Ucrânia, algo que o governo negou repetidamente.

Confira as últimas notícias sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia. Todos os horários são de Brasília.

EUA planejam sanções contra fundo soberano da Rússia (20h36)

Os EUA planejam implementar sanções contra o fundo soberano da Rússia, enquanto continuam a ampliar as penalidades por conta da invasão da Ucrânia, disse a Casa Branca nesta sexta-feira. O Departamento do Tesouro imporá um bloqueio total ao Fundo de Investimento Direto da Rússia, que visa “atrair capital para a economia russa em setores de alto crescimento”, disse o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, em um tuíte nesta sexta-feira.

O fundo soberano desempenhou um papel relevante na comercialização da vacina Sputnik contra o coronavírus pela Rússia. Ele já havia sido sancionado pelo governo Obama por seus laços com o banco Vnesheconombank como parte de punições ligadas à invasão da Crimeia em 2015. O fundo, no entanto, tem poucos investimentos no ocidental, portanto, espera-se que o impacto das novas sanções seja mínimo.

PUBLICIDADE

Rússia veta resolução da ONU condenando invasão; China se abstém (20h15)

A Rússia vetou uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas condenando a invasão da Ucrânia e pedindo a retirada imediata de suas forças. O veto foi proferido pelo embaixador da Rússia na ONU.

A resolução, patrocinada pelos EUA e pela Albânia, ganhou o apoio de 11 nações, incluindo o Brasil. A China – que muitas vezes se alinha com a Rússia em questões no órgão – se juntou aos Emirados Árabes Unidos e à Índia na abstenção. Como membro permanente do conselho, a Rússia tem poder de veto. Sua decisão foi duramente criticada pela embaixadora dos EUA Linda Thomas-Greenfield.

“Você pode vetar esta resolução, mas não pode vetar nossas vozes”, disse Thomas-Greenfield. A embaixadora do Reino Unido, Barbara Woodward, acrescentou: “Não se engane, a Rússia está isolada”. Em uma demonstração de apoio à Ucrânia e à resolução, dezenas de embaixadores de países que não são membros do Conselho de Segurança participaram do debate sobre a proposta.

Ratings de crédito soberano da Rússia e Ucrânia em revisão (19h50)

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia tiveram seus ratings de crédito soberanos colocados em revisão para possível rebaixamento pela Moody’s Investors Service em meio ao crescente conflito entre as duas nações. Já a Fitch Ratings reduziu a avaliação da Ucrânia. A Rússia é classificada como Baa3 pela Moody’s, um degrau acima do grau de investimento, enquanto a Ucrânia é classificada como B3, seis degraus abaixo do grau de investimento. A Fitch reduziu o rating da Ucrânia para CCC de B.

A recente invasão da Ucrânia pela Rússia representa “uma elevação significativa dos riscos geopolíticos que a Moody’s havia destacado anteriormente, que está sendo acompanhada por sanções adicionais e mais severas à Rússia, incluindo potencialmente aquelas que podem afetar o pagamento da dívida soberana”, disse a agência nesta sexta-feira.

Ucrânia diz que está discutindo melhor momento e local de negociações com a Rússia (18h44)

A Ucrânia estava e está pronta para falar sobre cessar-fogo e paz, disse Serhiy Nykyforov, porta-voz do presidente Volodymyr Zelenskiy, pelo Facebook, horas depois que Kiev e Moscou pareciam estar em um impasse sobre as negociações.

PUBLICIDADE

“Concordamos com a proposta do presidente da Federação Russa”, disse Nykyforov. “Nessas horas, as partes estão realizando consultas sobre o local e o horário do processo de negociação”

Um assessor de Putin havia sugerido anteriormente a Bielorrússia para negociações, apesar de o país servir de palco para a invasão.

Ministro das Relações Exteriores da Rússia é adicionado à lista de sanções (17h42)

A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, confirmou que o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, se juntará ao presidente Vladimir Putin na lista de sanções dos EUA, alinhando Washington com uma decisão tomada nas capitais europeias no início do dia.

“Em alinhamento com a decisão de nossos aliados europeus, os Estados Unidos se juntarão a eles para sancionar o presidente Putin e o ministro das Relações Exteriores Lavrov e membros da equipe de segurança nacional russa”, disse ela.

PUBLICIDADE

EUA se juntam a sanções contra Putin (16h39)

Os EUA imporão sanções ao presidente russo, Vladimir Putin, de acordo com uma autoridade familiarizada com o plano.

É um passo amplamente simbólico, dadas as amplas incertezas sobre a extensão da riqueza do líder russo ou onde ele a guarda. Ele possui oficialmente poucos ativos. Sua renda anual é de cerca de 10 milhões de rublos (US$ 120.050), e ele possui três carros e um apartamento, de acordo com sua última divulgação financeira.

OTAN envia milhares de tropas para membros orientais (16h14)

A Otan está enviando milhares de tropas terrestres, aéreas e marítimas de sua força de resposta rápida pela primeira vez em defesa de membros da aliança em meio ao ataque da Rússia à Ucrânia.

Parte da força de 40.000 homens, que antes era usada apenas para missões humanitárias, será enviada aos membros do leste da Otan “para proteger todos os aliados e cada centímetro do território da Otan”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, a repórteres nesta sexta-feira (25).

PUBLICIDADE

Stoltenberg também disse que a aliança forneceria mais apoio militar, inclusive para sistemas de defesa aérea, para a Ucrânia, mas que “é difícil prever quais são nossas possibilidades no futuro”.

China apoia negociações, respeito pela soberania da Ucrânia (15h56)

O Ministério das Relações Exteriores da China publicou um comunicado no qual instou o início das negociações diplomáticas entre a Rússia e a Ucrânia, ao mesmo tempo em que afirma que a soberania e a integridade territorial da Ucrânia devem ser respeitadas e garantidas.

PUBLICIDADE

A China também disse que o Conselho de Segurança da ONU deve desempenhar um papel construtivo na redução da crise. A declaração veio horas antes de uma reunião do Conselho de Segurança na qual a Rússia - um membro permanente do conselho - deve vetar uma resolução condenando suas ações. Mas os observadores da ONU estarão atentos para ver se a China, outro membro permanente, apoia a posição russa ou se abstém de votar.

Facebook recua de restrições russas (15h45)

A empresa controladora do Facebook, Meta Platforms (FB), disse que tentará continuar permitindo que os cidadãos russos “se expressem e se organizem para a ação” após protestos contra a guerra na Rússia que atraíram a ira das autoridades.

Zelenskiy e Biden fazem ligação de 40 Minutos (15h40)

O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, e o presidente dos EUA, Joe Biden, falaram por 40 minutos, de acordo com breves declarações de ambos os líderes. Em um post no Twitter, Zelenskiy disse que os dois líderes discutiram o fortalecimento das sanções e “assistência concreta de defesa”.

PUBLICIDADE

Funcionários da Casa Branca não forneceram imediatamente uma leitura detalhada da ligação.

Reino Unido sancionará Putin e Lavrov, após a UE (15h20)

O Reino Unido imporá sanções ao presidente russo, Vladimir Putin, e ao ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, após uma medida semelhante da UE nesta sexta-feira (25), informou o gabinete do primeiro-ministro.

A Grã-Bretanha deve introduzir as sanções depois que o primeiro-ministro Boris Johnson também pediu aos líderes mundiais que isolem a Rússia do sistema de pagamento SWIFT, de acordo com um comunicado de Downing Street após uma reunião de líderes da Otan. Não ficou imediatamente claro quando as sanções entrariam em vigor.

PUBLICIDADE

Eurovision expulsa a Rússia de competição (14h55)

O Eurovision Song Contest, uma competição internacional de canções, decidiu que a Rússia será impedida de participar do evento deste ano por causa de suas ações na Ucrânia, a mais recente repercussão das ações de Moscou no mundo da cultura e do esporte.

“A decisão reflete a preocupação de que, à luz da crise sem precedentes na Ucrânia, a inclusão de uma entrada russa no concurso deste ano traria descrédito à competição”, disse a Eurovision em comunicado.

A medida ocorre depois que uma série de organizações esportivas decidiram cortar os laços com a Rússia ou cancelar eventos planejados. A Uefa, órgão que organiza o futebol europeu, disse que a final de 28 de maio da Liga dos Campeões será transferida de São Petersburgo para Paris “após a grave escalada da situação de segurança na Europa”.

PUBLICIDADE

O Comitê Olímpico Internacional pediu hoje que todas as organizações esportivas mudem ou cancelem eventos na Rússia e na Bielorrússia. A Fórmula 1 cancelou o Grande Prêmio da Rússia, que estava marcado para 23 de setembro. E no tênis, o torneio ATP Challenger planejado para Moscou em 28 de fevereiro foi cancelado.

UE adota novas sanções, incluindo Putin (13h58)

O ministro das Relações Exteriores da Letônia, Edgars Rinkevics, escreveu no Twitter que a reunião do Conselho de Relações Exteriores em Bruxelas na quinta-feira adotou o mais recente pacote de sanções da UE, incluindo o congelamento de ativos do presidente Vladimir Putin e do ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov.

EUA dizem que a Rússia não tem domínio aéreo até agora (13h45)

A Rússia usou cerca de 1/3 dos cerca de 150.000 funcionários que organizou contra a Ucrânia até agora, de acordo com uma autoridade de defesa dos EUA que disse que parece que o Kremlin está enfrentando uma resistência maior do que o previsto. O funcionário acrescentou que a infraestrutura de comando e controle da Ucrânia permanece em vigor.

O Ministério da Defesa da Ucrânia afirmou na quinta-feira que 15 tanques de batalha russos T-72 foram destruídos usando mísseis antiblindagem Javelin fornecidos pelos EUA e disse na sexta-feira que 80 tanques no total foram destruídos. Esses números não puderam ser verificados de forma independente.

Um ataque anfíbio da Rússia está em andamento do Mar de Azov em direção a Mariupol, disse a autoridade dos EUA. Eles disseram que a Rússia estava dividindo essas forças para também irem para a região de Donbass, mais a leste.

Rússia limitará acesso ao Facebook (13h23)

A Rússia limitará o acesso ao Facebook depois que a rede social se recusou a suspender as restrições às contas de quatro empresas de mídia amigas do Kremlin, incluindo dois veículos estatais.

O regulador da internet da Rússia disse que o Facebook ignorou uma demanda para restaurar as contas e, portanto, foi formalmente autuado pelo Procurador-Geral por ter “violado os direitos humanos básicos” dos usuários. O Facebook não comentou imediatamente.

A Rússia reprimiu empresas estrangeiras de Internet nos últimos anos e, no ano passado, limitou o acesso ao Twitter por um tempo. Google e Meta, da Alphabet, enfrentam multas recordes por não remover conteúdo proibido na Rússia.

Ucrânia diz ser alvo de ataques cibernéticos (13h18)

Kiev disse que militares e “indivíduos relacionados” estão sendo alvo de ataques cibernéticos patrocinados pelo Estado russo, destinados a comprometer contas de e-mail privadas.

A Equipe de Resposta a Emergências de Computadores da Ucrânia alegou que a Bielorrússia estava por trás dos esforços para induzir os usuários a entregar as credenciais de login. A campanha anterior do grupo “UNC1151″, com sede em Minsk, conhecido como “Ghostwriter”, tinha como alvo usuários na Europa Oriental e promoveu narrativas críticas à Otan, de acordo com a empresa de segurança cibernética Mandiant.

A embaixada da Bielorrússia em Washington não comentou imediatamente.

Anistia diz que civis foram atingidos por ataques russos (13h15)

A invasão foi marcada por ataques indiscriminados a áreas civis e ataques a locais protegidos, como hospitais, disse a Anistia Internacional em comunicado. A instituição disse que documentou três incidentes que acredita terem matado pelo menos seis civis e ferido pelo menos mais 12. A Rússia disse que suas tropas estavam atacando apenas alvos militares.

Kremlin não diz mais nada sobre Kiev (12h47)

A Rússia enviou um aviso à Ucrânia de que está disposta a iniciar negociações em resposta à sugestão de neutralidade levantada pelo presidente Volodymyr Zelenskiy, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres em uma teleconferência. Putin conversou com o presidente da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, que concordou em sediar conversas e garantir a segurança dos participantes, disse ele.

Com as forças ucranianas defendendo Kiev contra o ataque dos militares russos no segundo dia da invasão ordenada por Putin, o porta-voz do Kremlin acusou “elementos nacionalistas” na Ucrânia de implantar sistemas de foguetes de lançamento múltiplo nas principais cidades.

EUA fica longe do petróleo russo em sanções (12h34)

O governo Biden não visará o petróleo russo com sanções porque isso aumentaria os preços e prejudicaria os consumidores sem prejudicar Putin, disse uma autoridade do Departamento de Estado dos EUA.

“Se mirarmos o setor de petróleo e gás para Putin e, neste caso, o estabelecimento de energia russo, os preços aumentariam. Talvez ele vendesse apenas metade de seu produto, mas pelo dobro do preço”, disse Amos Hochstein, consultor sênior de segurança energética do Departamento de Estado, à Bloomberg TV.

Poloneses correm para sacar dinheiro, enquanto tchecos interrompem vistos para a Rússia (12h10)

As pessoas na Polônia fizeram fila para sacar dinheiro dos bancos em meio a preocupações com as consequências da invasão da Rússia à vizinha Ucrânia, desencadeando uma declaração do banco central de que o país tem reservas suficientes, apesar de alguns caixas eletrônicos ficarem sem zloty.

Na vizinha República Tcheca, o Sberbank da Rússia, que foi sancionado pelos EUA, fechou suas agências alegando “problemas de segurança”, informou a agência de notícias CTK. As pessoas fizeram fila nos caixas eletrônicos do Sberbank para sacar dinheiro, de acordo com testemunhas oculares.

O primeiro-ministro tcheco Petr Fiala disse que seu governo parou de emitir vistos para cidadãos russos, exceto em casos humanitários.

Lagarde promete defender preço e estabilidade bancária (12h01)

O Banco Central Europeu fará tudo o que estiver ao seu alcance para salvaguardar a estabilidade dos preços e o sistema financeiro da Zona do Euro, disse a presidente Christine Lagarde.

Embora seja muito cedo para avaliar o impacto econômico geral da invasão da Rússia, já está claro que a incerteza persistente provavelmente afetará o investimento e o consumo e impedirá o crescimento, disse Lagarde a jornalistas após uma reunião com ministros das Finanças da zona do euro em Paris. É provável que a inflação seja impulsionada ainda mais pelo aumento dos custos de energia.

Kiev diz que Rússia ataca alvos civis, o que o Kremlin nega (11h26)

As autoridades ucranianas acusaram as tropas russas de atacar alvos civis enquanto o ataque liderado por Moscou continuava a reboque na capital, Kiev. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que está atacando apenas ativos militares.

O ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba, disse que seu gabinete e os promotores ucranianos estavam coletando evidências após o que ele disse ter sido o bombardeio de um jardim de infância e um orfanato. Ele disse que os russos eram culpados de crimes de guerra e disse que as provas seriam enviadas para Haia.

Os ataques russos de hoje a um jardim de infância e a um orfanato são crimes de guerra e violações do Estatuto de Roma. Juntamente com o Ministério Público estamos a recolher este e outros factos, que enviaremos de imediato para Haia. A responsabilidade é inevitável.

UE vai congelar bens de Putin e Lavrov (10h16)

Diplomatas da UE aprovaram um plano para sancionar o presidente russo, Vladimir Putin, e o ministro das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, pela invasão da Ucrânia, um passo amplamente simbólico que congelaria seus ativos no exterior, segundo dois altos funcionários.

O congelamento de ativos, que viria além de um pacote mais amplo de sanções que a UE aprovou nesta sexta-feira, não afeta a capacidade de Putin ou Lavrov de viajar, disseram as autoridades, já que a UE procura manter as vias diplomáticas abertas. Oficialmente, Putin tem poucos ativos, tornando sua riqueza um mistério.

Rússia diz que capturou aeródromo perto de Kiev (10h08)

Mesmo quando Vladimir Putin teria sinalizado vontade de conversar, as forças russas tomaram o aeródromo de Hostomel perto de Kiev e bloquearam a cidade pelo oeste, informou a Interfax, citando o Ministério da Defesa em Moscou.

O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, disse que a capital está na defensiva e que explosões podem ser ouvidas ao redor da cidade de 2,8 milhões de habitantes.

O aeródromo de Hostomel é capaz de acomodar grandes aviões de transporte e os militares russos podem usá-lo para canalizar equipamentos para seu ataque a Kiev, cerca de 30 km a noroeste do centro da cidade.

Rússia pronta para conversar com a Ucrânia, segundo Interfax (9h58)

O presidente russo, Vladimir Putin, está pronto para autorizar conversas com a Ucrânia sobre um possível status neutro para o país, disse o Kremlin na sexta-feira, segundo o serviço de notícias Interfax.

Putin está disposto a aceitar a proposta do presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy de discutir a neutralidade e enviar funcionários do Kremlin e dos ministérios das Relações Exteriores e da Defesa da Rússia para a capital bielorrussa, Minsk, para discussões com representantes do governo da Ucrânia, disse o assessor de Putin, Dmitry Peskov, segundo a Interfax.

O rublo e as ações russas estenderam os ganhos do dia.

Putin diz que bancos magnatas são os primeiros na fila de ajuda (9h25)

Os bancos estão tendo preferência na resposta russa às sanções lançadas pelos governos ocidentais.

A ajuda estatal inicialmente se concentrará em ajudar os credores atingidos por penalidades, de acordo com duas pessoas que participaram de uma reunião fechada com Putin para discutir o impacto do conflito nas grandes empresas.

A mensagem aos bilionários e titãs corporativos reunidos ressalta a urgência que o governo de Putin enfrenta em casa enquanto o confronto na Ucrânia se intensifica. Manter a confiança dos credores é crucial em um país onde crises de turbulência econômica no passado destruíram as poupanças e provocaram corridas bancárias.

Erdogan diz que o Ocidente deve oferecer mais do que ‘conselhos’ (9h15)

O presidente da Turquia pediu aos aliados da Otan que tomem medidas mais firmes após a invasão da Ucrânia pela Rússia, acusando a aliança ocidental de fazer muito pouco em resposta ao ataque de Putin.

“O Ocidente continua apenas oferecendo conselhos”, disse Recep Tayyip Erdogan a repórteres em Istambul. Os líderes dos membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte devem discutir quais ações devem ser tomadas na reunião virtual na sexta-feira, disse ele.

Rússia diz que rendição é condição para negociações na Ucrânia (8h37)

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que Moscou não falará com o governo em Kiev até que os militares da Ucrânia se rendam.

“Estamos prontos para negociações a qualquer momento, assim que as forças armadas ucranianas responderem ao chamado de nosso presidente, parem a resistência e deponham suas armas”, disse Lavrov em Moscou após se reunir com representantes das áreas separatistas ucranianas.

Lavrov repetiu os comentários de Putin de que a invasão busca a “desmilitarização e desnazificação” da Ucrânia e reforçou a postura intransigente do Kremlin em relação ao governo em Kiev.

Xi da China recomenda a Putin negociar com a Ucrânia (8h29)

O presidente chinês, Xi Jinping, conversou com Putin por telefone e encorajou a Rússia e a Ucrânia a negociarem para “resolver os problemas”, disse a TV estatal chinesa na sexta-feira.

“A China apoia a Rússia e a Ucrânia para resolver questões por meio de negociações”, disse Xi durante a ligação, segundo a Televisão Central da China. Ele reiterou que a posição da China sempre foi respeitar a soberania e a integridade territorial de todos os países. Putin disse a Xi que está disposto a manter negociações de alto nível com a Ucrânia, segundo o relatório da China.

Xi e Putin são aliados próximos e se encontraram este mês em Pequim por volta das Olimpíadas. Pequim se recusou a repreender a Rússia por sua invasão da Ucrânia, enquanto prometeu comércio e interações normais também com Kiev. Importante fornecedor de energia para a China, a Rússia fortaleceu os laços comerciais com Pequim na última década.

Presidente da China fala com Putin e apoia negociações com a Ucrânia (8h26)

A China pediu à Rússia e à Ucrânia que negociem para resolver seus problemas, disse a TV estatal, citando o presidente Xi Jinping, após um telefonema com a contraparte Vladimir Putin na sexta-feira.

Estados Bálticos da Otan prometem mais armas para a Ucrânia (8h20)

A Estônia disse que enviaria mísseis antiblindagem Javelin adicionais para a Ucrânia para reforçar as defesas do país, segundo seu Ministério da Defesa, que não deu mais detalhes.

A Estônia e outros membros da Otan no Báltico, Letônia e Lituânia, já deram à Ucrânia vários mísseis antitanque fabricados nos EUA este mês. A Lituânia também disse que forneceria à Ucrânia rifles automáticos, capacetes e coletes blindados.

Estados Bálticos se juntam à Polônia na proibição de redes de TV russas (8h12)

Os estados bálticos da Estônia, Letônia e Lituânia estão tomando medidas que, segundo eles, visam limitar a disseminação de propaganda de guerra e desinformação, proibindo a transmissão de vários canais de notícias da televisão russa e bielorrussa.

“Isso é necessário para combater informações falsas e propaganda de guerra dos canais russos e a narrativa que eles estão tentando construir”, disse a primeira-ministra da Estônia, Kaja Kallas, em entrevista coletiva. A Polônia anunciou na quinta que também está proibindo alguns canais russos, incluindo o RT, um meio de comunicação apoiado pelo Kremlin, e o Rossija 24.

As nações ocidentais acusaram Moscou de espalhar informações falsas sobre as atividades na Ucrânia como pretexto para uma invasão. No início desta semana, a UE sancionou várias figuras da mídia russa, incluindo Margarita Simonyan, chefe da RT.

Quatro milhões de refugiados podem sair da Ucrânia, diz ONU (8h10)

As agências das Nações Unidas preveem que até 4 milhões de refugiados podem fugir da Ucrânia para países vizinhos se a invasão russa continuar.

Em uma entrevista na sexta-feira em Genebra, autoridades da ONU disseram que milhares de pessoas deslocadas pelo conflito já estão cruzando as fronteiras da Ucrânia para a Moldávia, Romênia, Hungria e Polônia.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados relatou movimentos substanciais de pessoas na Ucrânia, com mais de 100.000 deixando suas casas e “vários milhares” cruzando fronteiras desde o início da invasão.

Petróleo é negociado perto de US$ 100 com temores por abastecimento (7h36)

Os preços do petróleo eram negociados perto de US$ 100 o barril em Londres depois de atingir uma alta de sete anos em meio a temores de que a invasão da Ucrânia pela Rússia afetará a oferta do segundo maior exportador de petróleo do mundo.

Os futuros do Brent subiram acima de US$ 105 na quinta-feira (24), quando a Rússia lançou um ataque ao seu vizinho, embora os preços tenham recuado posteriormente, quando surgiu que os governos ocidentais não imporiam sanções às exportações de energia em retaliação. Ainda assim, compradores como a China estão evitando o carro-chefe da Rússia nos Urais, com a preocupação de que a ruptura nas relações internacionais ainda possa complicar as negociações com Moscou.

Membros da União Europeia relatam aumento do tráfego na fronteira com a Ucrânia (6h27)

O serviço de fronteira da Polônia disse que 38.200 pessoas entraram no país vindas da Ucrânia nas últimas 24 horas, com tráfego quase três vezes maior que a média pré-invasão. A Romênia registrou 5.300 entradas, incluindo cidadãos romenos e estrangeiros, na quinta-feira, mais que o dobro do número do dia anterior.

Na Hungria, o primeiro-ministro Viktor Orban assinou uma ordem executiva isentando os refugiados ucranianos das duras restrições de asilo de seu país, que o tribunal superior da UE chamou de ilegais. A Eslováquia, outro estado fronteiriço, abriu quatro centros de recepção ao longo de sua fronteira oriental.

Ucrânia relata combates perigosos perto de Kiev (6h19)

As forças russas continuam avançando mais perto da capital da Ucrânia, Kiev, ao longo da margem ocidental do rio Dnieper, onde estão sendo engajadas por forças ucranianas, disse o porta-voz presidencial Oleksiy Arestovych.

A situação mais perigosa agora está perto das cidades de Dymer, Ivankiv, Vorzel e Bucha, as duas últimas a cerca de 32 quilômetros do centro de Kiev, disse ele. As forças de defesa aérea ucranianas derrubaram dois mísseis e um caça russo SU-27 durante a noite perto de Kiev, enquanto as forças russas continuavam a atacar aeródromos e bases militares em todo o país.

A Ucrânia interrompeu os ataques russos no lado leste do Dnieper, perto de Chernihiv e Sumy, no leste do país, onde eles não estavam mais atacando, enquanto as batalhas continuaram no sul também, disse Arestovych.

O que é cyberwar e como isso se relaciona com a guerra na Ucrânia (6h04)

Os Estados Unidos e o Reino Unido se posicionaram em favor da Ucrânia depois que militares russos iniciaram ataques contra o país na madrugada desta quinta. As agências de segurança desses países já vinham alertando as organizações para reforço de segurança contra ataques cibernéticos provenientes da Rússia.

Um porta-voz da NCSC (Centro de Segurança Nacional), do Reino Unido, disse à Bloomberg Línea que a agência “está ciente dos relatos de incidentes cibernéticos após o ataque premeditado da Rússia à Ucrânia”.

“Estamos investigando urgentemente esses incidentes. O NCSC não está ciente de nenhuma ameaça cibernética específica para organizações do Reino Unido em relação à invasão russa, mas incentiva fortemente as organizações a seguirem nossas orientações sobre as etapas a serem tomadas quando a ameaça cibernética aumentar”, disse.

Rússia proíbe aviões do Reino Unido no espaço aéreo (5h45)

A Rússia baniu aviões britânicos de seu espaço aéreo, com efeito imediato, disse o órgão de vigilância da aviação em comunicado. A medida - que inclui voos em trânsito - foi tomada em resposta a uma medida semelhante do lado britânico, disseram os responsáveis.

UE adotará novo pacote de sanções na sexta-feira (5h34)

Os embaixadores da União Europeia planejam finalizar um novo pacote de sanções para limitar o acesso da Rússia ao setor financeiro da Europa e às principais tecnologias. Os ministros dos Negócios Estrangeiros devem se reunirá em Bruxelas às 11h, horário de Brasília, para adotar formalmente as medidas.

As sanções visam restringir o acesso de Moscou aos mercados internacionais e também introduzir controles de exportação de bens e de alta tecnologia, em um esforço para prejudicar a economia russa.

Rússia corre o risco de ficar sem chips por controles de exportação liderados pelos EUA (5h25)

Os principais países fabricantes de chips Japão, Taiwan e Coreia do Sul sinalizaram que seguirão o exemplo de controles de exportação anunciados pelos EUA, que terão como alvo a capacidade da Rússia de comprar semicondutores e outras tecnologias.

A medida cortaria o fornecimento de componentes cruciais para as indústrias militar, biotecnológica e aeroespacial.

Permanece a incerteza sobre se as empresas chinesas de chips, como a Semiconductor Manufacturing, com sede em Xangai, também tomarão essas medidas.

Swift ainda é opção de sanção; Reino Unido pressiona outras nações (5h15)

Embora os líderes da UE não tenham concordado em incluir o sistema Swift no novo pacote de sanções anunciado na quinta-feira, ainda é uma opção, disse o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire.

“Swift é uma das opções”, disse Le Maire a repórteres em Paris na sexta antes de uma reunião com contrapartes da UE. “É a última opção, mas é uma opção na mesa.” A ministra das Finanças holandesa, Sigrid Kaag, concordou, dizendo que “é importante que todas as medidas permaneçam na mesa, incluindo Swift”.

O Reino Unido continua a pressionar outras nações a excluir a Rússia do Swift. “Nós queremos que seja desligado, outros países não. Nós só temos algumas opções. Vamos trabalhar o dia todo para tentar obtê-lo”, disse o secretário de Defesa, Ben Wallace, à rádio BBC.

Bolsas europeias abrem em alta após o recuo de quinta (5h11)

As ações na Europa abriram em alta, se recuperando da queda de quinta desencadeada pelo ataque da Rússia à Ucrânia. O índice Stoxx Europe 600 subiu mais de 1% no início das negociações em Londres. As montadoras lideraram a recuperação junto com as ações de tecnologia, viagens e recursos básicos.

Zelenskiy diz que é o alvo número 1, mas que irá permanecer em Kiev (4h23)

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, disse que seus serviços de inteligência o identificaram como o principal alvo da Rússia, mas ele segue em Kiev com sua equipe e sua família também permanecerá no país.

“De acordo com nossas informações, o inimigo me marcou como o alvo número um”, disse Zelenskiy em um discurso de vídeo no início da manhã em que avaliou o primeiro dia da invasão russa. “Minha família é o alvo número dois. Eles querem destruir a Ucrânia politicamente, destruindo o chefe de Estado”.

O governo informou que os combates estão acontecendo ao norte da capital, e Zelenskiy disse que o exército russo entrou em Kiev e instou as pessoas a seguirem as regras do toque de recolher. Ele teve ligações na sexta-feira com o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, com o presidente polonês Andrzej Duda e com o presidente finlandês Sauli Niinisto.

Tive conversas com o primeiro-ministro britânico @BorisJohnson. Relatei sobre a defesa da Ucrânia e ataques insidiosos a Kiev pelo agressor. Hoje a Ucrânia precisa mais do que nunca do apoio de parceiros. Exigimos uma oposição efetiva à Federação Russa. As sanções devem ser reforçadas.

Rublo e ações russas se recuperam (4h10)

O rublo russo avançou pela primeira vez em três dias e o índice de ações de referência da Rússia se recuperou com investidores avaliando as sanções ocidentais ao país, que foram menos severas do que algumas expectativas iniciais.

O rublo subia cerca de 0,6% para 84,70 por dólar nas negociações onshore na sexta-feira, recuando de uma baixa recorde de 89,60 na quinta. O índice de ações MOEX abriu em alta de 21% em alta em Moscou após a queda de 33% na véspera.

Enquanto isso, o petróleo subia com a preocupação de que a invasão da Rússia possa impedir os embarques globais de energia, com o petróleo Brent subindo 2% para ficar acima de US$ 101 o barril. Os preços do gás natural na Europa interromperam um rali recorde, à medida que os fluxos russos para o continente aumentaram. Os futuros de gás de referência caíram até 21%, após quatro dias consecutivos de ganhos.

Banco Central da Rússia promete ajuda para credores sancionados (3h30)

O Banco da Rússia disse que está pronto para ajudar a apoiar os grandes credores aos quais os EUA e seus aliados estão impondo sanções, garantindo que eles ainda poderão acessar depósitos em rublos e em moeda estrangeira.

O banco central disse que cerca de 80% dos balanços dos bancos estão em rublos e está preparado para fornecer os fundos em moeda local e estrangeira necessários para apoiá-los. Os credores desenvolveram planos em preparação para sanções, que os EUA vêm ameaçando há meses, disse o Banco da Rússia sem dar detalhes.

Hoje, autorizei uma nova rodada de sanções e limitações em resposta à guerra de escolha de Putin contra a Ucrânia.

Projetamos propositadamente essas sanções para maximizar o impacto de longo prazo na Rússia – e minimizar o impacto nos Estados Unidos.

— Presidente Biden (@POTUS) 25 de fevereiro de 2022

Os EUA anunciaram sanções aos maiores bancos da Rússia, Sberbank e VTB, bem como várias outras instituições menores, no que Biden disse serem os limites mais severos impostos ao país até o momento. O Sberbank publicou erroneamente uma declaração na manhã de quinta, antes de Biden anunciar as medidas, de que estava na lista.

Importadores de petróleo da China pausam compras marítimas (3h20)

Importadores de petróleo na China, o maior comprador mundial de petróleo russo, estão pausando brevemente novas compras marítimas enquanto avaliam as possíveis implicações de lidar com os embarques após a invasão da Ucrânia, de acordo com refinarias e comerciantes que vendem para a região.

Enquanto as exportações russas de energia foram poupadas das sanções dos EUA, alguns bancos europeus começaram a impor restrições ao financiamento do comércio de commodities ligado aos dois países. O petróleo subiu no comércio asiático com a preocupação de que as sanções financeiras à Rússia possam impedir as cadeias globais de fornecimento de combustível.

Enviado da Ucrânia quer que a China pressione Putin (2h27)

O embaixador da Ucrânia no Japão, Sergiy Korsunsky, pediu à China que use sua influência com Putin para ajudar a convencê-lo a parar seu ataque, acrescentando que se a situação em torno da usina nuclear de Chernobyl não for gerenciada adequadamente, pode ser um grande problema para todos.

”Acredito que a China pode desempenhar um papel muito mais ativo ao trabalhar com Putin em um assunto que esperamos que os países civilizados façam”, disse ele a repórteres no Clube de Correspondentes Estrangeiros em Tóquio.

A China se recusou a condenar o ataque da Rússia à Ucrânia, e em vez disso, pediu moderação por “todas as partes” e repetiu as críticas de que os EUA eram os culpados por “exagerar” a perspectiva de guerra na Europa Oriental. Ao mesmo tempo, a TV estatal disse que cerca de 6.000 cidadãos chineses que vivem na Ucrânia enfrentam crescentes desafios de segurança, e a embaixada na Ucrânia disse a eles para começarem a se registrar para voos de evacuação.

Fake news sobre Rússia viraliza no Facebook e no Telegram (1h33)

As fake news sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia inundaram as conversas nas redes sociais, variando entre conspirações pró-Kremlin pelo Telegram e vídeos descritos como ataques ao vivo viralizando na plataforma de jogos do Facebook (FB), o Facebook Gaming.

Os principais vídeos no Facebook Gaming foram descritos como imagens de ataques ao vivo na Ucrânia pela Rússia, alguns tinham até banners vermelhos típicos das notícias urgentes.

-- Com informações Bloomberg News

-- Com a colaboração de Ana Carolina Siedschlag e Isabela Fleischmann